Catarata: causas, sintomas & tratamentos

Catarata: causas, sintomas & tratamentos

Resumo sobre catarata

A catarata, a degeneração macular e o glaucoma são as três principais doenças do olho, que ocorrem com o envelhecimento e podem causar cegueira.

A catarata é descrita desde a antiguidade. A visão turva devido a catarata é uma alusão à visão que a pessoa teria se estivesse olhando através de uma cachoeira, “catarata” em latim significa “cachoeira”.

A catarata afeta o cristalino do olho. Como uma lente óptica, o cristalino permite uma adaptação da visão, focando a imagem através da alteração de sua forma (contração ou alongamento). Este é exatamente o mesmo princípio físico usado em câmeras ou telescópios, por exemplo.

Com o envelhecimento, o cristalino se torna opaco e visão turva. É uma doença degenerativa, mas progressiva. A catarata é uma doença senil (devido à idade). Outras causas de catarata existem, como catarata traumática (devido a um acidente) ou secundária (devido a alguns medicamentos).

O mecanismo de envelhecimento do cristalino não é totalmente conhecido, mas parece que se deve ao ataque de radicais livres. Para prevenir esta situação, uma dieta rica em antioxidante seria bem-vinda, por isso recomenda-se a comer frutas e legumes regularmente.

O principal tratamento para a catarata é a cirurgia.

Definição

Catarata significa “cachoeira”. A catarata é uma doença ocular caracterizada por uma visão cada vez mais turva, como se estivesse olhando através de uma queda d’água.

Existem vários tipos de catarata, dependendo da causa da doença: a catarata senil, a catarata traumática e a catarata secundária.

Catarata senil

Majoritariamente, a catarata ocorre devido à idade, com opacificação e endurecimento do cristalino. O cristalino é uma lente posicionada atrás da íris e age como uma lente óptica utilizada na formação da imagem por alteração de sua forma. Com o envelhecimento, o cristalino torna-se menos flexível. Não pode mais tão facilmente mudar a sua forma, e, então, a visão é perturbada. O processo de envelhecimento do cristalino não é ainda conhecido, mas parece que isso é devido ao ataque dos radicais livres, o que representa o envelhecimento normal do corpo humano. Este processo é progressivo. A catarata senil torna-se um incômodo após a idade de 70 anos, em geral.

Há formas de catarata juvenil, mas isso é raro. As crianças podem nascer com catarata, mas este é sim um secundário de catarata para doenças contraídas durante a gravidez, como rubéola, sífilis, herpes genital, ou toxoplasmose. Note-se também um fator genético para a catarata. O último efeito pode ocorrer em crianças com síndrome de Down.

Catarata traumática

Catarata traumática ocorre mais frequentemente em pessoas cujo olho foi afetado por lesão traumática, até o ponto onde a lente foi atingido. Este é particularmente o caso para a cirurgia no olho, danos nos olhos, sopra para o olho, queimaduras, químico ou físico, por exemplo.

Catarata secundária

Catarata secundário é causado pelo uso de certos medicamentos, tais como cortisona. Ele também pode ser secundário a doenças como a diabetes mal controlada, miopia, glaucoma, descolamento de retina ou uveíte.

Epidemiologia

– Em todo o mundo, cerca de 20 milhões de pessoas são afetadas pela catarata (estimativa da OMS em 2010). A OMS estima que cerca de 48% dos casos de cegueira em todo o mundo são causados por catarata. Esses casos de cegueira são, no entanto, reversíveis por cirurgia.

– Nos Estados Unidos, cerca de 4 milhões de americanos passaram por cirurgia de catarata em 2017, segundo a mídia CBSNews.

– Na França, estima-se que sejam realizadas 600.000 cirurgias de catarata por ano, enquanto este distúrbio afeta mais de 20% da população acima de 65 anos.

– Cerca de 1 recém-nascido a cada 250 que sofre de catarata congênita.

– As mulheres são as mais afetadas pela catarata, segundo a instituição americana National Eye Institute (Instituto Nacional de Visão). É possível que a diminuição dos níveis de estrogênio na menopausa seja parcialmente responsável pelo aumento do risco de catarata em mulheres.

Segundo a revista americana Prevention, a partir de 75 anos, cerca de metade dos americanos sofriam de catarata em 2018.

Causas

Existem muitas causas para a catarata: idade, doença, medicamentos e trauma.

Idade

A catarata ocorre principalmente devido à idade avançada – é chamada de catarata senil. Com o envelhecimento, o cristalino endurece e torna-se opaco.

Inflexível, o cristalno não pode mais desempenhar o seu papel em se deformar para criar a imagem no olho.

De fato, o cristalino é pequeno, flexível e transparente, e permitem a entrada dos raios de luz para o olho, onde a informação de luz é convertida em impulsos nervosos e transmitidos para o cérebro através do nervo óptico. O impulso nervoso é “decodificado” pelo cérebro e forma a imagem. Com endurecimento e turvação do cristalino, a imagem vista, ano após ano, torna-se cada vez mais tênue e pode causar cegueira se não for tratada.

O mecanismo através pelo qual o cristalino torna-se opaco e rígido ainda não é bem conhecido. Parece que, com a ação dos radicais livres presentes no corpo humano causa alteração das proteínas do cristalino. Estas proteínas são também alteradas quando o olho é exposto à luz UV, incluindo UVB.

Doenças

As doenças que podem causar cataratas incluem diabetes quando mal controlada, doenças do olho tais como a uveíte, a miopia, glaucoma e descolamento da retina.

Algumas doenças contraídas durante a gravidez e transmitidas ao feto também podem causar catarata em recém-nascido. Estas doenças incluem toxoplasmoserubéolasífilis e herpes genital.

A catarata também pode ser congênita, causando a ocorrência de catarata em crianças pequenas. Este é particularmente o caso de pessoas com síndrome de Down.

Medicamentos

As drogas que podem causar a ocorrência de cataratas incluem o uso de corticosteroides em longo prazo, por via oral ou por via cutânea (creme, unguento). Tudo depende da quantidade absorvida.

Trauma

Qualquer trauma que afeta o olho e o cristalino podem trazer o risco de desenvolvimento de cataratas maiores. Assim, feridas, cortes, golpes no olho podem causar catarata. Outras lesões como queimaduras químicas ou físicas podem também ser a causa de uma catarata.

Grupos de risco

A catarata é uma doença que ocorre principalmente devido ao envelhecimento natural do cristalino. Assim, todas as pessoas estão em risco de desenvolver catarata. A catarata começa geralmente em pessoas acima dos 65. Uma vez que esta é uma doença progressiva, lentamente a qualidade da visão é perturbada, porque o cristalino não está totalmente opaco. Com a idade de 75 anos, as pessoas sentem realmente a visão perturbada.

O sexo não tem influência sobre a ocorrência ou não de uma catarata. Assim, os homens e mulheres são igualmente afetados pela catarata. A catarata afeta normalmente um olho mais do que o outro.

Embora o envelhecimento seja o principal fator de risco para desenvolver catarata, existem fatores agravantes. De fato, as doenças tais como a diabetes, o glaucoma, a uveíte podem tornar maior risco de cataratas. Drogas tais como a cortisona, também aumentam a ocorrência de cataratas. Exposição aos raios UV, incluindo UVB solar aumenta risco de catarata. Assim, as pessoas que vivem em torno do equador têm maior propensão à catarata. Finalmente, todos os que tiveram lesões, traumas no olho são mais suscetível a desenvolver catarata.

Em crianças, o risco de cataratas é muito menor. Mas ela existe e esse risco é maior em crianças com síndrome de Down e crianças cujas mães contraíram doenças como rubéolasífilisherpes genital ou toxoplasmose durante a gravidez.

Como visto em Epidemiologia acima, as mulheres são mais afetadas do que os homens pela catarata.

Sintomas

A catarata é uma doença indolor, mas pode com o tempo tornar-se muito desagradável. Em primeiro lugar, a catarata causa uma diminuição na acuidade visual e pode causar subsequente perda de visão. Na catarata precoce, não se observaram sintomas. Mas com o passar do tempo, o transtorno de visão e cegueira longo ocorrem.

Os seguintes sintomas são característicos da catarata:

– Sensação de um véu diante dos olhos, sensação de olhar através de uma cachoeira.

– A visão borrada, desfocada.

– Visão dupla.

– Escurecimento da visão (raios de luz têm dificuldade de atingir o nervo óptico).

– Dificuldades para andar ou dirigir à noite.

– Diminuição da percepção da cor. Elas se tornam opacas, menos vibrante.

– Excesso de brilho, especialmente na presença de luz forte (fotofobia sintoma isso já é raro).

 – Aumento acelerado da miopia. Mudanças frequentes de óculos, lentes de contato. Assim, logicamente, visão melhora temporariamente, mas com o aumento de catarata, a visão também começa a incomodar.

 – Visão de objetos distantes é a primeira a ser incomodada.

 – A perturbação da visão não é uniforme e pode ocorrer mais de um lado que de outro. Apesar de catarata ser bilateral, ela é mais pronunciada em um dos olhos.

Observação:
Os sintomas de catarata aparecem de forma progressiva, com sintomas leves no início, depois cada vez mais intensos com o desenvolvimento da doença.

Diagnóstico

A catarata é uma doença indolor e, por isso, é raro perceber os sintomas. Assim, a catarata é basicamente detectada durante exame de rotina no oftalmologista. É importante para quem sofre de diminuição da acuidade visual consultar o oftalmologista para detectar a doença rapidamente. A catarata não é reversível, mas pode ser tratada por meios seguros.

O oftalmologista pode suspeitar de uma catarata identificando sintomas característicos da doença. Trata-se essencialmente de um diagnóstico clínico.

Na consulta oftalmológica de rotina, o oftalmologista utilizará uma lâmpada de fenda. É uma espécie de microscópio com a qual o médico pode iluminar o olho e inspecionar cada parte para detectar doenças. Quanto catarata, olho médico irá prestar especial atenção à lente, identificando sua forma, tamanho e cor (a sua transparência, reflexão).

Para fazer uma análise quantitativa de acuidade visual reduzida, o oftalmologista irá usar as escalas Monoyer e Parinaud.

Note-se que a catarata avançada causa uma turvação do cristalino, que é visível a olho nu. Na verdade, a pupila torna-se cinza esbranquiçada. Quando o cristalino ainda não está totalmente opaco e esbranquiçado, o oftalmologista utilizará soluções para dilatar a pupila e ver a aparência do mesmo.

Complicações

A catarata é uma doença que não dói, mas o seu agravamento causa diminuição significativa na acuidade visual. Esta diminuição pode até causar cegueira.

Mesmo indolor, é importante detectar e tratar casos de catarata precoce, porque os países em desenvolvimento de catarata é responsável por mais de um terço de toda a cegueira. Isto é em parte explicado pela desnutrição e excesso de raios UVB. Tratar a catarata pode prevenir muitos casos de cegueira.

Os países desenvolvidos não são deixados para trás. Os idosos são mais numerosos, e a catarata é muito comum. Nesse caso, o acesso ao médico é facilitado e os pacientes são atendidos com mais rapidez.

Por causa diminuição da acuidade visual, além da cegueira, novamente, a qualidade de vida dos pacientes é prejudicada. Incluindo atividades simples, como ler e dirigir.

Um sinal característico de uma catarata é avançada é a cor da pupila. A pupila torna-se esbranquiçada ou acinzentada. Dessa forma, a olho nu o cristalino não é mais transparente.

Tratamentos

Não há nenhum tratamento medicamentoso contra a catarata, seja sob a forma de colírios para os olhos ou comprimidos para engolir. O único tratamento contra a catarata é a cirurgia.

A cirurgia é realizada em pacientes cuja visão é prejudicada e prejudica atividades normais, como ler, dirigir, etc. De fato, quando a catarata não é muito acentuada e atividades diárias ainda podem ser feitas sem muita dificuldade, existem alguns passos simples para melhorar a visão:

– O oftalmologista pode prescrever óculos ou lentes de contato adequados para reabilitar  a visão.

– Use óculos de proteção, devido à sensibilidade que o brilho que pode causar.

– A iluminação adequada é necessária em casa: a catarata pode causar escurecimento da visão.

– Coma bastante vegetais e fruta, a fim de ter quantidade suficiente de antioxidantes e assim neutralizar os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento do cristalino. Exemplos de antioxidantes são a vitamina Cvitamina E, betacaroteno e luteína.

A cirurgia de catarata

Quando a catarata já está bem avançada, a solução é a cirurgia. Esta última consiste-se em extrair o núcleo do cristalino sob anestesia. O cirurgião mantém no lugar o envelope do cristalino (chamado de cápsula), retira o núcleo com pulverização ultrassônica (mais fácil de remover) e substitui por um novo cristalino artificial (uma lente).

Existem dois tipos de lentes. Lentes rígidas e lentes moles. As lentes rígidas requerem uma abertura maior da córnea (5,5 mm). Estas lentes têm sido muito utilizadas. Lentes moles, no entanto, permitem uma abertura muito mais fina, porque a lente é dobrada e inserida como um envelope. O tipo de lente utilizada depende do paciente. Na verdade, as lentes também pode corrigir a visão, se a pessoa é míope, tem hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia.

Este processo é indolor e realizado muito rapidamente. Não há necessidade de hospitalização. Entretanto, por razões de segurança, a operação é executada em cada olho separadamente. O cirurgião começa com um olho e algumas semanas mais tarde, opera o outro olho. A visão retorna muito rapidamente em alguns dias ou algumas semanas (3 semanas em geral). O tratamento cirúrgico é bem conhecido e dominado hoje em dia.

A complicação principal reside no fato de que a lente deixada no local, pode também causar cataratas e espessar. Neste caso, porém, nunca tão grave como no primeiro. Além disso, uma simples correção a laser pode recuperar a boa visão.

Para alguns pacientes que sofrem de outros problemas oculares não é possível substituir o cristalino por uma lente artificial. Depois de retirar o cristalino, os pacientes devem usar óculos especiais ou lentes de contato.

Aumento da expectativa de vida entre as mulheres após a cirurgia
As mulheres mais velhas que operaram de catarata estão vivendo mais do que aquelas que não passaram pela cirurgia e que tem a doença, de acordo com um estudo publicado em 2017. Em detalhe, este estudo levou em conta mais de 74.000 mulheres, com 65 anos ou mais, com catarata, e mostrou que esta cirurgia oftalmológica está associada a uma redução de 60% no risco de mortalidade por todas as causas. Os pesquisadores, no entanto, ainda não sabem as causas exatas por trás dessa maior expectativa de vida. Uma hipótese é uma melhora na qualidade de vida dessas mulheres, graças a uma melhor visão, resultante da operação. Este estudo foi publicado online em 26 de outubro de 2017 na revista científica JAMA Ophthalmology (DOI: 10.1001/jamaophthalmol.2017.4512).

Dicas & Prevenção

– A catarata e a substituição do cristalino por uma lente é um método frequentemente utilizado, bem conhecido e controlado. É importante que as pessoas percebam a cura não será completa até depois de um mês.

– Sintomas desagradáveis podem ocorrer como “uma explosão de cores” após a operação. Mas diminui com o tempo. Esta sensação é devido ao fato de o cérebro se adaptou a visão diminuída, na catarata e amplifica os sinais. É uma compensação do cérebro.

– Uma vez que o cristalino foi substituído, a visão retorna ao normal, mas os sinais são amplificados, por conseguinte há a sensação desagradável de ver cores brilhantes. Isto pode ser muito doloroso, às vezes. Esta sensação vai desaparecer com o tempo.

– Mesmo que o cristalino seja substituído por uma nova lente, o cirurgião deixa a maior parte do tempo de envelope (também chamado cápsula) no lugar. Este envelope ao longo do tempo também pode se tornar opaco, causando uma segunda catarata. Esta última, no entanto, é fácil de tratar com um laser.

– Embora a cirurgia de catarata seja conhecida e bem entendida, é essencial que o paciente faça corretamente o uso de colírios antes e depois da operação. Isto não só vai facilitar a cirurgia em si, mas, além disso, evitar infecções.

– Pare de fumar, este é um fator de risco para catarata.

Fontes:
JAMA Ophthalmology (DOI: 10.1001/jamaophthalmol.2017.4512), Mayo Clinic

Fotos: 
Fotolia.com

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

FONTE: www.criasaude.com.br/doencas/catarata.html