Saiba como proteger a visão e evitar problemas no olho ao longo da vida

Bem Estar mostrou os problemas comuns em cada idade.
Oftalmologistas alertam para alguns hábitos que podem prejudicar o olho.

Cuidar dos olhos é um hábito que deve fazer parte de toda a vida. Isso porque a visão tende a diminuir com a idade e, por isso, é importante preservá-la para evitar problemas ao longo dos anos, como recomendaram os oftalmologistas Samir Bechara e Renato Neves no Bem Estar desta terça-feira (24).

Existem recomendações que valem para todas as idades, como evitar coçar os olhos, por exemplo, já que isso pode machucá-los e facilitar o surgimento do ceratocone, uma deformidade na córnea. Além disso, é preciso tomar cuidado na hora de usar o computador já que, nesse momento, a pessoa pisca menos e o olho pode ficar seco, como alertaram os oftalmologistas.

0 aos 10 anos de idade
Nesse período, as crianças aprendem a enxergar e a visão é desenvolvida. Porém, esse aprendizado depende muito de condições adequadas e, caso ocorra algum estímulo errado, a criança pode ter ambliopia, um problema por causa do mau desenvolvimento da visão. Ela pode, portanto, aprender a enxergar do jeito errado e ficar “cega” de um dos olhos, o que pode ser o estrabismo ou um grau de óculos diferente.

Em caso de estrabismo, a criança precisa começar um tratamento com um tampão, que vai forçar o olho com problemas a enxergar direito. Quanto antes for feito isso, melhor, porque a correção só é possível até os 6 ou 8 anos de idade. Se não houver nenhuma queixa da criança, ela deve fazer a primeira visita ao oftalmologista entre os 3 e 4 anos, fase em que é possível examinar melhor e ouvir o que ela tem a dizer sobre sua visão. Depois disso, a visita pode ser feita em intervalos de 1 ou 2 anos.

10 aos 20 anos de idade
Essa é a fase em que costumam aparecer a miopia e o ceratocone. Na adolescência, os pais devem ficar atentos ao mau rendimento dos filhos na escola e às queixas de cansaço visual, embaçamento da visão, entre outros problemas.

Outro fator muito comum nessa época é o uso contínuo do computador, que faz o jovem forçar os olhos e piscar menos. Com a visão mais exposta, os olhos ficam mais secos, como explicou o oftalmologista Renato Neves. Para evitar isso, o ideal é fazer pausas do computador a cada hora para fazer bem não só para os olhos, mas também para a circulação do corpo e para as costas.

Bem Estar - Infográfico dá dicas para proteger os olhos ao usar o computador (Foto: Arte/G1)

20 aos 40 anos de idade
Nessa época, assim como em todas as outras, a dica é evitar o cigarro, que compromete a circulação sanguínea da retina, reduz a quantidade de antioxidantes no sangue e afeta a visão. Mesmo quem parou de fumar há 15 ou 20 anos apresenta mais chances de sofrer doenças oculares do que aqueles que nunca fumaram – por isso, quanto mais cedo o paciente parar, menores são as chances de doenças como a degeneração macular.

Para as mulheres, é preciso tomar cuidado com o prazo de validade da maquiagem. Depois do prazo, o produto pode sofrer modificações que causam alergia. As lentes de contato também exigem atenção porque se não forem bem higienizadas, podem irritar ou contaminar os olhos. Além disso, não é recomendado dormir com a lente nos olhos.

A automedicação também é perigosa porque pode agravar doenças oculares – por isso, é importante evitar remédios vendidos sem receita. Colírios com cortisona, por exemplo, aumentam a pressão ocular e podem levar ao glaucoma ou até mesmo à catarata precoce. Por isso, a lágrima artificial é o produto com menos risco, já que é uma espécie de colírio sem medicamentos. Na hora de aplicá-la, é preciso manter as mãos limpas e afastar a pálpebra dos olhos, como explicaram os oftalmologistas.

40 aos 50 anos de idade
A partir dessa época, é importante ir ao oftalmologista uma vez ao ano para fazer um simples exame de medir a pressão dos olhos.

Se a pressão estiver alta, pode levar ao glaucoma, doença silenciosa que pode causar cegueira irreversível, como mostrou a reportagem da Natália Ariede (veja no vídeo ao lado). Para ajudar a tratar isso, são usados colírios para diminuir a pressão ou, se isso não for suficiente, um tratamento com laser ou cirurgia.

O oftalmologista Samir Bechara alertou ainda que, a partir dos 40 anos, 99,9% da população tem a chamada “vista cansada” ou presbiopia, que é a dificuldade de enxergar de perto por perda da capacidade de foco, como aconteceu com o apresentador William Bonner. Isso acontece porque a lente dos olhos, o cristalino, vai perdendo sua capacidade com o envelhecimento. Para corrigir, existem dois tipos de cirurgia: com laser ou um implante de lentes, semelhante à cirurgia de catarata.

A partir dos 50 anos de idade
Nessa fase, aumentam as chances de doenças como catarata e degeneração macular, um problema na parte central da retina, responsável pela percepção de detalhes, formas e cores, como mostrou a reportagem da Renata Ribeiro (veja no vídeo ao lado).

Para diminuir o risco desse problema, é importante ter uma alimentação equilibrada e com boa quantidade de antioxidantes, substâncias que podem retardar o surgimento dessas doenças. Alimentos ricos em vitaminas A, E, D e zinco são importantes, assim como os ricos em luteína, que também protegem os olhos das lesões causadas pelos raios solares. Entre esses alimentos, estão a couve, espinafre, brócolis, milho, ervilhas e ovos, por exemplo.

Catarata (Foto: Arte/G1)
FONTE:
http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2013/09/saiba-como-proteger-visao-e-evitar-problemas-no-olho-ao-longo-da-vida.html

Modelo de óculos ideal para cada tipo de rosto e grau

Vai trocar de óculos e não sabe qual modelo de óculos escolher que mais combina com o formato do seu rosto e, principalmente, que é compatível com seu grau?

Vamos te ajudar. 

Neste artigo vamos te mostrar:

  • Como escolher o modelo de óculos ideal para o formato do seu rosto
  • Como escolher o modelo e tamanho do óculos ideal para o seu grau – e isso ninguém te conta!

Como escolher modelo de óculos para o seu rosto

Existem 4 tipos mais comuns de formatos de rosto. Sendo eles: rosto quadrado, oval, redondo, coração e diamante.

modelo de óculos

Você sabia que alguns modelos combinam mais com um tipo específico de formato de rosto. Veja quais são eles a seguir:

Modelo de óculos para rosto quadrado

Esse formato de rosto é considerado um dos mais fashion que existem.

Se você tem um rosto quadrado, dê preferência para óculos mais arredondados e que fique posicionado mais alto no nariz. Dessa forma, seu rosto vai parecer ser mais largo.

Evite escolher armações retangulares e angulares. Elas fazem seu rosto parecer ainda mais quadrado sem harmonia e equilíbrio.

Então dê preferência para as armações redondas de metal, para os óculos do estilo Browline de meio aro que possuem o formato parecido com as sobrancelhas, sendo mais escuros na parte de cima.

E, por último, para os óculos de formato oval e coloridos.

Veja exemplos desse modelo abaixo.

modelo de óculos

Modelo de óculos para rosto oval

Rostos ovais permitem o uso de diversos tipos de armações, como as maiores e largas.

Mas os modelos que mais combinam com esse formato de rosto são: as armações redondas, aviador, gatinho e os óculos Wayfarer bastante usados pelas celebridades como Michael Jackson e Madonna.

Veja abaixo quais são os modelos citados

modelo de óculos

Mas se você quer algo mais delicado, dê preferência para armações mais arredondadas e evite armações pequenas e curtas.

Modelo de óculos para rosto redondo

Para quem tem o formato do rosto redondo, grande parte dos especialistas de moda recomendam armações retangulares e quadradas que dão contrastam e uma aparência mais elegante e estilosa.

Dessa forma, escolher armações que tenha um design forte e mais angular é o mais indicado.

Dê prefarência para armações transparentes, armações quadradas, escuras e possuem todo o aro em volta. Além das famosas armações Wayfarer.

E se você gosta das armações de madeira, temos uma ótima notícia: Elas caem super bem nos rostos redondos.

Veja as fotos desses modelos abaixo

modelo de óculos

Modelo de óculos para rosto coração

O rosto no formato de coração é característico de testas mais largas com queixo estreito e maças do rostos mais altas.

Muitos modelos de óculos combinam com formato coração. Mas os melhores modelos são os retangulares e ovais.

Os modelos que com certeza vão combinar com esse formato de rosto são: as armações ovais menores, o clássico Wayfarer, as armações retangulares e os óculos de meio aro e três peças também redondos.

Veja abaixo algumas fotos desses modelos

modelo de óculos

Modelo de óculos para rosto diamante

Esse formato de rosto é um dos mais raros que existem e são característicos por bochechas mais cheias e testa e queixo estrritos.

Os melhores modelos para rostos nesse formato são os óculos quadrados sem aro ou armações ovais com aro cheio em volta.

Sendo assim, dê preferência para os modelos gatinhos, ovais de metal, retangulares e meio aro de metal escuro.

Veja abaixo algumas fotos de armações que combinam com o rosto diamante

modelo de óculos

Tamanho e modelo de óculos para o seu grau

Agora o que você quase ninguém te fala é: o tamanho e modelo de óculos ideal para o seu grau.

Se você tem grau forte de miopia, hipermetropia e astigmatismo, infelizmente não pode usar qualquer tipo de armação.

Pois elas acabam influenciando na grossura das lentes e naquelas distorções nos cantos dos óculos, que provocam o efeito fundo de garrafa no caso da miopia, e o efeito olho-de-boi no caso de hipermetropia.

Veja a seguir os modelos de óculos mais indicados para o seu grau.

Mas antes, se você ainda não consegue entender 100% a sua receita do seu óculos para saber qual é o seu grau, clique aqui neste artigo e veja como ler receita de óculos sem precisar da ajuda de um vendedor.

Modelo de óculos para até 4 graus

Para quem tem até 4 graus de miopia com até 2 graus de astigmatismo, pode escolher qualquer tipo de armação daquelas indicadas para o formato do seu rosto logo acima

Normalmente, os modelos preferidos das pessoas com essa faixa de grau são os tradicionais. Ou seja, aqueles que nunca saem de moda como o aviador, gatinho e os redondos.

modelo de óculos
Modelo Aviator da Ray-ban
modelo de óculos
Óculos gatinho ideal para menos de 4 graus
modelo de óculos
Óculos redondo – modelo Ray-ban

Mesmo que você tenha liberdade para escolher sua armação, é importante que você não exagere muito com as armações muito grandes.

Pois elas podem impossibilitar a montagem das lentes dependendo da sua DNP. Ou seja, da medida da distância da sua pupila em relação ao seu nariz.

modelo de óculos

Nesses casos, a armação pode ser maior que o tamanho do bloco da lente para o seu grau. Dessa forma, falta material da lente para montar a armação no seu óculos.

Temos um artigo aqui no blog explicando em detalhes a importância da medida da DNP e como ela influencia na montagem no seu óculos. 

Mas como saber se uma armação é muito grande? Veja logo abaixo

Como saber o tamanho do óculos?

Então como saber a medida da armação? Bom, é muito simples.

A medida mais importante da armação é a medida do seu aro. É essa medida que determina se um óculos é grande ou menor. 

Os óculos considerados grandes possuem tamanho de aro maior que 55.

Essa informação você encontra em uma das hastes do seu óculos. Veja um exemplo abaixo:

modelo de óculos
Para menos de 4 graus, dê preferência por armação menores que 56mm

Além disso, um detalhe importante é que as medidas são dadas em milímetros (mm).

Caso a sua armação não tenha essas medidas nas hastes, você pode medir com o auxílio de uma régua, uma vez que a medida do aro da armação nada mais é que a medida da largura da lente.

Modelo de óculos para mais de 4 graus

Já quem possui mais de 4 graus, precisa tomar mais cuidado ao escolher a sua armação.

Isso porque o óculos com mais de 4 graus miopia ou hipermetropia costuma ficar com as lentes mais grossas.

Então, dependendo do tamanho da armação que escolher, você pode ficar com aspecto de fundo de garrafa.

Veja a seguir quais são os modelos de óculos não indicados para quem tem mais de 4 graus de miopia ou hipermetropia.  

Modelos de óculos não recomendados para mais de 4 graus

Quem tem mais de 4 graus de miopia ou hipermetropia, deve-se evitar armações grandes como os óculos viador, esportivos e aqueles mais redondos e ovais que pegam o rosto todo.

modelo de óculos
Mais de 4 graus evite armação grande como aviador

Também não recomendamos armação do tipo esportivo e armações de três peças, também conhecidas como óculos balgriff.

modelo de óculos
Armação 3 peças deixa as lentes com aspecto de mais grossas
Modelo de óculos
Óculos de modelo esportivo são mais curvados, deixando a borda da lente mais grossa

Essas armações possuem um tamanho de aro muito grande deixando as lentes mais grossas para quem tem grau forte de miopia ou hipermetropia.

Isso acontece porque conforme o grau de miopia aumenta, as lentes vão ficando mais grossas nas bordas e o tamanho do bloco da lente diminui.

Então, quanto maior for o tamanho da armação, mais grossas as lentes ficam nas bordas.

Modelos de óculos para mais de 4 graus: Aqueles que você pode usar

Os modelos de óculos ideais para mais de 4 graus são os modelos com aro fechado e bordas mais espessas.

modelo de óculos
Óculos quadrado – Suncode, ideal para mais de 4 graus
modelo de óculos
Óculos redondo Suncode: modelo ideal para quem possui mais de 4 graus e quer disfarce nas lentes mais grossas

Esse tipo de armação tem um encaixe maior, por isso as lentes mais grossas acaba disfarçando a espessura das lentes.

Portanto, se você tem grau alto de miopia ou hipermetropia, esse tipo de armação vai contribuir para deixar o seu óculos mais fino.  

modelo de óculos
modelo de óculos

Como saber se a armação é muito grande para meu grau?

Existe um cálculo que relaciona o seu grau de miopia com o tamanho do aro da armação mais indicado para você.

Nós da Lenscope desenvolvemos uma ferramente 100% gratuita pra você fazer a consulta de forma 100% gratuita do tamanho e modelo de óculos mais recomendado para o seu grau.

Fonte: https://lenscope.com.br/blog/modelo-de-oculos-ideal-para-cada-tipo-de-grau/  

PASSO A PASSO PARA PINGAR COLÍRIO CORRETAMENTE

​​​​Aplicar uma gota de colírio dentro dos próprios olhos não é tarefa fácil. Isto fica evidente quando os médicos pedem aos pacientes que demonstrem a maneira que estão usando os colírios prescritos. “Frequentemente vemos as gotas caindo na testa e nas pálpebras, gerando desperdício e falha no tratamento”, alerta o Dr. Aníbal Mutti, oftalmologista do Centro de Medicina Especializada (CME)​. É comum também ver as pessoas encostando a ponta do frasco nos olhos, o que contamina a solução e aumenta o risco de infecções, como a conjuntivite bacteriana. Para os pacientes idosos, com outros problemas de saúde, a tarefa pode ser ainda mais difícil.

Administrar corretamente o colírio garante efeito duradouro e potente da medicação, além de provocar menos efeitos colaterais. Os custos com o tratamento se reduzem, porque os frascos do colírio duram mais. A quantidade de líquido que cabe na superfície ocular é de apenas meia gota. “Uma gota dá e sobra”, afirma o médico.   

O  médico ensina ainda que piscar dos olhos também tem influência no efeito da medicação: quanto mais vezes piscamos os olhos depois de aplicarmos o colírio, maior é a drenagem para o canal lacrimal, aumentando ainda mais os efeitos adversos e diminuindo a ação terapêutica nos olhos.  

Comprimir levemente a região do saco lacrimal após a instilação da gota, diminui a sua drenagem e aumenta o tempo de permanência na superfície ocular e consequentemente o efeito terapêutico. Costumamos ensinar esta manobra aos pacientes, com bons resultados.

Passo a passo para a aplicação correta dos colírios

  • ​Lave as mãos
  • Confirme a prescrição médica: qual colírio e em qual olho devo aplicar?
  • Tire a tampa sem encostar na ponta para não contaminar.
  • Puxe a pálpebra inferior com o dedo (para expor o saco conjuntival)
  • Incline o bico do frasco para baixo, pingue a gota no meio do saco conjuntival.
  • Feche os olhos por um minuto (evite ficar piscando) 
  • Pode-se comprimir gentilmente o saco lacrimal no canto interno dos olhos (ao lado do nariz) durante um minuto.
  • Nos casos em que o paciente usa mais de um tipo de colírio no mesmo horário, deve-se esperar de 5 a 10 minutos entre as aplicações. Do contrário, parte do efeito do primeiro colírio se perderá, pois ele será “lavado” pela segunda gota. 
  • FONTE: https://www.h9j.com.br/centro-de-medicina-especializada/Paginas/patologias/passo-a-passo-para-passar-colirio-corretamente.aspx

Brincadeira ao ar livre melhora a visão das crianças

Prevenção Ocular

Escrito por Dr. Arthur Schaefer

Passar tempo ao ar livre oferece benefícios importantes para crianças de todas as idades. Sabemos que correr, caminhar, pular e saltar são exercícios aeróbicos necessários aos jovens, pois ajuda a evitar a obesidade infantil e fortalece as amizades.

Embora os benefícios físicos e sociais do tempo ao ar livre estejam bem documentados, os efeitos do brincar ao ar livre na visão não foram tão bem examinados até recentemente.

Estudos mostram que brincar ao ar livre pode ajudar sua criança a evitar miopia ou diminuir sua progressão.

O que é a miopia

A miopia é um erro de refração que ocorre quando o olho se alonga no sentido anteroposterior.

Quando isso ocorre, os raios de luz não são mais focalizados diretamente na retina, mas aparecem à frente dela. Como resultado, objetos próximos ainda parecem perfeitamente claros, mas objetos distantes ficam embaçados.  

Embora a miopia seja muitas vezes herdada, as crianças que passam muito tempo concentradas em objetos próximos podem ter maior probabilidade de desenvolver a doença.  

As crianças que têm miopia frequentemente piscam quando lêem, não conseguem ver claramente o quadro-negro ou a lousa na escola, têm dificuldade em ver objetos à distância, desenvolvem dores de cabeça frequentes ou reclamam que seus olhos doem.  

Óculos e lentes de contato serão necessários para melhorar a visão de seu filho, mas pode ser possível evitar a miopia simplesmente aumentando a quantidade de tempo que ele passa ao ar livre.

Miopia x Brincadeiras ao ar livre

Estudos de pesquisa encontram uma ligação entre miopia e brincadeiras ao ar livre.

As crianças de Taiwan que passaram algum tempo ao ar livre durante o recesso tiveram menor probabilidade de desenvolver miopia do que as de uma escola vizinha que ficaram em casa.

Os pesquisadores também descobriram que a miopia não progrediu tão rapidamente em crianças que já eram míopes e que brincavam ao ar livre com mais frequência.

Pesquisadores britânicos descobriram que as crianças que tinham miopia gastavam 3,7 horas a menos ao ar livre do que as crianças que não tinham problemas de visão.

Um estudo similar em Sydney, na Austrália, acompanhou mais de 1.000 crianças de 6 e 12 anos de idade por dois anos. Não surpreendentemente, as crianças que passaram mais tempo ao ar livre eram menos propensas a desenvolver miopia até o final do estudo.

Aqueles que passaram mais tempo lendo e outras atividades que exigiam visão de perto e também passaram mais tempo em ambientes fechados tiveram uma taxa maior de miopia.  

Pesquisadores dinamarqueses mediram o comprimento dos olhos em outro estudo que analisou como a quantidade de luz do dia afetou crianças míopes. O estudo, publicado na edição de maio de 2013 da Ophthalmology, observou que o alongamento dos olhos e a progressão da miopia foram piores durante os dias mais curtos de inverno.  

As crianças envolvidas nos estudos não participaram de nenhuma atividade organizada durante o tempo que passaram fora. Se eles simplesmente sentaram em um balanço, jogaram uma bola ou qualquer outra atividade, os benefícios eram os mesmos.

Os pesquisadores não sabem ao certo por que passar tempo ao ar livre reduz a incidência de miopia. Eles teorizam que as crianças podem se beneficiar observando objetos distantes enquanto estão ao ar livre, em vez de se concentrar em objetos próximos ou que os efeitos da luz ultravioleta podem desempenhar um importante papel.  

As crianças de hoje têm menos probabilidade de passar o tempo ao ar livre devido à disponibilidade de eletrônicos como videogames, smartphones, tablets e outros dispositivos digitais.

Lembrá-los de  que existe vida sem suas telas digitais e aproveitar o tempo ao ar livre pode diminuir a chance de precisarem de óculos. Se eles já são míopes, a miopia pode não progredir tão rapidamente se eles passarem algum tempo fora de casa todos os dias.

Seu filho recebeu um exame de visão ultimamente?

Diagnosticar e corrigir a miopia, a hipermetropia, o astigmatismo e outros erros de refração podem ajudar seu filho a evitar a fadiga ocular, dores de cabeça e outros problemas relacionados à visão deficiente.

FONTE: http://www.schaefer.com.br/2016-04-08-15-13-56/prevencao-ocular-2/128-brincadeira-ao-ar-livre-melhora-a-visao-das-criancas.html

Visão distorcida e dor nos olhos pode ser sinal da Distrofia de Fuchs

Prevenção Ocular

Escrito por Dr. Arthur Schaefer em 

A Distrofia de Fuchs é uma doença ocular que provoca dor nos olhos e visão distorcida e pode exigir um transplante de córnea.

Diagnóstico

A evolução da doença é lenta e tende a afetar ambos os olhos. As mulheres são ligeiramente mais propensas a desenvolverem a Distrofia de Fuchs do que os homens.

O diagnóstico é feito por um oftalmologista a partir dos 30 ou 40 anos, mas a visão pode permanecer inalterada até que os pacientes atinjam seus 50 ou 60 anos.

Como age a Distrofia de Fuchs

O endotélio, uma fina camada de células que se alinham na parte posterior interna da córnea, passa a se deteriorar gradualmente.

A causa dessa deterioração é desconhecida, mas como as células endoteliais são perdidas ao longo de muitos anos, o endotélio se torna cada vez menos eficiente no bombeamento de água para fora do estroma, a camada intermediária do tecido conectivo, que forma 90% da córnea.

Este declínio na eficiência leva ao inchaço da córnea provocando a distorção da visão. Em casos mais evoluídos, o epitélio absorve a água, resultando em dor e comprometimento visual mais grave.

Este inchaço pode produzir pequenas bolhas na superfície da córnea que são extremamente dolorosas e propensas a infecções sem tratamento adequado.

Sintomas

Conforme a distrofia de Fuchs progride podem surgir os seguintes sintomas, geralmente nos dois olhos:

  • brilho que pode diminuir sua visão na luz fraca ou intensa;
  • visão turva que melhora gradualmente ao longo do dia, com tempo de melhora mais lento em casos mais avançados;
  • dor ou ardor de pequenas bolhas na superfície da córnea;
  • visão distorcida;
  • sensibilidade à luz;
  • dificuldade de enxergar à noite;
  • presença de halos ao redor das luzes.

Fatores de risco

Fatores que aumentam o risco de desenvolver Distrofia de Fuchs incluem:

  • gênero;
  • genética;
  • fumo;
  • diabetes.

A Distrofia de Fuchs é ligeiramente mais comum em mulheres que em homens e um histórico familiar da doença aumenta seu risco.

Embora haja um tipo raro de início precoce da distrofia de Fuchs que começa na infância, normalmente a doença começa nos anos 20 e 30, com sintomas que se desenvolvem nos 50 e 60 anos de idade.

Tratamento

Embora medidas paliativas como uso de colírios hiperosmóticos possam ser tomadas, quando a doença progride comprometendo a qualidade de vida devido ao edema, inchaço pelo acúmulo de líquido, o transplante de córnea tem sido um procedimento com muito sucesso atualmente para a restauração da visão. 
FONTE: http://www.schaefer.com.br/2016-04-08-15-13-56/prevencao-ocular-2/132-visao-distorcida-e-dor-nos-olhos-pode-ser-sinal-da-distrofia-de-fuchs.html

Cuidados com a visão na terceira idade

Prevenção Ocular

Escrito por Dra. Leticia Tecchio

Problemas com a visão podem ocorrer em qualquer idade, mas são mais comuns em idosos. Para a maioria das condições oculares, a taxa de incidência aumenta significativamente depois dos 70 anos de idade.

No entanto, muitas das condições oculares que surgem como resultado da idade são consideradas normais por alguns médicos, embora as compensações sejam possíveis.

O envelhecimento aumenta o risco de algumas condições oculares que ameaçam a visão, e é por isso que é importante estar informado e fazer check-ups regulares nos olhos.

Diabetes, hipertensão arterial e doença cardiovascular aumentam o risco de doenças oculares relacionadas à idade. E à medida que envelhecemos, a deficiência visual pode levar à depressão e ansiedade – como medo de cair – produzindo mudanças desnecessárias na marcha, perda de equilíbrio e mobilidade restrita neste  momento da vida em que permanecer ativo é importante para manter a saúde e a qualidade de vida.

A boa notícia é que manter um estilo de vida saudável, que inclua exercícios regulares, boa alimentação, exames regulares e vitaminas para os olhos pode ajudar a prevenir algumas doenças oculares.

Sintomas considerados “normais”

Olhos Secos

75% das pessoas com mais de 65 anos apresentam secura dos olhos devido à diminuição da produção de lágrimas. Os olhos secos também podem ser causados ​​ou agravados pelo:

  • fumo;
  • ingestão de café;
  • alterações na menopausa;
  • uso de computador;
  • uso excessivo de açúcar;
  • desidratação e alergias

Também podem ser sintoma de um problema maior como diabetes ou doenças autoimunes.

Lágrimas artificiais são às vezes prescritas mas servem apenas como alívio temporário e podem exacerbar o problema.

Presbiopia e Hipermetropia

A presbiopia, ou a disfunção do foco relacionado à idade, é um borrão de visão de perto que dificulta o trabalho fino. Embora a hipermetropia seja causada por influências herdadas e ambientais na forma do globo ocular, a presbiopia se deve ao espessamento das proteínas dentro da lente, tornando o cristalino menos flexível. Óculos e/ou cirurgia podem ser recomendados.

Redução da pupila

O tamanho reduzido da pupila faz com que pessoas idosas respondam menos às mudanças na iluminação ambiente, precisando de mais luz para leitura e proteção contra a luz solar intensa.

Perda da visão periférica

A perda da visão periférica pode produzir uma redução de 20 a 30% no campo de visão no momento em que alcançamos 70 anos.

Enxergar menos cores

A diminuição da visão das cores é causada pelas células da retina que se tornam menos sensíveis à cor.

Condições oculares graves

Glaucoma

É a maior causa de cegueira irreversível no mundo. No geral o aumento da pressão intraocular leva a um dano no nervo óptico. Para o idoso a diminuição do campo visual é um fator muito limitante e diminui drasticamente a autonomia e qualidade de vida.

Os sintomas são muito poucos até que a visão diminuída seja notada. O tratamento pode ser realizado com colírios, laser ou cirurgia.

Degeneração macular relacionada à idade

Do tipo seca causa perda gradual da visão central e resulta do envelhecimento e adelgaçamento dos tecidos da mácula ou depósito de pigmento. Degeneração macular úmida surge a partir da tentativa do corpo de compensar a falta de nutrientes através da construção de vasos sanguíneos adicionais sob a retina, mas os novos vasos sanguíneos vazam fluido que causa danos permanentes às células da retina.

Retinopatia diabética

Doença que afeta a retina causada pelo diabetes. A cegueira é amplamente evitável se o paciente e o médico trabalharem juntos para o uso adequado de medicamentos, testes de açúcar no sangue, dieta e estilo de vida adequados.

Catarata

catarata é um envelhecimento da lente intraocular e leva à visão embaçada e que piora com o tempo, além de mais sensibilidade à luz, como sinais de aumento da opacidade do cristalino.  Além disso, a catarata pode ser formada como resultado de outras cirurgias oculares ou doenças como diabetes.

No geral o tratamento é cirúrgico.

Fatores importantes de estilo de vida

Proteja os olhos da luz ultravioleta intensa: use um chapéu com aba quando sair, use óculos de sol que protejam os olhos da radiação UV. Óculos de sol que envolvem seus olhos são especialmente benéficos.

Cuidados na sua ingestão de açúcar: por exemplo, no caso da cataratas, o açúcar limita a capacidade do olho de manter a lente limpa e pode acarretar na temida Retinopatia Diabética, que pode levar a cegueira.

Adote uma dieta saudável incluindo muitas folhas verdes, grãos integrais, frutas e legumes. Beba água diariamente e abundantemente.

Não fume: fumar aumenta substancialmente os fatores de risco. Por exemplo, o risco de desenvolver catarata é dobrado se você fuma. Para homens que fumam mais que um maço por dia, o risco é 205% maior, e para as mulheres, o risco é 63% maior.

Fumo e envelhecimento não devem caminhar juntos. Para a degeneração macular, o risco é 2,5 a 3,5 vezes maior se você fuma. Se você tem mais de 80 anos e fuma, o risco de desenvolver a degeneração salta para 5,5 vezes.

Faça exercícios regularmente: andar a pé é uma das melhores coisas que você pode fazer. Em outras palavras, as pessoas que estão com sobrepeso, mas que estão fisicamente em forma – pessoas que andam e fazem outras atividades diárias envolvendo movimento – têm uma saúde geral melhor do que aquelas que são magras mas sedentárias.

Adote essas dicas e consulte sempre seu oftalmologista.

fonte: http://www.schaefer.com.br/2016-04-08-15-13-56/prevencao-ocular-2/137-cuidados-com-a-visao-na-terceira-idade.html

CUIDADOS E HÁBITOS ESSENCIAIS PARA A SAÚDE DOS OLHOS

Para ter uma visão saudável é importante tomar alguns cuidados com a higiene dos olhos, tendo ciência de determinadas atitudes que possam prevenir danos à visão. Cultivar alguns hábitos será eficiente para manter a saúde desses órgãos tão sensíveis, mas que estão sempre expostos ao contato natural, físico ou cosmético. Segundo os dados da Organização Mundial de Saúde, cerca de 50 milhões de brasileiros sofrem algum tipo de distúrbios de visão. Deste número, 60% dos casos são de cegueira e deficiência visual. Porém, se fossem tratados com antecedência, poderiam ter sido evitados. Em função disso, selecionamos algumas dicas capazes de prevenir e evitar outros problemas oculares.

1 – Evite coçar os olhos

O hábito instintivo e prejudicial de esfregar com frequência a região dos olhos pode resultar em problemas oculares, pois a estrutura é muito frágil e a pressão exercida na área pode provocar lesões e doenças mais graves. As mãos têm impurezas e podem levar bactérias para os olhos, desenvolvendo uma conjuntivite bacteriana, ou até causar ferimentos radicais. Se a sensação de coceira persistir, procure um oftalmologista para verificar a causa.

2- Maquiagens e seus cuidados

Dormir sem remover os produtos de beleza dos olhos pode irritar e até mesmo inflamar a área ocular. Usar cosméticos fora da validade, ou de terceiros, também pode causar consequências ruins à saúde dos olhos. Procure usar produtos antialérgicos e sem conservantes. Após o término do uso dos pinceis e escovas de maquiagem, lave-os para evitar a proliferação de bactérias nos mesmos. Observe sempre o prazo de validade de cada produto.

3 – Dose o nível de açúcar em sua rotina

O excesso de glicose no sangue não é apenas perigoso para a saúde do corpo, mas também pode causar problemas à visão principalmente aos portadores de diabetes, sendo eles do tipo 1 ou 2. O alto consumo do açúcar pode agravar ainda mais o problema, provocando uma retinopatia diabética. Esta doença é silenciosa e o único sintoma é de vista embaçada, porém, não causa dor nenhuma ao portador, mas, pode provocar hemorragia interna e até mesmo uma cegueira reversível.

4 – Pare de fumar!

Cientistas afirmam que o consumo do cigarro está associado a alguns problemas de visão, como degeneração macular, catarata e danos no nervo óptico. Esse último é capaz de causar cegueira irreversível ao fumante. Se você já tentou parar de fumar e não conseguiu, eis um bom motivo para largar o tabagismo.

5- Pratique atividades físicas

A inclusão de exercícios é importante para a saúde do corpo e, também, dos olhos. Estar acima do peso, somado a uma má alimentação, impede as vitaminas que previnem os prejuízos celulares de chegar, em quantidade suficiente, aos olhos causando danos à visão. Portanto, é importante praticar algum tipo de esporte ou exercício físico.

6 – Lave bem os olhos!

Pelo menos uma vez por dia, dedique um tempo para higienizar a área em volta deles, como as pálpebras, os cílios e os cantos, removendo as impurezas e secreções secas a fim de evitar coceira incômoda capaz de causar irritação ou até mesmo uma conjuntivite indesejada. O ideal é limpar ao redor dos olhos com hastes flexíveis, essas usadas para limpeza dos ouvidos (cotonete), umedecidas com creme de limpeza apropriado para esta região. Na hora do banho, o enxágue seguido de massagens leves na parte exterior das vistas também são aconselháveis.

7 – Pisque mais os olhos

Com frequência, esse comportamento instintivo lubrifica as córneas, evita o ressecamento dos olhos e tantos outros problemas que comprometem a visão, como coceira e irritações mais sérias. Pisque mais, faça pausas repetidas quando estiver concentrado em um ponto fixo ou diante de um computador. Vai ajudar a descansar a vista e auxiliar no combate da chamada síndrome da visão de computador (do termo inglês CVC).

8 – Tenha bastante cuidado com as lentes de contato

Antes e depois de usá-las, lave bem as mãos e higienize as lentes com produtos sugeridos pelo fabricante. Também é recomendável que o usuário siga as instruções atentamente para melhor execução do contrato. A limpeza do estojo é essencial e deve estar em dia, antes de repor o objeto no local. Lembre-se da substituição das lentes de acordo com o prazo de validade, para evitar riscos de infecções.

9 – Coma mais peixe

Este alimento preserva a saúde dos olhos, diminuindo problemas ópticos como a degeneração macular, doença capaz de causar cegueira irreversível. O peixe é um alimento rico em ômega 3 e também contém vitaminas A, B,D e E, que são essenciais para a nossa  saúde. Quando ingerido, distribui bastante oxigênio para todo o corpo, inclusive para os olhos, combatendo o envelhecimento precoce nas estruturas oculares e fortalecendo o globo ocular, proporcionando uma visão mais clara.

10 – Atenção para a mais importante!

Antes de qualquer atitude é fundamental estar em dia com a consulta ao oftalmologista. Recebendo o diagnóstico dos sintomas com o especialista, a fim de prevenir futuros problemas, este cuidado é necessário para manter a saúde dos olhos. Quanto mais rápido o tratamento for feito, caso necessário, melhor será o resultado. Agende regularmente uma consulta para realizar exames preventivos.

FONTE: https://www.cbo.net.br/novo/publico-geral/cuidados-e-habitos-essenciais-para-a-saude-dos-olhos.php

As diferenças entre miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia

Tema bastante frequente em nosso cotidiano já que praticamente todos nós usamos ou iremos necessitar em algum momento de nossas vidas de lentes corretivas.

Diante desse cenário, é importante sanar as dúvidas referentes ao assunto, entendendo os sintomas de cada um desses problemas, para conseguir identificá-los e tratá-los corretamente. Se você se sente confuso com todos esses nomes de diagnósticos e quer entender a diferença entre eles, fique tranquilo! Nós preparamos este post para esclarecer suas dúvidas.

Confira:

Miopia

Também conhecida como “visão curta”, é um erro refrativo comum e ocorre quando a entrada de luz no olho atinge um ponto focal antes da retina. Nesse caso, a pessoa tem dificuldade em ver objetos distantes, mas apresenta facilidade em enxergar objetos próximos.

A miopia pode se desenvolver de forma rápida ou gradual, muitas vezes piorando durante a infância e adolescência. O uso excessivo e forçado da visão para perto, pode ser um dos fatores de risco para a evolução dessa condição.

*O surgimento da miopia pode estar relacionado também a outras doenças, como diabetes descompensada e catarata.

Hipermetropia

A hipermetropia é um outro distúrbio visual bastante frequente e ocorre quando a entrada de luz no olho atinge um ponto focal depois da retina.

Geralmente esses pacientes apresentam visão desfocada tanto para objetos de perto como de longe, dependendo da idade e do grau do paciente.

Astigmatismo

Distúrbio visual que ocorre quando a entrada de luz no olho atinge diversos pontos focais, devido a distorções corneanas ou cristalinianas.

No astigmatismo, os pacientes apresentam visão embaçada e dificuldades para enxergar principalmente para longe.

Presbiopia

Popularmente conhecida como “vista cansada” ou “síndrome do braço curto”, a presbiopia consiste na dificuldade em focalizar objetos à curtas distâncias. Com o avanço da idade, os olhos vão perdendo lentamente a capacidade de focar objetos próximos devido ao enfraquecimento da musculatura ocular interna.

Embora a presbiopia costume se manifestar entre os 40 e 50 anos de idade, existem alguns fatores de risco que favorecem seu desenvolvimento. Pessoas com diabetes, esclerose múltipla, doenças cardiovasculares e o consumo de alguns medicamentos, por exemplo, podem adiantar o aparecimento da presbiopia.

FONTE: https://hospitaldeolhos.net/saude-dos-olhos/as-diferencas-entre-miopia-hipermetropia-astigmatismo-e-presbiopia/

Conjuntivite: três dicas para evitar

O ar seco já é um problema. Quando a secura se junta à poluição, fica tudo muito pior para nosso organismo. Todos nossos órgãos e sistemas se ressentem e os efeitos são imediatos. A tosse é um sintoma persistente e quase invencível, principalmente para crianças pequenas. As “ites” como bronquite, rinite, sinusite, laringite, amigdalite e conjuntivite são diagnósticos que viram rotina para muitas pessoas.

Nossos olhos estão diretamente expostos ao ambiente. A única “barreira” de proteção de que dispomos é a lubrificação feita constantemente pelas lágrimas. Quando a umidade relativa do ar é muito baixa, isto é, menor do que 40%, as mucosas ficam ressecadas e o “escudo” de defesa se fragiliza. Resultado: ficamos mais expostos à conjuntivite.

Não é de estranhar, portanto, que, segundo os dados da Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, no período de maio a julho deste ano, a cidade de São Paulo registrou 18 surtos de conjuntivite.

A conjuntivite é a inflamação da parte “branca” dos olhos, que é a conjuntiva. Quando a barreira de defesa diminui, conjuntiva fica mais exposta a três agressores mais comuns: vírus, bactérias ou processos alérgicos. Estes agentes agressores causam uma inflamação que deixa a conjuntiva vermelha e com vasos sanguíneos visíveis e extremamente ingurgitados. A sensação que se tem é de “poeira” nos olhos. A luz incomoda demais.

Pode coçar muito, o que irrita mais ainda a mucosa inflamada. Quando a causa da conjuntivite são bactérias, geralmente há produção de uma secreção purulenta que “gruda” nos olhos. Importante saber que a conjuntivite causada por vírus ou bactérias é bastante contagiosa.

Ninguém merece. Por isso, aqui vão 3 dicas para tentar evitar ao máximo a conjuntivite e todo o seu desconforto.

1. LAVE OS OLHOS com solução fisiológica pelo menos 3 vezes ao dia e sempre que julgar necessário. A limpeza ocular ajuda a hidratar a mucosa e limpa os olhos de agressores e do pó do ar. Lave também as pálpebras e os cílios. Parece óbvio e fácil, mas pouquíssimas pessoas têm este cuidado como hábito na rotina diária. Faça essa “limpeza” em crianças e idosos que estão sob sua responsabilidade.

2. EVITE COLOCAR AS MÃOS NOS OLHOS. Frequentemente levamos as mãos aos olhos, seja para coçar, seja para limpar alguma sujeira maior que entrou. Fazemos isso inconscientemente, como um hábito, sem pensar nas consequências. Nossas mãos são veículos infalíveis e comprovados de vírus ou bactérias. Com as defesas das mucosas oculares rebaixadas por conta do ar seco e poluído, qualquer agente infeccioso que penetre nos olhos encontra um ambiente propício para se proliferar e causar o desconforto da conjuntivite. Lavar as mãos com frequência, principalmente ao chegar da rua e de locais públicos é importantíssimo para evitar a contaminação não apenas dos seus olhos, mas também de suas vias respiratórias e digestivas.

3. NÃO COMPARTILHE toalhas, lenços, fronhas ou maquiagem. Os agentes agressores podem ficar intactos nestes locais e contaminar os olhos de quem está susceptível.

Fique de olhos bem abertos e saudáveis. Sempre!

 Foto: Pixabay

FONTE: http://g1.globo.com/bemestar/blog/doutora-ana-responde/post/conjuntivite-tres-dicas-para-evitar.html

Cuidados com a lente de contato

Saiba como mantê-las limpas e evite contaminações e outras problemas. Saiba mais

Antes de começar a usar lentes de contato é muito importante consultar um oftalmologista. O uso incorreto pode causar ceratite (inflamação da córnea), úlcera de córnea e infecção ocular com sequelas visuais que podem levar a cegueira. Além disso, a longo prazo há risco de hipoxemia crônica (falta de oxigenização) e insuficiência límbica, que podem levar a intolerância à lente, vascularização da córnea e perda visual.

Para evitar a contaminação é necessário cuidado com a limpeza e manutenção adequada para cada tipo de lente. Manter o prazo de validade específico para cada modelo e/ou fabricante, além de realizar a adaptação correta da lente com a refração atualizada, tamanho e curvatura adequada para cada tipo de córnea/paciente.


Como limpar as minhas lentes

O ideal é higieniza-las antes e após o uso para prevenir infecções. A maneira correta para mantê-la longe de bactérias é lavar as mãos com água e sabão antes de manuseá-las, retira-las do estojo, colocar na palma da mão, pingar algumas gostas da solução multiuso adequada para aquele tipo de lente, friccionar levemente com a polpa digital dos dedos para eliminar a sujeira e resíduos da superfície da lente. Por fim, enxaguar as lentes com a própria solução multiuso e coloca-las no olho com cuidado. Nunca utilizar água corrente.


O soro fisiológico deve ser evitado, pois não consegue retirar gorduras, proteínas, ou impedir a proliferação de microorganismos e não lubrificam corretamente a lente de contato. O estojo da lente deve ser higienizado após a retirada com o próprio produto multiuso e deixar secar ao ar livre sem utilizar panos ou papel – nada que possa deixar resíduos no estojo. A solução deve preencher o estojo antes de colocar a lente novamente e deve ser trocada diariamente.


Prazo de validade

Importante lembrar que cada tipo de lente apresenta um tempo de uso determinado pelo fabricante, dependendo do tipo e composição de cada material. Esse tempo foi estipulado após muitas pesquisas. Não respeitar o prazo estipulado pode levar a alteração da permeabilidade ao oxigênio, a curvatura da lente, o aparecimento de depósitos de gordura, proteínas e debris, que aumentam a chance de infecções e hipoxemia da córnea

FONTE: https://www.einstein.br/noticias/noticia/cuidados-com-a-lente-de-contato