Angiologia

O que a Cardiologia trata?

Cardiologia é a especialidade médica que se ocupa do diagnóstico e tratamento das doenças que acometem o coração bem como os outros componentes do sistema circulatório.

O médico especialista nessa área é o cardiologista.
Quando devo consultar um Cardiologista?

Deve-se consultar um cardiologista, basicamente, em duas situações: para orientação preventiva e para tratamento de alguma doença.

I-Cardiologia Preventiva:

a- Sabendo que a maior causa de morte atualmente é por problemas cardiovasculares e ao que tudo indica, essa incidência tende a aumentar, todos os adultos, a partir de 18 anos de idade, mesmo que aparentemente saudáveis, deveriam consultar,  o cardiologista, para se orientarem, adequadamente, a respeito de seus próprios riscos cardíacos e da diversas possibilidades atuais oferecidas como tratamento preventivo .
Apesar das altas taxas de mortalidade por problemas cardiovasculares, é importante deixar bem claro que a maioria das complicações podem ser evitadas quando o diagnóstico é precoce e o paciente investe na PREVENÇÃO.

b-Antes de iniciar qualquer tipo de atividade física

c-Antes de submeter-se a algum procedimento cirúrgico

II- Cardiologia Curativa

Se eu não tenho nenhum diagnóstico, como saber que meus sintomas são de doença cardíaca?
Os sintomas abaixo relacionados são os que aparecem mais freqüentemente nas doenças cardíacas:

Como saber que a dor é do coração?

O coração está localizado no tórax por isso a isquemia, ou seja a diminuição da chegada de sangue nesse órgão, pode provocar dor , desconforto ou pressão em qualquer local dessa  região, inclusive no estomago, e  dorso. Essa dor também pode irradiar-se para os braços e queixo.
A dor precordial típica é opressiva, como se algo estivesse apertando fortemente o preçórdio. Muitas vezes ela vem acompanhada de sudorese, palidez, sensação de morte,  falta de ar ou dificuldade para respirar.

Como saber que a (dispnéia) falta de ar é devido a algum problema no coração?

É um desconforto respiratório, fazendo com que o paciente aumente a freqüência e a intensidade da respiração. A falta de ar pode ser decorrente tanto de doenças pulmonares quanto cardíacas. Quando é devido a problema cardíaco, geralmente é conseqüente `a incapacidade do coração de bombear adequadamente o sangue, como na, insuficiência cardíaca e valvopatia mitral. Nessas situações , o aumento da pressão no coração, mais especificamente, no átrio esquerdo, transmite essa pressão para os vasos do  pulmão e ocorre extravasammento de liquido para o interstício do pulmão. Temos  :
Dispnéia de esforço – falta de ar que ocorre conforme o paciente aumenta a atividade física
Dispnéia de decúbito ou  Ortopneia – quando o paciente só consegue dormir com a elevação do tronco, usando diversos travesseiros para ficar alto. As vezes os pacientes necessitam sentar na beira da cama, com os pés para fora, para diminuir o retorno venoso e melhorar  os movimentos respiratórios.
Dispnéia paroxística noturna – quando o paciente apresenta falta de ar, acompanhada de tosse e expectoração espumosa, algumas horas depois de se deitar. Ocorre por reabsorção gradativa do edema tecidual produzido durante o dia
Dispnéia de decúbito lateral – falta de ar quando o paciente se deita, geralmente do lado esquerdo. Geralmente é decorrente de derrames pleurais ou aumento da área cardíaca, comprimindo as veias cavas e pulmonares.

O que significa a palpitação?

É a percepção desconfortável  dos batimentos cardíacos, também relatada como falha ou interrupção dos batimentos, que geralmente corresponde a estrassístoles

O que é sincope? E porque ela ocorre?

Sincope é a perda da consciência. Quando esse sintoma está relacionado a causas cardíacas, geralmente apresenta início e retorno rápido do nível de consciência.
Sincopes que ocorrem em repouso – podem ser de correntes de taqui ou bradicardias.
Sincopes que ocorrem ao esforço – podem ser decorrentes de isquemia do coração, estenose aórtica ou miocardiopatias importantes.
Síncopes que ocorrem com mudança de posição – aparecem em pacientes que usam medicamentos anti-hipertensivos, diuréticos e betabloqueadores, com também nos pacientes com estenose aórtica e miocardiopatia hipertrófica obstrutiva
Sincopes por estimulo vagal – aquelas que ocorrem com emoções muito fortes, paroxismos de tosse, vestimentas com colarinho apertado, durante micção noturna

O que é a tosse?

A tosse é a expulsão súbita e ruidosa de ar dos pulmões. É um ato reflexo, decorrente de estímulos irritantes relacionados a determinadas regiões do sistema respiratório. A tosse de origem cardíaca ocorre principalmente aos esforços físicos e apos mudança para decúbito dorsal por aumentar a congestão pulmonar.

O que é hemoptise?

É a hemorragia que provém direta ou indiretamente dos pulmões, laringe, traquéia ou brônquios. Ocorre nos casos de embolia pulmonar, estenose pulmonar, edema pulmonar, bronquiectasia e bronquite

Por que sinto fadiga, fraqueza?

É o estado de mal estar crescente e eficiência diminuída que resulta de esforço prolongado ou excessivo. Quando tem origem cardíaca é decorrente do comprometimento da função de bomba do coração, que não consegue levar a quantidade de sangue necessária para todos os órgãos e membros.

Por que fico inchado?

Inchaço (ou Edema) é o acúmulo de liquido nos tecidos.
O edema de origem cardíaca é decorrente da infiltração de liquido no tecido subcutâneo, conseqüente à dificuldade do retorno venoso, ocasionado pela deficiência do coração em impulsionar o sangue de volta. A mesma força que impulsiona o sangue pelas artérias é responsável, em parte pelo seu retorno ao coração. Quando essa bomba está fraca, conseqüentemente, há dificuldade para o retorno sanguíneo.

Angiologia e Cirurgia vascular: saiba a importância dos cuidados com os sistema vascular

O sistema vascular é uma peça-chave do funcionamento do corpo humano. Por isso a importância de uma especialidade médica como a angiologia. Ela é uma área da medicina responsável por estudar e tratar patologias do sistema circulatório, ou seja, que afetam artérias, veias e vasos linfáticos, que são aqueles que transportam a linfa, líquido incolor com características parecidas com o sangue. Existem diversas formas de tratamento propostos pela angiologia, todos eles clínicos. São indicados remédios, dietas e atividades físicas, além da utilização de meias compressivas.

Um dos problemas mais comuns relacionados à angiologia são as varizes. “Relatos por volta de 400 anos a.C., descritos por Hipócrates, demonstram que as varizes já eram tratadas através de enfaixamentos e até incisões na pele”, diz o Dr. Henrique Lamego, especialista do Hospital Samaritano de São Paulo.

Quando esses problemas não podem ser resolvidos clinicamente, é aí que entra a cirurgia vascular. A área é bem parecida com a angiologia, mas sua abordagem é mais voltada para os meios cirúrgicos. O tratamento cirúrgico deve ser realizado quando se mostra superior e mais efetivo em comparação ao clínico. Algumas cirurgias ainda são consideradas de grande porte, como as correções de grandes aneurismas. “Com o avanço da tecnologia e, principalmente, com a disseminação das técnicas endovasculares, em que dispositivos são liberados dentro dos vasos por via percutânea, as taxas de sucesso estão cada vez maiores e os riscos, cada vez menores”, explica o Dr. Henrique.

Os principais sintomas que chegam aos consultórios são dor e inchaços nos membros. Alteração de temperatura, formigamento e dificuldade para caminhar também são relatados comumente. É a partir desses sinais que o médico angiologista solicitará exames para chegar ao diagnóstico do que causa tais problemas. Os exames mais feitos na angiologia são quatro:

  • Ultrassonografia com Doppler Colorido: um exame de ultrassom que registra a velocidade do fluxo sanguíneo dentro dos vasos através de um tradutor sobre a pele. Costuma ser utilizado como triagem e acompanhamento de doenças arteriais e também para o diagnóstico de doenças venosas, como varizes e tromboses.
  • Angiorressonância: conta com captação de imagens do sistema circulatório por formação de campo magnético, através de injeção de contraste em uma veia periférica. Pode ser utilizado em todo o corpo, não utiliza radiação e tem grande indicação nos pacientes com função renal alterada, ou alérgica a iodo. Muito utilizada no estudo das doenças circulatórias intracranianas.
  • Angiotomografia: não invasivo, é realizado com a captação de imagens 3D do sistema circulatório de todo corpo. Tomógrafos cada vez mais modernos apresentam imagens cada vez melhores. É muito indicado para o mapeamento do corpo inteiro. Capaz de diagnosticar aneurismas intracranianos muito pequenos, de 2mm, e também oclusões de artérias pequenas nos pés.
  • Angiografia: é um exame invasivo, realizado com a manipulação de um catéter dentro do sistema circulatório e injeção de contraste com captação de imagens instantâneas. Com a melhora progressiva dos aparelhos de ressonância e tomografia, a angiografia tem sido cada vez menos indicada como exame diagnóstico, ficando restrita aos tratamentos cirúrgicos, como as angioplastias por balão, embolizações e colocação de stents e endopróteses.

Vale lembrar também que o acompanhamento de um angiologista, com a realização de exames de acordo com os fatores de riscos dos pacientes, são fundamentais na prevenção dos casos de acidente vascular cerebral, o AVC, conta o Dr. Henrique: “Grande parte dos AVCs são de etiologia isquêmica e causados por alterações nas artérias carótidas. A investigação da doença carotídea é obrigatória na população acima dos 40 anos”.