Author: admin

10 dicas para prevenir a conjuntivite.

Você sabe como prevenir a conjuntivite?
Confira as nossas dicas.

1. Lave as mãos frequentemente com água e sabão.
2. Caso não seja possível lavar as mãos com tanta frequência, tenha por perto álcool em gel.
3. Fique atento para não tocar os olhos depois de pegar em maçanetas ou andar em transporte público.
4. Evite tocar os olhos sem higienizar as mãos.
5. Evite usar maquiagem de outras pessoas.
6. Nunca use lentes de contato de outras pessoas.
7. Nunca use colírios utilizados anteriormente por pessoa com conjuntivite.
8. Não leve seu filho com conjuntivite para a escola até que o quadro tenha se resolvido.
9. Utilize apenas produtos descartáveis para limpeza e realização de compressas na área afetada pela conjuntivite (algodão, gaze ou lenço de papel).
10. Lave, regularmente, lençóis, fronhas e toalhas.

Por que algumas vezes vejo flashes de luzes?

Por que algumas vezes vejo flashes de luzes?

Flashes de luzes podem ser sinal de descolamento (separação) entre vítreo e retina. O vítreo é uma substância gelatinosa transparente que preenche o globo ocular, dando forma ao mesmo(figura 1).

Descolamento de Vítreo

Figura 1: Vítreo

A força exercida na retina quando o vítreo é separado dela pode fazer com que a pessoa tenha sensação de flashes no campo visual lateral. Os flashes podem aparecer e desaparecer durante muitas semanas(Figura 2).

Flashes de luzes

Figura 2: Flashes de luzes

descolamento vítreo-retiniano é um processo fisiológico, ou seja, é comum ocorrer em pessoas mais idosas, em pós-operatórios de cirurgias oculares e após traumas oculares.

Flutuações no vítreo, também conhecidas como moscas volantes são frequentes nestes casos e surgem como pontos, manchas, nuvens, fios ou teias de aranha na visão. Na maioria das vezes, as flutuações são células que podem aparecer e desaparecer, não sendo necessário qualquer tipo de tratamento. O paciente aprende a conviver e tolerar as mesmas através da neuroadaptação visual. (Figura 3 e 4)

Moscas Volantes

Figura 3: Moscas Volantes

Moscas Volantes

Figura 4: moscas volantes

No entanto, se as luzes persistirem, podem ser devido à “buracos ou rasgos” na retina que podem resultar em um descolamento de retina. Os buracos e rasgos são, freqüentemente, reparados com tratamento a laser. O tratamento dos descolamentos de retina necessitam na maioria dos casos de cirurgia.

Recomenda-se na presença de flashes de luzes ou moscas volantes a avaliação de um oftalmologista. O exame determinará se há lesão da retina ou apenas descolamento do vítreo.

Se flashes de luzes são acompanhados por um grande número de manchas escuras ou uma repentina perda do campo visual, marque um exame imediatamente com o oftalmologista.

Presbiopia

presbiopia ou “vista cansada” tem inicio, normalmente,  após os 40 anos. Ler mensagens no celular, no jornal, livros, e a validade de um produto, tornam-se tarefas extremamente difíceis, ou mesmo, impossíveis. Em muitos casos os présbitas começam a esticar os braços sem dar conta de que já estão com a famosa “vista cansada“. Vale lembrar que isso não é doença. Faz parte do envelhecimento do organismo, assim como a pele começa a perder o tônus e os cabelos a ficarem brancos.

presbiopia

Sintomas iniciais da presbiopia

presbiopia

Presbiopia

presbiopia ocorre por uma ineficiência do sistema de acomodação da visão para perto, ou seja o nosso foco automático para perto começa, gradativamente, a perder sua capacidade de acomodação. A piora desta acomodação é progressiva e atinge seu máximo por volta dos 60 anos. A rapidez com que a presbiopia se estabelece varia de uma pessoa para a outra, em função da quantidade e tipo de grau que use para longe. Em alguns casos, quando o indivíduo tem miopia é comum que retire o óculos para longe para conseguir ler de perto.

presbiopia

presbiopia em míope

 

Nenhuma forma de tratamento reestabelece a acomodação natural e todas as formas de correção têm limitações. Os principais tipos de tratamentos são:

  • Uso de óculos para perto ou multifocais, que corrigem a visão para perto e para longe.
  • Uso de lentes de contato multifocais ou monofocais, com monovisão.
  • Correção da visão por laser, com monovisão.
  • Implante de lentes intraoculares, multifocais ou monofocais com monovisão (para pacientes que já apresentam catarata).

Monovisão é a visão funcional de um olho para longe e de outro para perto. A monovisão busca induzir a visão do olho de perto de  -1,50 a -2,0 dioptria, ou grau de miopia, que é suficiente para permitir uma boa visão para perto. Ao mesmo tempo o outro olho é corrigido para visão de longe.

Quando se induz a monovisão, o cérebro passa a fazer a escolha da melhor imagem, vinda de um olho ou do outro, de acordo com a localização do objeto (próximo ou distante).

Já existe tratamento a laser para deixar a córnea com poder multifocal, mas os resultados iniciais devem ser melhor avaliados.

O tratamento multifocal seja através de lentes de contato ou com o implante de lentes intra-oculares no tratamento de catarata são satisfatórios em casos específicos e devem ser testados pelos pacientes antes do tratamento definitivo.

Atualmente a qualidade de lentes de óculos multifocais evoluiu muito e a dificuldade de adaptação reduziu consideravelmente.

Olho seco

Olho seco

Trata-se de alteração na qualidade ou quantidade da lágrima, que umedece, protege, oxigena e limpa o epitélio corneano (membrana que reveste a córnea) e a conjuntiva (membrana que recobre o globo ocular), além de manter a transparência da córnea, essencial à boa visão.

olho seco

OLHO SECO

olho seco ocorre, em 80% dos casos, nos dois olhos ao mesmo tempo. Pode manifestar-se em qualquer época, mas no outono e inverno, pela baixa umidade do ar, tende a se intensificar. Os sintomas do olho seco são ardência, secreção ocular, coceira, queimação, olhos vermelhos e irritados, visão borrada que melhora com o piscar, sensibilidade à luz, desconforto depois de ver televisão e ler ou trabalhar ao computador. Ao exame podem aparecer ceratite puntata.

olho seco

 OLHO SECO – ceratite puntata

Contribuem para o aparecimento do olho seco a utilização excessiva de ar-condicionado, o calor seco, o uso de lentes de contato e a poluição. O olho seco pode estar associado a doenças alérgicas e auto-imunes, como o lúpus,  em que o organismo produz anticorpos que atacam a pele, articulações, rins e outros órgãos fundamentais. O olho seco pode, também, estar resultar do uso de remédios contra hipertensão, distúrbios digestivos, antialérgicos, descongestionantes, antidepressivos, tranqüilizantes e pílula anticoncepcional.

Sem lágrima, os olhos dos portadores de olho seco ficam mais expostos à ação de fungos e bactérias, que podem provocar doenças como conjuntivite – inflamação da conjuntiva – e úlceras na córnea. Olhosressecados favorecem infecções repetidas que tornam a córnea opaca e levam à perda da visão.

A prevenção é a melhor alternativa. Pessoas com os sintomas de olho seco descritos acima devem consultar um oftalmologista. O tratamento do olho seco em fase inicial é simples. Às vezes, basta estimular a produção da lágrima por meio de uma dieta com suplentação de Ômega 3, comum nas sementes de linhaça, nozes e algumas verduras.

Também é indicado colírio substitutivo da lágrima, como os lubrificantes oculares. Outra alternativa, para casos mais graves, é a cauterização de pontos lacrimais para que a lágrima permaneça nos olhos por mais tempo.

 

Todas as informações fornecidas neste website têm caráter meramente informativo, com o objetivo de complementar, e não substituir, as orientações do seu(sua) médico(a).

Plástica Ocular

Plástica Ocular

Plástica Ocular, também conhecida como oculoplástica, é uma subespecialidade da oftalmologia  que cuida da região peri-ocular e frontal, no terço superior da face. Trata de problemas relacionados com às pálpebrasvias lacrimais e órbita. Subdivide-se em dois segmentos:

Plástica Restauradora
: especializada na correção do mau posicionamento das pálpebras e dos cílios, reconstituição cirúrgica de pálpebras traumatizadas, desobstrução das vias lacrimais, tratamento e remoção de tumores palpebrais, tratamento do xantelasmas( manchas amarelas nas pálpebras ) e ptosepálpebra caída ).

Plástica Estética: dedicada a cirurgias para retirada do excesso de pele e bolsas de gordura nas pálpebrassuperiores e inferiores, alem da correção de ptoses leves. A cirurgia estética das pálpebras tem como objetivo valorizar e rejuvenescer o olhar, corrigindo os efeitos do envelhecimento palpebral,  uma vez que estas são responsáveis pelo olhar cansado. A blefaropastia (retirada do excesso de pele da pálpebra) é a cirurgia plástica mais comum da face. Quando bem indicada, com exames pré-operatórios, incluindo os oftalmológicos e avaliação do especialista em plástica ocular, as chances de complicações são raras. 
Há, ainda, tratamentos pouco invasivos para embelezar homens e mulheres no combate dos sinais de envelhecimento da face, como as rugas e a flacidez. Dentre as várias técnicas utilizadas pela medicina estética da face a toxina botulínica ( botox ) tem grande importância, sendo muito segura na manutenção da saúde ocular.

 

Blefaroplastia

plástica das pálpebras, chamada blefaroplastia, é uma cirurgia destinada a remover as bolsas gordurosas palpebrais junto com o excesso de pele e eventualmente de músculo, das pálpebras superiores e inferiores. A blefaroplastia não corrige os “pés-de-galinha” (excesso de pele na lateral da órbita) ao redor de seus olhos, nem levanta a sobrancelha caída. Outros procedimentos podem ser associados para corrigir tais aspectos. A plástica das pálpebras pode melhorar significativamente a face, suavizando a expressão e conferindo um ar mais rejuvenescido e descansado. A blefaroplastia é indicada para homens e mulheres que se encontram em boa condição de saúde, psicologicamente equilibrados e com expectativas realistas em relação à cirurgia. O tratamento cirúrgico, na maioria das vezes, é feito através de cortes no sulco da pálpebra superior e na linha logo abaixo dos cílios na pálpebra inferior, com pequenas extensões laterais acompanhando rugas naturais já existentes. (Figura Blefaro1; Vídeo blefaroplastia)

blefaroplastia

Figura Blefaroplastia 1

 

A pele e músculo excedentes são retirados e a gordura herniada é tratada. No final, a pele é suturada e se acomoda a nova estrutura. (Figura 2)

blefaroplastia

Figura Blefaroplastia 2

Nessa cirurgia, a anestesia é  local com um anestesista propiciando uma sedação para conforto do paciente.

Existe ainda a possibilidade de se realizar a blefaroplastia inferior via transconjuntival para retirada das bolsas de gordura, ou seja sem a necessidade de incisões na pele. (Figura 3; Vídeo blefaroplastia)

blefaroplastia

Figura Blefaroplastia 3

Botox

Também conhecida popularmente como BOTOX ®, um dos seus nomes comerciais mais usados, a toxina botulínica age no músculo levando à sua paralisação, suavizando as rugas de expressão da pele.(figura 1)

Botox

Botox

É um procedimento minimamente invasivo e seus resultados aparecem em 48 horas. As áreas para o uso do botox são as rugas entre as sobrancelhas, as linhas horizontais da testa e as linhas de expressão que surgem ao redor dos olhos ( “pés-de-galinha”).(Figura 2) O botox é excelente para complementar a Blefaroplastia e o Laser de CO2. O tratamento pode ser realizado em todas as idades e em homens e mulheres.

Botox antex

Botox entre as sobrancelhas antes

Botox depois

Botox entre as sobrancelhas depois

botox testa

Botox rugas horizontais frontais antes

Botox testa

Botox rugas horizontais frontais depois

Botox rugas perioculares

Botox em rugas peri-oculares antes

Botox pés de galinha

Botox em rugas peri-oculares depois

Botox homem

Botox em rugas verticais entre as sobrancelhas de homem “antes”

Botox homem

Botox em rugas verticais entre as sobrancelhas de homem “depois”

Quais alimentos fazem bem para os olhos além da cenoura?

É muito comum que esse ensinamento seja passado por várias gerações: o de que comer cenoura é algo que faz bem à saúde ocular.

Isso se deve ao fato de cenouras terem betacaroteno, um tipo de vitamina A que previne a cegueira noturna e contribui para uma retina mais saudável.

Só que você pode ir além da cenoura para garantir uma dieta que ajuda a manter a sua saúde ocular. Fique de olho nessas dicas:

  • Procure sempre ter o hábito de comer peixe, porque é um alimento que traz as melhores proteínas para os seus olhos, como ômega-3.
  • Gosta de açaí? Então a boa notícia é que ele é rico em vitaminas A e C, que protegem a retina da ação dos radicais livres.
  • Você já sabe que frutas são parte obrigatória de uma dieta saudável, e algumas delas são excelentes para os olhos. Frutas cítricas diminuem consideravelmente as suas chances de desenvolver problemas oculares graves como catarata e degeneração macular.

Conheça de que formas o cigarro afeta sua visão

Muitos dos malefícios do cigarro já são conhecidos e amplamente divulgados, porém, é importante ressaltar as consequências que o uso do cigarro traz para a visão.

Ao fumar, centenas de substâncias tóxicas são lançadas para dentro do nosso organismo, chegam até os pulmões, percorrem as correntes sanguíneas e assim afetam o funcionamento de todo o sistema, incluindo os olhos, uma das áreas mais sensíveis de nosso corpo. E uma das primeiras doenças oculares que normalmente surgem em fumantes é a catarata, causada pela opacificação da lente natural do olho – cientificamente chamado de cristalino.

Alguns de seus sintomas são: diplopia (quando uma pessoa vê duas imagens onde deveria ver apenas uma), diminuição da percepção das cores e perda da visão noturna. Em pessoas fumantes, há uma incidência 40% maior desses problemas, pois o tabaco é responsável exatamente pela diminuição da irrigação do globo ocular.

Mas não para por aí

Fumantes podem ter problemas com a visão mesmo depois de 15 a 20 anos após parar de fumar. A fumaça do cigarro é um irritante que piora os sintomas de olho seco e o tabaco afeta a circulação sanguínea, diminui a quantidade de antioxidantes no sangue e prejudica a visão podendo chegar a degeneração macular e da retina, levando à perda da visão central e podendo resultar em cegueira.

Os primeiros quadros desse problema são: fotossensibilidade, visão desfocada, alteração na percepção de linhas e alteração nos sentidos de distâncias e alturas. Quando esta patologia avança, existe uma perda completa da visão e a cegueira.

Além de prejudicar o interior dos olhos, fumar afeta também o cristalino externo, dando uma aparência amarelada e provocando o surgimento de “bolsas” escuras nas pálpebras, estas causadas também pela perda de qualidade do sono e acúmulo de substâncias tóxicas. O tabaco danifica a transparência do globo ocular e olhos amarelados refletem também problemas causados pelo cigarro no pâncreas e fígado.

Catarata: Sintomas, causas e tratamento

A catarata consiste na opacidade total ou parcial do cristalino, lente natural do globo ocular, que é responsável pela focalização da visão para perto e para longe. É a diminuição progressiva da visão, podendo ser congênita ou adquirida.

O principal sintoma é uma visão embaçada, como se a pessoa estivesse olhando por um vidro opaco. Pessoas que têm catarata tem a visão nublada, e essa visão nublada pode tornar difíceis tarefas simples como ler, dirigir um carro ou interpretar a expressão das pessoas.

A maior parte das cataratas se desenvolve lentamente e não perturba a visão desde seu início, mas com o passar do tempo, começa a interferir na visão.

No início, uma iluminação de ambiente mais forte e o uso de óculos ajuda a lidar com os sintomas, mas logo passa a prejudicar atividades normais do dia a dia e começa a se fazer necessário um tratamento cirúrgico. A boa notícia é que a cirurgia de catarata costuma ser um procedimento seguro e eficaz.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), a catarata é responsável por mais de 50% dos casos de cegueira no mundo e atinge quase metade (46,2%) da população mundial com mais de 65 anos.

Estima-se que no mundo cerca de 160 milhões de pessoas tenham esta doença, considerada a maior causa de cegueira evitável. No Brasil são 2 milhões e surgem cerca de 120 mil novos casos ao ano. E como a expectativa de vida da população mundial está aumentando, o número de pessoas com catarata tende a crescer.

Sintomas da catarata

Os sintomas mais frequentes da catarata são: diminuição da acuidade visual, sensação de visão “nublada ou enevoada”, sensibilidade maior à luz, alteração da visão de cores e mudança frequente da refração.

Nem todas as cataratas prejudicam a visão ou afetam a vida diária. Para aquelas que causam prejuízos, os sintomas comuns incluem:

  • Visão nublada, confusa ou nebulosa
  • Visão com brilho de lâmpadas ou do sol
  • Dificuldade de dirigir à noite devido ao brilho dos faróis
  • Mudanças frequentes na prescrição de óculos
  • Visão dupla
  • Melhoria da visão de perto que, em seguida, fica pior
  • Dificuldade em fazer as atividades diárias por causa de problemas de visão.

 

Causas

A catarata ocorre quando a lente dentro do olho torna-se turva, e fatos que colaboram para esta condição são:

  • Envelhecimento (catarata relacionada à idade)
  • Superexposição à radiação ultravioleta (UV), como da luz solar, cabines de bronzeamento ou solários
  • Lesão ocular
  • Diabetes, especialmente quando os níveis de açúcar no sangue estão acima da faixa de segurança. A doença descontrolada provoca alterações no olho que podem resultar em catarata
  • Doença no interior do olho, tais como o glaucoma, retinite pigmentosa ou descolamento da retina
  • Vitrectomia (remoção do gel vítreo do olho) em pessoas com mais de 50 anos de idade
  • Raios-X frequentes ou tratamentos de focados na cabeça
  • Histórico familiar. Uma pessoa pode herdar a tendência para desenvolver a catarata
  • Uso prolongado de medicamentos esteroides

 

Tipos

Catarata relacionada à idade: Também chamada de catarata senil, essa forma da doença ocorre por causa do envelhecimento. Tipo de catarata mais comum, ocorre em geral com o processo de envelhecimento, surgindo mais frequentemente após os 55 anos de idade.

Cataratas nucleares: Se formam no centro da lente, tornando o núcleo do olho turvo ou opaco. O centro do olho pode ficar com uma coloração amarela ou castanha. Catarata cortical aparece na forma de cunha e em volta das extremidades do núcleo. Catarata subcapsular posterior se formar mais rapidamente do que os outros dois tipos, e afeta a parte de trás da lente.

Catarata congênita: Ocorre por doenças da mãe durante a gravidez, que atingem o feto. Com frequência é acompanhada de outras alterações. Está presente no nascimento ou se forma durante os primeiros ano de um bebê. Esse tipo é menos comum do que catarata relacionada à idade. Esse tipo de catarata nem sempre apresenta sintomas e pode ser removida se ela interfere com a visão do bebê. A catarata congênita pode se desenvolver se a mãe tiver uma infecção ou abusa de substância como drogas, álcool e tabaco durante a gravidez.

Catarata secundária: Essas são causadas por doenças ou medicamentos. As doenças que estão associadas ao desenvolvimento de cataratas incluem glaucoma e diabetes. O uso de medicamentos esteróides pode levar à catarata.

Catarata traumática: Ocorre após acidentes que danificam os olhos. Geralmente é unilateral. Se desenvolvem após uma lesão no olho, embora possa levar vários anos após o evento para que isso aconteça.

Catarata Diabética: Geralmente, tem início precoce e provoca perda visual mais rápida do que a catarata senil.

Catarata Decorrente de medicamentos: Principalmente os corticóides, quando usados por longos períodos.

Catarata tem cura? Sim! Felizmente, catarata tem cura.

Tratamento da catarata

O tratamento curativo da catarata é o cirúrgico e consiste em substituir o cristalino opaco por prótese denominada de lente intra-ocular (LIO).

Toda vez que a qualidade de vida do portador de catarata esteja comprometida, ou seja, que existam limitações nas atividades que realiza habitualmente, a cirurgia está indicada. A evolução da catarata geralmente é bilateral com certa assimetria, daí a importância da realização da cirurgia do segundo olho para recuperação integral do sistema visual.

Cirurgia

Resumidamente, a cirurgia de catarata é realizada sob anestesia local (absolutamente indolor) sem a necessidade de internação hospitalar. Para a recuperação visual do portador de catarata, se faz necessária a retirada do cristalino opaco e o implante de uma lente intra-ocular. A qualidade de visão com a lente intra-ocular é muito superior àquela com óculos ou lentes de contato. Por isto, o implante da lente intra-ocular é feito de rotina atualmente.

Apesar de várias especialidades médicas serem capazes de detectar a catarata, só um oftalmologista pode tratar a doença. Saiba mais sobre a catarata! Procure consultar seu oftalmologista com frequência.

Importante: Todas as informações contidas nesta página têm caráter informativo e educacional. Nenhuma providência deverá ser tomada sem consultar o seu oftalmologista, pois somente ele está habilitado para praticar o ato médico, conforme recomendação do Conselho Federal de Medicina.

Benefícios do Ômega 3 para sua visão

Os olhos não mentem jamais e alguns alimentos são tão essenciais aos nossos olhos que é preciso estar constantemente atento ao consumo deles e incluí-los em nossa dieta.

Mas hoje vamos falar do ômega 3, que é um ácido graxo essencial para diversas funções do nosso organismo, principalmente para nossa visão. O ômega 3 facilita a nutrição das células que protegem os olhos, evitando que doenças se desenvolvam facilmente no globo ocular, e tem também papel importante na prevenção da degeneração macular.

Uma dieta que priorize vegetais de folhas verdes, nozes e peixes, alimentos ricos em ômega 3, ajudam a diminuir o risco da degeneração macular, que é uma das causas de perda de visão em pessoas com mais de 60 anos.

Estas informações são baseadas em um estudo recentemente publicado pela revista JAMA Ophthalmology. Foi a primeira vez que pesquisas comprovaram a relação entre certos nutrientes da nossa dieta com o risco de uma pessoa desenvolver ou não a degeneração macular.

Pessoas com degeneração macular perdem a visão central do olho e os fatores de risco incluem o envelhecimento natural, o tabagismo, o histórico familiar e a obesidade. E embora a doença tenha um forte influência genética, um crescente número de pesquisas, como esta, vem alertando que comportamentos saudáveis podem reduzir o risco de aparecimento e desenvolvimento da doença.

A alimentação correta está diretamente ligada a fatores imprescindíveis à visão

Ainda segundo o estudo, nutrientes relacionados com menor risco de degeneração macular são as vitaminas C e E, o zinco, a luteína, a zeaxantina e o ácido graxo ômega 3. E o papel protetor dos pescados aparece exatamente associado ao ômega 3 presente neles, com um efeito protetor sobre a retina.

Ingerir ômega 3 é importante para preservar os pequenos vasos que irrigam os olhos e ainda protege a retina contra inflamações, mas não são apenas os pescados que precisam entrar em nossa dieta, as nozes também foram identificadas como protetoras da nossa visão.

Prefira os alimentos ricos em vitaminas A e E, como a cenoura, e com ômega 3, como a linhaça. Alimentos de origem animal trazem a principais vitaminas necessárias para a boa visão, como: fígado de peixe, óleo de fígado de bacalhau, fígado bovino, carnes, ovos, leite integral e seus produtos gordurosos, como creme de leite e a tradicional manteiga.

Peixes – Fontes de ácidos graxos, ômega 3 e das vitaminas A, B, D e E, peixes como sardinha, bacalhau, salmão e atum são ótimos estimulantes da boa circulação sanguínea. Com a ingestão desses alimentos, a retina receberá oxigênio, essencial para a saúde dos olhos.

Frutas, legumes e verduras – Os de pigmentação amarela e verde costumam ser fontes ricas de carotenoides, substâncias que previnem a deterioração da mácula, ponto responsável por nos permitir enxergar cores. Podem ser encontrados em alimentos como laranja, maçã, cenoura, tangerina, brócolis e couve.

Óleo de linhaça – Para combater o chamado “olho seco” este óleo é uma grande arma, pois é rico em vitamina E, ácidos graxos, ômega 3, ômega 6 e ômega 9.

Azeite virgem – Rico em ômega 3, o azeite virgem é considerado um grande aliado na prevenção contra a degeneração macular, lesão que pode levar à perda irreversível da visão.

Alho e cebola – São ricos e fontes de cálcio, fósforo e vitaminas B e C. Possuem ação contra micróbios e antiviral. Agem como dilatadores dos vasos sanguíneos, diminuindo a pressão arterial e prevenindo contra o glaucoma, uma vez que a pressão intraocular é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento da doença.

Amoras e cerejas – Assim como o morango, a framboesa e outras frutas vermelhas e roxas são exemplos de alimentos antioxidantes, que combatem os radicais livres e são fontes de vitamina C e de flavonoides. Previnem contra a perda de visão e contra a degeneração macular.

Daltonismo

Você sabe como uma pessoa daltônica vê o mundo?

O que é?
Também conhecido como discromatopsia, o Daltonismo é a alteração na percepção de cores.
A nossa visão de cores é dada pelas células da retina chamadas cones. Existem basicamente três tipos de células cones, cada uma responsável pela visão de uma das três cores básicas: o vermelho, o verde e o azul. As outras cores são, na verdade, a combinação dessas três cores.

A forma que realmente é chamada de Daltonismo é a deficiência para o verde e vermelho. Trata-se de uma doença genética, ou seja, existe uma alteração nos cromossomos. Geralmente a alteração genética está no cromossomo X, portanto, é mais comum nos homens.

Diagnóstico
Existem dois tipos de exames para fazer o diagnóstico:

Teste de Ishihara: exame mais utilizado por ser de fácil manuseio, consiste em placas com números formados por pontos de cores diferentes. A pessoa com Daltonismo ou não enxerga nenhum número ou enxerga um número diferente.

Anomaloscópio de Nagel: o teste realizado por esse aparelho consiste em dividir o campo de visão do paciente em duas partes. Sendo que uma delas é iluminada por uma luz monocromática amarela, enquanto a outra é iluminada por diversas luzes monocromáticas verdes e vermelhas. Solicita-se ao paciente que iguale as tonalidades dos dois campos visuais alterando a razão entre a intensidade das luzes vermelha e verde e modificando a intensidade da luz amarela. Através da comparação entre a tonalidade real e a visualizada pelo paciente é possível determinar qual o tipo e o grau do daltonismo.

Tratamento
Até o momento não existe um tratamento definitivo e específico. É possível usar algumas lentes de óculos com filtros de cor, conhecidas como lentes com filtros seletivos para uso medicinal, as quais ajudam a diminuir o desconforto e melhoram o contraste.