Dicas para escolher o melhor óculos pra o seu tipo de rosto!

Tenho certeza que quando o Herbert Vianna compôs “Óculos” lá em 1984 ele não imaginava que chegaria o dia que óculos de grau seria cool — tanto que tem quem use mesmo de lentes sem grau, só pra fazer um estilo (hello, hipsters!).–Os óculos hoje em dia ganharam status de “fashion statements“: eles não são mais usados só pela sua funcionalidade, mas fazem parte do look, passando a mensagem de segurança, personalidade e autoconhecimento. E inteligência, né? Todo mundo parece mais inteligente de óculos, fato.E como escolher o melhor óculos? Sempre vi muitas dicas sobre o formato de rosto (que só me deixavam ainda mais confusa por nunca saber se meu rosto era oval ou retangular) só que tão ou mais importante que o formato do rosto é o que está dentro dele! E foi quando aprendi essas dicas inspiradas nos traços internos do rosto que descobri as características que funcionam melhor pro meu rosto, tanto nos óculos de grau quanto nos de sol.–

dicas pra escolher armação de óculos
DICAS PRA ESCOLHER ARMAÇÃO DE ÓCULOS

-Dicas Extras para escolher o melhor óculos para você

para rosto de traços delicados, prefira armações leves, finas e pequenas.

óculos

para rosto grande, prefiraarmações maiores e mais grossas

óculos para rosto grande

para olheiras ou bolsas embaixo dos olhos, prefira armações opacas e mais grossas

óculos pra quem tem olheira

––

para olhos afastados escolha um com ponte escura

óculos para olhos afastados

––

para testa estreita prefira armações com destaque na parte de cima

óculos para testa estreita

––

para nariz pequeno ou curto prefira ponte mais alta e arredondada

óculos para nariz pequeno

––

para nariz longo ou grande prefira ponte clara ou mais baixa que a linha superior da armação

óculos para nariz grande

––

para nariz largo prefira ponte alta e estreita e/ou armações grandes

óculos para nariz largo

––Não são dicas boas? 😀

FONTE: https://www.modices.com.br/estilo/dicas-para-escolher-o-melhor-oculos-pra-voce/

Você costuma guardar suas lentes de contato na água?

Se você costuma limpar suas lentes ou mesmo guardá-las na água, cuidado!
Amebas e protozoários podem contaminar suas lentes de contato, causando infecções com dor intensa e consequências graves.
Da mesma forma, cuidado com aquela garrafinha de soro fisiológico que você guarda na geladeira para higienizar as lentes. Soro fisiológico não limpa e nem desinfeta a lente de contato, facilitando o acúmulo de bactérias, gorduras e proteínas.

Use soluções indicadas por Médicos Oftalmologistas. Assim a limpeza e preservação das lentes de contato vão acontecer da forma adequada, protegendo seus olhos.

FONTE: https://hobeirario.com.br/voce-constuma-guardar-suas-lentes-de-contato-na-agua/

Vitaminas para enxergar melhor

(e evitar catarata, olho seco…)

A vitamina C desponta como protagonista na prevenção à catarata. Mas suas colegas de classe também têm truques para proteger os olhos

Desde a época das grandes navegações até hoje, a vitamina C coleciona feitos. No passado, livrou milhares de marinheiros do fatal escorbuto e, hoje, já se sabe que o micronutriente tem participação especial na produção de colágeno e no fortalecimento da imunidade frente a tumores e infecções – quem nunca pegou uma gripe e ouviu a recomendação “vitamina C e cama”?

Grande parte das vantagens vem do seu poderoso efeito antioxidante. É que o nutriente mais célebre das frutas cítricas combate os radicais livres, aquelas moléculas que, em excesso, danificam as células do corpo. Com uma propriedade dessas, fica fácil entender por que o currículo da substância vive crescendo. Seu último emprego, recém-divulgado por estudiosos do King’s College London, na Inglaterra, é atuar em defesa dos olhos.

O grupo de pesquisa acompanhou 324 pares de gêmeas com idades entre 50 e 83 anos por uma década. Durante esse tempo, a velocidade de progressão da catarata foi medida por meio de fotos do cristalino, a lente natural do olho – na doença, ela fica turva e a visão embaça. Além disso, as voluntárias preencheram um questionário alimentar, no qual constava a ingestão de nutrientes. O cruzamento de dados revelou que, entre as mulheres com maior consumo de ácido ascórbico, o nome oficial da vitamina C, houve redução de 33% no ritmo de evolução da catarata. “Sua ação antioxidante auxiliaria a manter a transparência do cristalino”, traduz o oftalmologista Jae Lee Min, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo.

A experiência ainda sugere que a ingestão da maioria das vitaminas e dos minerais contribuiu para a catarata nem aparecer. Mas dois nutrientes ganharam o troféu nesse quesito: o manganês, dos vegetais verde-escuros e grãos integrais, e (de novo!) a vitamina C. Sozinha, ela reduziu em 19% a probabilidade de a visão nublar. “Uma alimentação pobre em antioxidantes propicia o envelhecimento geral do corpo e também do cristalino”, raciocina a oftalmologista Keila Monteiro de Carvalho, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

O estudo britânico não é o único a dar motivos para colorir o menu com laranja, mexerica, limão, acerola e companhia. Publicada neste ano, uma revisão de 30 trabalhos científicos também concluiu que a catarata está mesmo na mira da vitamina C. O artigo assinala que seu consumo fez cair em 17% a probabilidade de uma pessoa encarar o problema. “A ingestão do nutriente deve ser indicada para a prevenção primária da doença”, ressaltaram os autores.

Quanto ingerir de vitamina C

Mas, afinal, o que seria um consumo adequado da substância? “Para os homens, recomendamos 90 miligramas ao dia. E, para as mulheres, 75 miligramas”, informa a nutricionista Cristiane Cominetti, do Grupo de Pesquisa em Genômica Nutricional da Universidade Federal de Goiás (UFG). Para ter ideia, uma laranja concentra cerca de 40 miligramas de vitamina C. Já 100 gramas de pimentão amarelo ostentam nada menos que 200 miligramas do micronutriente.

Agora, há uma estratégia para aproveitá-lo ao máximo: tem que priorizar o alimento in natura. Se decidir cozinhar, a saída é utilizar a água do cozimento em outras receitas, como sopas ou carnes. “Vitaminas hidrossolúveis, como a vitamina C, podem se perder no caldo da cocção”, justifica a nutricionista Carla de Morais, pesquisadora da UFG. Quanto aos sucos, ela conta que também tem artimanha: “Beba logo após o preparo porque a vitamina C é sensível a variações de temperatura”.

Outras vitaminas em prol dos olhos

Já faz um tempinho que a ciência reconhece o papel da alimentação, com destaque para as vitaminas, na saúde ocular. Publicado em 2001, o clássico Estudo sobre Doenças do Olho Relacionadas à Idade, conhecido pela sigla em inglês AREDS, foi o primeiro a identificar que uma combinação de antioxidantes era capaz de baixar em 25% o risco do avanço da degeneração macular relacionada à idade, ou DMRI.

Investigadores de várias partes do mundo envolvidos na pesquisa chegaram até a bolar um suplemento em cima disso – ele inclui zinco, cobre, ômega-3 e carotenoides, como luteína e zeaxantina, além das vitaminas C e E. A última, só para dizer, está nos peixes, no ovo e nas oleaginosas.

“Hoje, a fórmula vitamínica do AREDS é recomendada a pessoas com degeneração em graus intermediário ou avançado”, conta o oftalmologista Daniel Lavinsky, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Segundo ele, a suplementação foi a única alternativa para suprir as altas doses de nutrientes necessárias para deter a progressão da doença, que, assim como a catarata, pode levar à cegueira.

Mas, como forma de prevenção, mais uma vez, melhor caprichar no prato. “Uma dieta rica em nutrientes ajuda a limpar os dejetos do metabolismo que causam a morte das células do fundo do olho”, esclarece Lavinsky.

Repor a vitamina D em caso de ausência dessa substância – embora esteja nos peixes e nos lácteos, a principal fonte são os raios solares – também teria efeito benéfico. Um estudo coreano que examinou dados médicos de mais de 17 mil adultos concluiu que baixos índices da vitamina no organismo deixa o sujeito mais predisposto à vermelhidão e à coceira nos olhos características da doença.

Porém, ainda não há consenso em relação à suplementação nesse cenário. “São necessários mais estudos para saber a dose exata a ser prescrita”, relata Min.

Enquanto isso, outra indispensável no cardápio é a vitamina A, encontrada no bife de fígado, no leite, na gema de ovo, na cenoura, na abóbora e no espinafre. Estima-se que cerca de 17,4% das crianças e 12,3% das mulheres nas cinco regiões do Brasil tenham déficit da substância.

A questão é que esse descuido tem pelo menos duas consequências: o olho seco (nesse contexto, a complicação, chamada também de xeroftalmia, é causada pela falta do micronutriente) e a cegueira noturna, caracterizada pela dificuldade de enxergar à noite ou na penumbra. Compreensível: dentro do corpo, a vitamina A ativa a produção da rodopsina, uma proteína dos bastonetes, as células do olho que nos ajudam a diferenciar o claro do escuro e a ter visão periférica.

FONTE: https://hobeirario.com.br/vitaminas-para-enxergar-melhor-e-evitar-catarata-olho-seco/

Conjuntivite: saiba os tipos, sintomas e como tratar

Você já foi dormir bem e no dia seguinte acordou com a sensação de estar com poeiras nos olhos, ou ainda, acordou assustado, com os olhos inchados e grudados um no outro? Pois é, esses são os principais sintomas que indicam que você pode estar com conjuntivite.

Ela é silenciosa, age de repente.

A conjuntivite trata-se de uma inflamação na membrana que reveste todo o nosso olho por dentro e por fora. Essa inflamação faz a gente sentir coceiras, apresentar vermelhidão nos olhos e, muitas vezes, também ter dificuldade para enxergar.

Existem três tipos de conjuntivite: infecciosa, alérgica e tóxica. Neste artigo, vamos explicar bem todos os tipos, seus sintomas e, claro, como tratar cada um.

Continue acompanhando essa leitura para entender melhor.

Tipos de conjuntivite

A conjuntivite pode ser classificada em três tipos:

  • Conjuntivite infecciosa
  • Conjuntivite Alérgica
  • Conjuntivite tóxica

O que muita gente não sabe é que, a conjuntivite infecciosa, como o próprio nome diz, é o tipo mais comum e é provocada por uma infecção no olho.

Conjuntivite Infecciosa

Como já dito, a conjuntivite infecciosa é a mais comum, e é causada por vírus ou bactérias. Este tipo de infecção a pessoa normalmente pega como se fosse um resfriado mesmo. Ou seja, ela pode ser passada através do contato, ou pelo ar, afetando um ou os dois olhos.

A conjuntivite infecciosa pode ser dividida em dois tipos:

  • Conjuntivite viral: transmitida por um vírus, através do contato direto como espirros e tosses de outra pessoa;
  • Conjuntivite bacteriana: é transmitida pelo contato com a bactéria. Diferentemente da viral que você pode contrair no ar, a bacteriana aparece quando você, por exemplo, coloca a mão em um lugar infectado e depois esfrega ou coça os olhos, ou ainda, quando usa maquiagens de outras pessoas, ou passa nos olhos algum outro produto infectado.

Conjuntivite alérgica

Normalmente, a conjuntivite alérgica não é contagiosa. Ela costuma afetar os dois olhos simultaneamente, e é causada por irritações provocadas por poeira ou pêlos de animais.

Entretanto, existem diferentes tipos de conjuntivite alérgica. As mais comuns são:

  • conjuntivite sazonal, provocada por asma ou rinite;
  • conjuntivite primaveril, que acontece no período entre a primavera e o outono, provocada pelas flores, devido ao excesso de pólen espalhado pelo ar;
  • A conjuntivite papilar gigante, provocada pela alergia as lentes de contato. Nesses casos, deve-se usar colírio recomendado pelo oftalmologista.

Conjuntivite tóxica

Já a conjuntivite tóxica ocorre quando os olhos entram em contato com algum produto químico. Essa irritação, normalmente, acontece por contato com maquiagens, shampoos, produtos de limpeza, tinta de cabelo, e fumaça.

Se a conjuntivite tóxica não for tratada da forma correta, pode trazer riscos para sua visão (como acontece com qualquer anormalidade nos olhos quando em contato com algum produto químico). Por isso, nesse caso, é extremamente importante procurar um oftalmologista de confiança.

conjuntivite
Reação nos olhos em diferentes tipos de conjuntivite

Sintomas de conjuntivite

A característica principal da conjuntivite é deixar os olhos vermelhos, mas também existem outros sintomas bem relevantes que você deve se atentar, como:

  • Olhos lacrimejando bastante
  • Coceira frequente
  • Ardência nos olhos
  • Pálpebras inchadas
  • Sensação de poeira ou cisco nos olhos
  • Sensibilidade à luz (Fotofobia)
  • Visão embaçada
  • Olhos (pálpebras) grudadas ao acordar (bacteriana)
  • Secreção esbranquiçada  (viral)

Como tratar

O tratamento para a essa inflamação nos olhos consiste, basicamente, em limpar constantemente as pálpebras com água ou soro fisiológico, e tomar o máximo de cuidado possível com os seus olhos.

Além disso, deve-se tomar o cuidado específico para o tipo de conjuntivite correspondente (já que cada tipo precisa de tratamentos diferentes).

Portanto, confira os tratamentos adequados:

  • Conjuntivite viral: costuma durar de 4 a 7 dias, e, por ser contagioso. e é muito importante evitar a disseminação. Entretanto, este tipo de inflamação não precisa de tratamento específico, e costuma desaparecer sozinha.

Mesmo assim, deve-se fazer uma visita ao oftalmologista, pois ele é quem vai poder fazer as devidas recomendações. Normalmente, são utilizados colírios que hidratam os olhos, além de efetuar a limpeza das pálpebras várias vezes ao dia. Provavelmente você precise também aplicar compressa aos olhos para aliviar possíveis desconfortos.

  • Conjuntivite bacteriana: neste caso, faz-se uso de colírio antibiótico ou pomadas, uma vez que é uma conjuntivite provocada por uma bactéria. A infecção deve desaparecer dentro de 7 dias (uma semana).
  • Conjuntivite alérgica: costuma recomendar medicamentos de alergia, que podem ajudar (e prevenir) o surgimento de conjuntivite alérgica.

Estas são dicas-base para você ficar atento e prestar atenção aos sintomas. Portanto, sempre que os olhos ficarem vermelhos ou irritados, procure imediatamente o oftalmologista, para um exame e possível diagnóstico.

Prevenção para não pegar conjuntivite

E dá para evitar ter conjuntivite?

A boa notícia é: dá sim! E agora, nós vamos dar dicas para isso, olha só:

  • Não compartilhe itens pessoais. Por exemplo: toalhas, lenços, maquiagens;
  • Cubra o nariz e a boca ao tossir ou espirrar, e evite esfregar os olhos;
  • Nunca compartilhe lentes de contato com ninguém (nem mesmo a colorida!);
  • Troque sempre as fronhas dos travesseiros;
  • Lave bem e com frequência as mãos. Principalmente se você passa a maior parte do tempo no trabalho, na escola ou em lugares públicos;
  • Carregue sempre com você um álcool em gel;
  • Crie o hábito de limpar objetos compartilhados com álcool antisséptico adequado;
  • Não use nenhum medicamento sem recomendação médica.

Você que já usa óculos de grau, sabia que reduz o risco de pegar conjuntivite? Pois é, funciona como uma barreira protetora.

Quando você usa um óculos de grau, escolha por lentes que tenham antirreflexo e elimine os reflexos indesejáveis provocados pela luz.

conjuntivite
Mantenha sempre as mãos limpas

Agora, a última dica e talvez uma das mais importantes: use óculos de sol ou óculos de grau com lentes fotocromáticas.  Isso porque elas ajudam a reduzir a sensibilidade à luz se os olhos estão com conjuntivite, além de proteger os olhos contra os raios UV.

Considerações finais

Você, neste momento, já é um expert nesse tipo de inflamação nos olhos! 

Mas, mesmo assim, não deixe de ir ao oftalmologista. Apenas esse profissional pode prescrever o tratamento correto para o seu problema ou inflamação nos olhos.

E você, já teve essa ou outra infecção nos olhos? Conta pra gente nos comentários sobre a sua experiência. Isso vai ajudar outros leitores, e também vai nos ajudar a dar mais dicas de como tratar e prevenir esse mal!

FONTE:
https://lenscope.com.br/blog/conjuntivite-saiba-os-tipos-sintomas-e-como-tratar/

Conjuntivite e terçol: quais as 5 principais diferenças?

Olho vermelho, irritação na região e aumento da sensibilidade à luz. Em comum, esses sintomas têm o fato de serem muito incômodos e de estarem presentes em uma boa parte das doenças oculares.

Provavelmente, as enfermidades mais comuns e conhecidas para você são conjuntivite e terçol, não é? Devido à semelhança, é fácil confundir esses problemas. A grande questão é que o tratamento e as indicações para cada um são diversos, então é necessário redobrar os cuidados e entender bem do que se trata cada um daqueles males.

Você tem dúvida a respeito? Descubra a seguir 5 diferenças entre esses dois problemas e os identifique mais facilmente.

1. A presença de nódulo é uma das maiores diferenças entre conjuntivite e terçol

Como corresponde a uma inflamação de glândulas da pálpebra, o terçol é caracterizado pela presença de um nódulo, como se fosse um tipo de caroço na região.

Pode ser localizado na pálpebra superior ou inferior e no canto externo ou interno. Em geral, fica rente à base dos cílios, dificultando a visão devido ao inchaço.

A conjuntivite, por sua vez, não possui qualquer sintoma parecido com esse. Com o aparecimento da protuberância, o diagnóstico fica mais fácil, já que todos os sinais apontam para o terçol.

2. A existência de secreção amarelada também distingue ambos

Outra diferença entre conjuntivite e terçol é a presença de uma secreção, normalmente abundante e amarelada, que sai do olho. Isso acontece frequentemente no caso da conjuntivite, que é a inflamação da membrana que recobre a estrutura.

Sua ocorrência é mais comum após dormir e fica mais concentrada na área próxima ao canto interno. No caso do terçol, por mais que também ocorra uma inflamação, não há esse tipo de liberação de substância.

3. A localização da irritação é mais um ponto a ser considerado

Avaliar esses dois pontos torna possível conhecer uma das grandes diferenças entre as duas situações: a localização da irritação.

No caso do terçol, ela é interna porque se dá graças ao entupimento de glândulas na região das pálpebras ou devido à má higiene. Porém, a localização é na parte que fica “fora” do olho, fisicamente falando.

Já a conjuntivite é a inflamação da própria membrana, fazendo com que todo o olho fique vermelho. No terçol, é mais comum que somente a área mais próxima com o possível nódulo sofra essa mudança de coloração.

4. A temperatura localizada pode variar

Quando alguém está com conjuntivite, surgem muitos sintomas, mas nenhum deles inclui a mudança de temperatura. Isso é próprio do terçol, já que o nódulo que se forma exerce uma pressão maior em relação a toda a circulação.

Especialmente nos estágios iniciais, uma temperatura localizada mais elevada é um grande indício de que o problema não é na conjuntiva, mas, sim, em uma glândula da pálpebra.

5. O contágio deve receber importante atenção

Não obstante o terçol aconteça por ação bacteriana, o que também pode ocorrer com a conjuntivite, essa enfermidade não é contagiosa. Assim, o terçol não passa para o outro olho, nem tem chance de ser transmitido para outras pessoas.

Já com a conjuntivite é diferente. Se a doença for bacteriana ou viral, tende a ser altamente contagiosa, diferenciando-se do terçol. A única exceção é a conjuntivite alérgica.

Embora conjuntivite e terçol tenham sintomas parecidos, algumas diferenças garantem que seja possível identificar cada uma. Em qualquer um dos casos, o recomendado é consultar um oftalmologista para fazer um diagnóstico preciso.

Caso tenha restado alguma dúvida sobre conjuntivite e terçol, utilize o espaço nos comentários para que possamos ajudá-lo.

FONTE: https://hospitaldeolhos.net/saude-dos-olhos/conjuntivite-e-tercol-quais-as-5-principais-diferencas/

Conheça 3 hábitos que prejudicam a sua visão sem você saber

A visão é um dos sentidos mais importantes na vida de qualquer pessoa. Ao mesmo tempo, os olhos são estruturas complexas e delicadas, que exigem cuidados específicos para que sempre funcionem da maneira esperada.

Porém, no meio do caminho surgem hábitos que prejudicam a sua visão — muitos deles causam prejuízos sem você nem notar. Para evitar problemas e comprometimentos no futuro, é fundamental reconhecê-los para evitá-los.

Por isso, veja a seguir 4 atitudes que colocam a saúde ocular em risco e entenda o efeito de cada uma.

1. Ter um estilo de vida ruim é um dos hábitos que prejudicam a sua visão

Pode não parecer, mas entre as ações prejudiciais para os olhos estão aquelas ligadas ao seu estilo de vida. Dependendo do caso, os efeitos podem ser muito intensos e um deles diz respeito à alimentação.

Comer muitas gorduras e sódio aumenta a chance de hipertensão, o que pode levar a um quadro de retinopatia hipertensiva. A hipertensão arterial também é um fator de risco para o glaucoma e, associando-a a outros elementos, pode desencadear a doença.

O elevado consumo de açúcares, por sua vez, pode gerar um quadro de diabetes. Com isso, as chances de sofrer com retinopatia diabética se elevam. Não praticar exercícios físicos eleva as chances de obesidade, o que também amplia a possibilidade de ocorrer diabetes e esse quadro, por consequência.

O tabagismo é outro hábito prejudicial para a saúde ocular, aumentando os riscos de desenvolvimento da degeneração macular relacionada à idade (DMRI).

2. Descuidar da higiene pode trazer sérias consequências.

Outro entre os hábitos que prejudicam a sua visão, mesmo sem que você note, é a falta de higiene. A região ocular é muito delicada e a entrada de qualquer microrganismo nessa área pode desencadear infecções e, até mesmo, problemas mais graves.

O caso clássico do problema quanto à higiene é tocar nos olhos com as mãos sujas. Quando você encosta em objetos sujos e, depois, toca na área, está carregando agentes prejudiciais para o olho.

Os demais exemplos de hábitos do tipo incluem ficar muito tempo com as lentes de contato, não higienizá-las corretamente e compartilhar certos objetos de uso pessoal, como óculos ou maquiagem.

E, por falar nisso, as mulheres precisam se atentar ao fato que dormir de maquiagem é prejudicial não apenas para a pele, mas também para a saúde dos olhos, já que aumenta os riscos de lesões.

3. Não ir ao oftalmologista com frequência é mais um elemento

Ir ao oftalmologista é tão importante quanto visitar o cardiologista com frequência ou o clínico geral para fazer um check-up da saúde.

É esse especialista que fará os exames necessários para cuidar da saúde dos olhos, identificando problemas logo no começo e dando o melhor tratamento a cada caso.

Porém, é muito comum que as pessoas tenham por hábito só visitar esse médico quando algo já está errado — como ao surgir uma coceira muito incômoda ou ao haver dificuldade para enxergar.

Isso prejudica a saúde ocular porque, primeiramente, impede que diagnósticos sejam feitos com muita antecedência. Além disso, aumentam as chances de que você se automedique, o que é muito perigoso.

Ao reconhecer esses hábitos que prejudicam a sua visão, é mais fácil agir para evitá-los e, assim, conseguir proteger esse sentido tão importante. Dê mais atenção à saúde de seus olhos e aja para cuidar sempre do funcionamento dessas estruturas.

Você tem algum desses hábitos que prejudicam a sua visão? Use o espaço dos comentários abaixo e compartilhe as suas experiências.Search for:

O Grupo HOSP possui atendimento 24 horas e 7 dias por semana. A saúde é nosso foco.

FONTE: https://hospitaldeolhos.net/dicas/conheca-3-habitos-que-prejudicam-sua-visao-sem-voce-saber/

Visão nota 10: dicas para manter a saúde dos olhos

Para ver mais e melhor

Quais excessos devem ser evitados na juventude para que a saúde dos olhos não seja comprometida? Veja as nossas dicas

O celular desperta, é hora de acordar e dar aquela checada básica nas mensagens. No caminho do colégio, uma pausa para ver as Stories do Instagram. Na sala de aula e no estágio, não dá para desgrudar do notebook, seu fiel escudeiro. Chegado o esperado momento do descanso, nada melhor que uma partida de videogame para relaxar, mas poucos minutos se passam e seus olhos estão ardendo e lacrimejando de cansaço. No mundo de hoje, cuidar da visão é um verdadeiro desafio.

Como passamos cada vez mais tempo colados aos dispositivos móveis e à televisão, forçamos mais os olhos (por causa da luz emitida por esses aparelhos), piscamos menos e focamos a vista por um tempo muito longo em distâncias curtas. A boa notícia é que tomando certos cuidados e evitando alguns excessos na juventude, é possível enxergar bem e por muito mais tempo. Confira cinco dicas incríveis!

Passa o dia na frente do pc? Faça pausas

Se você mantém os olhos focados em distâncias curtas praticamente o dia todo, estabeleça um momento de intervalo, pelo menos a cada hora. O exercício é simples: apenas olhe ao longe por alguns minutos, sem focar em nada particular. Todos precisam oferecer o maior número de estímulo aos olhos, sejam de longas ou curtas distâncias, principalmente crianças e adolescentes.

Tente não coçar os olhos

Sabemos que quando bate o cansaço é quase impossível resistir ao impulso de coçar os olhos. Mas é importante evitar esse hábito, pois esfregar os olhos com frequência pode gerar lesões oculares devido à pressão exercida. Outro problema está relacionado às bactérias das mãos, que levadas aos olhos podem causar conjuntivites e outras infecções.

Pisque mais e mais

É um hábito super simples e que faz um bem danado para a visão. Piscar lubrifica as córneas, evitando ressecamento, ajuda a combater irritações, e ainda auxilia no combate à vista cansada. O ideal é piscar sempre ao longo do dia e se possível fazer intervalos a cada hora para olhar ao longe  e piscar várias vezes consecutivas.

Capriche no banho

Pelo menos uma vez por dia, os olhos devem ser bem higienizados para remover as secreções e impurezas de maquiagem e poluição. Os especialistas recomendam cremes de limpeza adequados para a região e o uso de hastes flexíveis para remover a sujeira dos cantinhos. É importante enxaguar bem para não deixar resquícios dos produtos.

Coma mais peixe e evite o excesso de açúcar

É isso mesmo! Certos alimentos, o peixe é o melhor exemplo, são ótimos para prevenir doenças graves, como a degeneração macular (que pode provocar cegueira) e outros, como o açúcar, podem prejudicar a saúde dos olhos. Os oftalmologistas recomendam o consumo diário de peixes e frutos do mar, pois eles são ricos em ômega 3 e vitaminas A, B, D e E, que ajudam a distribuir o oxigênio para todo o corpo, inclusive para os olhos, e previnem o envelhecimento precoce.

Fonte: com informações do Conselho Brasileiro de Oftalmologia

COLÍRIO: APRENDA A FORMA CORRETA DE APLICAR

Colírios são medicamentos que devem ser aplicados nos olhos e pálpebras, ou seja, de uso tópico. Saber a forma correta de aplicá-los é fundamental para obter resultados satisfatórios no tratamento.

Antes da aplicação

– Lave bem as mãos para garantir que não ocorra contato de bactérias com os olhos e colírio.

– Não coloque as mãos na parte do aplicador.

Para aplicar

– Incline a cabeça para trás.

– Com delicadeza, puxe a pálpebra inferior.

– Pingue o colírio dentro do olho e não na pálpebra.

– Não encoste o colírio nos olhos.

– Aplicar apenas o número de gotas prescritas.

Após a aplicação

– Feche o olho por um ou dois minutos, sem apertá-lo.

– Comprima com o dedo indicador o canto interno por cerca de um minuto (esta é uma maneira de reduzir os efeitos colaterais do medicamento no organismo).

– Não esfregue os olhos.

– Na utilização de dois ou mais tipos de colírio, é necessário esperar cerca de 10 minutos antes de aplicar a próxima gota.

FONTE: http://www.hospitalholhos.com.br/noticia/colirio-aprenda-a-forma-correta-de-aplicar/

Óculos de sol: dicas essenciais para a escolha certa

A escolha do óculos depende muito do estilo e personalidade da pessoa, mas independente da aparência do produto, é essencial se certificar sobre a qualidade dele

 Escrito por Andressa Dias

FOTO: THINKSTOCK

Os óculos de sol, inicialmente, tinham o objetivo único de proteger os olhos da claridade e dos raios do sol. Atualmente eles passaram a acompanhar o look e a serem parte importante na composição do visual e do estilo de uma pessoa, afinal cada modelo de óculos de sol passa uma “imagem” da pessoa.

Seja apenas para proteção ou para dar um “up” no look, vale a pena sempre investir em produtos de boa qualidade, afinal a lente é fundamental no bloqueio dos raios UV.

E no quesito design, o que mais conta é optar pelos modelos que combinam com o seu estilo. Por exemplo, se você gosta de esportes e seu estilo é mais descolado, aposte nos óculos com lente espelhada e nos modelos estilo máscara.

A seguir você confere uma série de dicas importantes de uma oftalmologista e de uma visagista para escolher bem o seu óculos de sol e também algumas opções de modelos de óculos em preços diferentes, além de inspirações para fazer a sua escolha.

A especialista em oftalmologia Kátia Mello explica os principais pontos que devem ser levados em consideração na hora de escolher o óculos de sol adequado para proteger seus olhos dos raios UV e da claridade excessiva.

Qual é a importância de usar óculos de sol?

A exposição frequente e prolongada ao sol pode possibilitar a progressão de catarata, pterígio (comum em países tropicais), degeneração macular senil e tumores da córnea e conjuntiva. Por isso, o uso de óculos com proteção solar ultravioleta A e B, mesmo por crianças, é muito importante para prevenir doenças como essas.

Existe algum tipo de lente que é a mais indicada?

As lentes precisam oferecer proteção contras as radiações ultravioleta do sol (UVA e UVB). Além disso, as cores das lentes proporcionam formas de proteção diferentes, que devem ser levadas em conta na hora da escolha dos óculos de sol:

  • As de cor âmbar e marrom, por exemplo, são mais indicadas para míopes e hipermetropes, pois protegem contra a luz azul do sol, que pode favorecer o surgimento de catarata.
  • As castanhas, cinzas e verdes são ideais para pessoas acima de 60 anos, pois nessa idade costuma ocorrer uma perda, em maior ou menor grau, da capacidade de contraste da visão.
  • As lentes cinza também são indicadas para quem possui astigmatismo e hipermetropia. Elas reduzem o brilho, sem alterar as cores naturais, podendo ser usadas sob luz solar intensa.
  • As azuis proporcionam maior conforto no uso do computador, pois eliminam os tons vermelhos e amarelos. É importante que antes de adquirir seus óculos de sol, a pessoa consulte um oftalmologista para saber quais as lentes mais indicadas para o seu caso.

É perigoso usar óculos sem procedência?

Usar modelos falsificados ou com lentes de baixa qualidade podem ter efeito contrário, aumentando a agressão solar. Por tanto, é sempre importante se certificar de que se está adquirindo um produto de marca reconhecida e com garantias de fabricação.

Escolha seus óculos de acordo com a sua personalidade

Quando for escolher o óculos ideal para você, pense primeiro na sua necessidade, em seu estilo de vida e preferências, e depois, siga as dicas da visagista Audrey Slomp para acertar na escolha:

Existe algum modelo que fica bem para todas as mulheres?

Segundo a especialista, a construção de uma imagem pessoal personalizada, ou Visagismo, parte de um estudo abrangente e muito individual sobre o temperamento equilibrado às necessidades do indivíduo. Desta forma, não existe óculos, nem roupa, nem maquiagem que possa ser indicada para todas as mulheres, porque primeiro devemos pensar na função do óculos, e depois em sua estética. Podemos dizer que o melhor modelo é aquele que completa e harmoniza o indivíduo que o carrega.

Qual é a melhor cor de armação para: loira, morena e ruiva?

Depende da temperatura da pele e da intenção da pessoa, afirma Audrey. De acordo com a visagista, a pele pode ser fria ou quente, o que determinará quais os tons que mais harmonizarão com o tom da pele. A intenção determinará o formato, a cor e o material dos óculos. O contraste entre a cor dos óculos, olhos, cabelos, pele, sobrancelhas também influenciarão na escolha.

“As cores também têm efeitos emocionais. Por exemplo o vermelho fortalece, o azul tranquiliza, o laranja estimula, o amarelo energiza, o dourado valoriza, o prata clareia. Seja loira, morena ou ruiva qualquer cor pode ser boa para você, desde que te valorize e fortaleça.” finaliza a especialista Audrey Slomp.

FONTE: https://www.dicasdemulher.com.br/oculos-de-sol/

Fruta ajuda a prevenir perda da visão relacionada ao envelhecimento

Flavonoides reduzem o risco de ter visão turva com o passar dos anos, condição ainda sem cura

São Paulo – Uma fruta pode ajudar a prevenir a perda de visão relacionada com o envelhecimento. É isso que concluíram pesquisadores do Westmead Institute for Medical Research, afiliado à Universidade de Sidney, na Austrália, ao analisar o efeito do consumo de laranjas.

estudo consistiu no acompanhamento de 2037 adultos com idades de 49 anos ou mais, ao longo de 15 anos. Reavaliados a cada cinco anos, os voluntários eram analisados para identificar se tinham ou não sido afetados pela degeneração macular relacionada à idade, que deixa a visão turva e pode levar à cegueira. Essa condição médica é considerada comum por especialistas. No Brasil, mais de 2 milhões de casos são registrados por ano. No mundo, a doença afeta 196 milhões de pessoas.

Outras pesquisas já mostraram os efeitos positivos para a prevenção da degeneração macular com o consumo de alimentos que tenham substâncias anti-inflamatórias e antioxidantes, assim como foram registrados os benefícios de substâncias específicas, como zeaxantina, luteína e as vitaminas A e C.

Como trata-se de uma condição crônica que não tem cura, os pesquisadores centraram esforços em pesquisas que ajudam a prevenir o seu desenvolvimento, relacionado com a idade. Por isso, o novo estudo avaliou o potencial dos flavonóides, substância bioativas que protegem frutas e plantas da oxidação. Eles podem ser encontrados em laranjas, maçãs, vinho tinto e nos chás.

A constatação dos pesquisadores foi de que as pessoas que consumiram regularmente, uma vez ao dia, uma porção de laranja apresentaram mais de 60% menos chances de desenvolver a degeneração macular em razão da idade.

Apesar de ser um levantamento com amostra significativa e avaliação de voluntários por mais de uma década, o estudo ainda pode estar aberto a inconsistências por conta dos relatos sobre alimentação a cada cinco anos, que podem não estar 100% corretos ou suas dietas podem simplesmente não ser tão regulares quanto foi reportado. Portanto, mais pesquisas científicas sobre o tema ainda são necessárias

FONTE: https://exame.abril.com.br/ciencia/fruta-ajuda-a-prevenir-perda-da-visao-relacionada-ao-envelhecimento/