5 passos para tirar a maquiagem dos olhos corretamente

A área em volta dos olhos é muito sensível. Portanto, é indispensável tratá-la com cuidado e delicadeza. Siga os conselhos e aprenda a remover a maquiagem do olho de maneira eficaz e sem agredir sua pele

É indispensável remover a maquiagem dos olhos.

1.Leite demaquilante

O contorno dos olhos é muito sensível porque a pele, ali, é muito fina. É imperativo limpá-la cuidadosamente e com delicadeza para eliminar restos de maquiagem que poderiam danificá-la.
DicaEliminar a sombra para olhos é o primeiro passo da tarefa de remover a maquiagem. Utilize um leite demaquilante específico para a região dos olhos pois a textura da pele é delicada e ele desliza melhor.

2.Movimentos circulares

Para remover a maquiagem dos olhos, é importante fazer movimentos circulares no sentido dos ponteiros de um relógio, de maneira a ativar a circulação sanguínea e evitar, dessa forma, os olhos inchados e as bolsas.
DicaPara eliminar os resíduos de maquiagem, é preciso limpar os olhos com um algodão levemente molhado de leite demaquilante. Passe suavemente o algodão desde o canto interno do olho até o externo e, debaixo do olho,  de novo de fora para dentro. Para se certificar de que a área está bem limpa, repita a operação. 

3.Retirar o rímel com algodão

O rímel é um dos produtos de maquiagem mais difíceis de eliminar. Muitas vezes à prova d´água, ele fica colado nos cílios e pode provocar, com o tempo, sua queda prematura, se não for removido corretamente.DicaTire o rímel com um algodão levemente embebido em leite demaquilante para evitar que o produto escorra nos olhos. Para remover o produto, faça movimentos de cima para baixo dos cílios. Se o rímel for à prova d´água, escolha um demaquilante à base de óleo.

4.Remover o delineador ou o lápis com cotonete

Olho esfumaçado, maquiagem gráfica… O traço do delineador ou do lápis compõe frequentemente uma maquiagem difícil de remover, pois deixa vestígios.DicaMolhe um cotonete em um pouco de leite demaquilante e apague o percurso do delineador ou lápis seguindo seu traçado.

5.Loção tônica e creme hidratante

Uma vez que você removeu a maquiagem com leite demaquilante, é importante refrescar e hidratar a pele para mantê-la sempre jovem e bonita.DicaVocê pode terminar a tarefa com uma loção tônica. Em seguida, aplique um produto para hidratar bem a área em volta dos olhos.
Copyright foto: iStock

FONTE: https://www.arevistadamulher.com.br/faq/20428-5-passos-para-tirar-a-maquiagem-dos-olhos-corretamente

SITE: https://www.arevistadamulher.com.br/

Catarata: causas, sintomas & tratamentos

Resumo sobre catarata

A catarata, a degeneração macular e o glaucoma são as três principais doenças do olho, que ocorrem com o envelhecimento e podem causar cegueira.

A catarata é descrita desde a antiguidade. A visão turva devido a catarata é uma alusão à visão que a pessoa teria se estivesse olhando através de uma cachoeira, “catarata” em latim significa “cachoeira”.

A catarata afeta o cristalino do olho. Como uma lente óptica, o cristalino permite uma adaptação da visão, focando a imagem através da alteração de sua forma (contração ou alongamento). Este é exatamente o mesmo princípio físico usado em câmeras ou telescópios, por exemplo.

Com o envelhecimento, o cristalino se torna opaco e visão turva. É uma doença degenerativa, mas progressiva. A catarata é uma doença senil (devido à idade). Outras causas de catarata existem, como catarata traumática (devido a um acidente) ou secundária (devido a alguns medicamentos).

O mecanismo de envelhecimento do cristalino não é totalmente conhecido, mas parece que se deve ao ataque de radicais livres. Para prevenir esta situação, uma dieta rica em antioxidante seria bem-vinda, por isso recomenda-se a comer frutas e legumes regularmente.

O principal tratamento para a catarata é a cirurgia.

Definição

Catarata significa “cachoeira”. A catarata é uma doença ocular caracterizada por uma visão cada vez mais turva, como se estivesse olhando através de uma queda d’água.

Existem vários tipos de catarata, dependendo da causa da doença: a catarata senil, a catarata traumática e a catarata secundária.

Catarata senil

Majoritariamente, a catarata ocorre devido à idade, com opacificação e endurecimento do cristalino. O cristalino é uma lente posicionada atrás da íris e age como uma lente óptica utilizada na formação da imagem por alteração de sua forma. Com o envelhecimento, o cristalino torna-se menos flexível. Não pode mais tão facilmente mudar a sua forma, e, então, a visão é perturbada. O processo de envelhecimento do cristalino não é ainda conhecido, mas parece que isso é devido ao ataque dos radicais livres, o que representa o envelhecimento normal do corpo humano. Este processo é progressivo. A catarata senil torna-se um incômodo após a idade de 70 anos, em geral.

Há formas de catarata juvenil, mas isso é raro. As crianças podem nascer com catarata, mas este é sim um secundário de catarata para doenças contraídas durante a gravidez, como rubéola, sífilis, herpes genital, ou toxoplasmose. Note-se também um fator genético para a catarata. O último efeito pode ocorrer em crianças com síndrome de Down.

Catarata traumática

Catarata traumática ocorre mais frequentemente em pessoas cujo olho foi afetado por lesão traumática, até o ponto onde a lente foi atingido. Este é particularmente o caso para a cirurgia no olho, danos nos olhos, sopra para o olho, queimaduras, químico ou físico, por exemplo.

Catarata secundária

Catarata secundário é causado pelo uso de certos medicamentos, tais como cortisona. Ele também pode ser secundário a doenças como a diabetes mal controlada, miopia, glaucoma, descolamento de retina ou uveíte.

Epidemiologia

– Em todo o mundo, cerca de 20 milhões de pessoas são afetadas pela catarata (estimativa da OMS em 2010). A OMS estima que cerca de 48% dos casos de cegueira em todo o mundo são causados por catarata. Esses casos de cegueira são, no entanto, reversíveis por cirurgia.

– Nos Estados Unidos, cerca de 4 milhões de americanos passaram por cirurgia de catarata em 2017, segundo a mídia CBSNews.

– Na França, estima-se que sejam realizadas 600.000 cirurgias de catarata por ano, enquanto este distúrbio afeta mais de 20% da população acima de 65 anos.

– Cerca de 1 recém-nascido a cada 250 que sofre de catarata congênita.

– As mulheres são as mais afetadas pela catarata, segundo a instituição americana National Eye Institute (Instituto Nacional de Visão). É possível que a diminuição dos níveis de estrogênio na menopausa seja parcialmente responsável pelo aumento do risco de catarata em mulheres.

Segundo a revista americana Prevention, a partir de 75 anos, cerca de metade dos americanos sofriam de catarata em 2018.

Causas

Existem muitas causas para a catarata: idade, doença, medicamentos e trauma.

Idade

A catarata ocorre principalmente devido à idade avançada – é chamada de catarata senil. Com o envelhecimento, o cristalino endurece e torna-se opaco.

Inflexível, o cristalno não pode mais desempenhar o seu papel em se deformar para criar a imagem no olho.

De fato, o cristalino é pequeno, flexível e transparente, e permitem a entrada dos raios de luz para o olho, onde a informação de luz é convertida em impulsos nervosos e transmitidos para o cérebro através do nervo óptico. O impulso nervoso é “decodificado” pelo cérebro e forma a imagem. Com endurecimento e turvação do cristalino, a imagem vista, ano após ano, torna-se cada vez mais tênue e pode causar cegueira se não for tratada.

O mecanismo através pelo qual o cristalino torna-se opaco e rígido ainda não é bem conhecido. Parece que, com a ação dos radicais livres presentes no corpo humano causa alteração das proteínas do cristalino. Estas proteínas são também alteradas quando o olho é exposto à luz UV, incluindo UVB.

Doenças

As doenças que podem causar cataratas incluem diabetes quando mal controlada, doenças do olho tais como a uveíte, a miopia, glaucoma e descolamento da retina.

Algumas doenças contraídas durante a gravidez e transmitidas ao feto também podem causar catarata em recém-nascido. Estas doenças incluem toxoplasmoserubéolasífilis e herpes genital.

A catarata também pode ser congênita, causando a ocorrência de catarata em crianças pequenas. Este é particularmente o caso de pessoas com síndrome de Down.

Medicamentos

As drogas que podem causar a ocorrência de cataratas incluem o uso de corticosteroides em longo prazo, por via oral ou por via cutânea (creme, unguento). Tudo depende da quantidade absorvida.

Trauma

Qualquer trauma que afeta o olho e o cristalino podem trazer o risco de desenvolvimento de cataratas maiores. Assim, feridas, cortes, golpes no olho podem causar catarata. Outras lesões como queimaduras químicas ou físicas podem também ser a causa de uma catarata.

Grupos de risco

A catarata é uma doença que ocorre principalmente devido ao envelhecimento natural do cristalino. Assim, todas as pessoas estão em risco de desenvolver catarata. A catarata começa geralmente em pessoas acima dos 65. Uma vez que esta é uma doença progressiva, lentamente a qualidade da visão é perturbada, porque o cristalino não está totalmente opaco. Com a idade de 75 anos, as pessoas sentem realmente a visão perturbada.

O sexo não tem influência sobre a ocorrência ou não de uma catarata. Assim, os homens e mulheres são igualmente afetados pela catarata. A catarata afeta normalmente um olho mais do que o outro.

Embora o envelhecimento seja o principal fator de risco para desenvolver catarata, existem fatores agravantes. De fato, as doenças tais como a diabetes, o glaucoma, a uveíte podem tornar maior risco de cataratas. Drogas tais como a cortisona, também aumentam a ocorrência de cataratas. Exposição aos raios UV, incluindo UVB solar aumenta risco de catarata. Assim, as pessoas que vivem em torno do equador têm maior propensão à catarata. Finalmente, todos os que tiveram lesões, traumas no olho são mais suscetível a desenvolver catarata.

Em crianças, o risco de cataratas é muito menor. Mas ela existe e esse risco é maior em crianças com síndrome de Down e crianças cujas mães contraíram doenças como rubéolasífilisherpes genital ou toxoplasmose durante a gravidez.

Como visto em Epidemiologia acima, as mulheres são mais afetadas do que os homens pela catarata.

Sintomas

A catarata é uma doença indolor, mas pode com o tempo tornar-se muito desagradável. Em primeiro lugar, a catarata causa uma diminuição na acuidade visual e pode causar subsequente perda de visão. Na catarata precoce, não se observaram sintomas. Mas com o passar do tempo, o transtorno de visão e cegueira longo ocorrem.

Os seguintes sintomas são característicos da catarata:

– Sensação de um véu diante dos olhos, sensação de olhar através de uma cachoeira.

– A visão borrada, desfocada.

– Visão dupla.

– Escurecimento da visão (raios de luz têm dificuldade de atingir o nervo óptico).

– Dificuldades para andar ou dirigir à noite.

– Diminuição da percepção da cor. Elas se tornam opacas, menos vibrante.

– Excesso de brilho, especialmente na presença de luz forte (fotofobia sintoma isso já é raro).

 – Aumento acelerado da miopia. Mudanças frequentes de óculos, lentes de contato. Assim, logicamente, visão melhora temporariamente, mas com o aumento de catarata, a visão também começa a incomodar.

 – Visão de objetos distantes é a primeira a ser incomodada.

 – A perturbação da visão não é uniforme e pode ocorrer mais de um lado que de outro. Apesar de catarata ser bilateral, ela é mais pronunciada em um dos olhos.

Observação:
Os sintomas de catarata aparecem de forma progressiva, com sintomas leves no início, depois cada vez mais intensos com o desenvolvimento da doença.

Diagnóstico

A catarata é uma doença indolor e, por isso, é raro perceber os sintomas. Assim, a catarata é basicamente detectada durante exame de rotina no oftalmologista. É importante para quem sofre de diminuição da acuidade visual consultar o oftalmologista para detectar a doença rapidamente. A catarata não é reversível, mas pode ser tratada por meios seguros.

O oftalmologista pode suspeitar de uma catarata identificando sintomas característicos da doença. Trata-se essencialmente de um diagnóstico clínico.

Na consulta oftalmológica de rotina, o oftalmologista utilizará uma lâmpada de fenda. É uma espécie de microscópio com a qual o médico pode iluminar o olho e inspecionar cada parte para detectar doenças. Quanto catarata, olho médico irá prestar especial atenção à lente, identificando sua forma, tamanho e cor (a sua transparência, reflexão).

Para fazer uma análise quantitativa de acuidade visual reduzida, o oftalmologista irá usar as escalas Monoyer e Parinaud.

Note-se que a catarata avançada causa uma turvação do cristalino, que é visível a olho nu. Na verdade, a pupila torna-se cinza esbranquiçada. Quando o cristalino ainda não está totalmente opaco e esbranquiçado, o oftalmologista utilizará soluções para dilatar a pupila e ver a aparência do mesmo.

Complicações

A catarata é uma doença que não dói, mas o seu agravamento causa diminuição significativa na acuidade visual. Esta diminuição pode até causar cegueira.

Mesmo indolor, é importante detectar e tratar casos de catarata precoce, porque os países em desenvolvimento de catarata é responsável por mais de um terço de toda a cegueira. Isto é em parte explicado pela desnutrição e excesso de raios UVB. Tratar a catarata pode prevenir muitos casos de cegueira.

Os países desenvolvidos não são deixados para trás. Os idosos são mais numerosos, e a catarata é muito comum. Nesse caso, o acesso ao médico é facilitado e os pacientes são atendidos com mais rapidez.

Por causa diminuição da acuidade visual, além da cegueira, novamente, a qualidade de vida dos pacientes é prejudicada. Incluindo atividades simples, como ler e dirigir.

Um sinal característico de uma catarata é avançada é a cor da pupila. A pupila torna-se esbranquiçada ou acinzentada. Dessa forma, a olho nu o cristalino não é mais transparente.

Tratamentos

Não há nenhum tratamento medicamentoso contra a catarata, seja sob a forma de colírios para os olhos ou comprimidos para engolir. O único tratamento contra a catarata é a cirurgia.

A cirurgia é realizada em pacientes cuja visão é prejudicada e prejudica atividades normais, como ler, dirigir, etc. De fato, quando a catarata não é muito acentuada e atividades diárias ainda podem ser feitas sem muita dificuldade, existem alguns passos simples para melhorar a visão:

– O oftalmologista pode prescrever óculos ou lentes de contato adequados para reabilitar  a visão.

– Use óculos de proteção, devido à sensibilidade que o brilho que pode causar.

– A iluminação adequada é necessária em casa: a catarata pode causar escurecimento da visão.

– Coma bastante vegetais e fruta, a fim de ter quantidade suficiente de antioxidantes e assim neutralizar os radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento do cristalino. Exemplos de antioxidantes são a vitamina Cvitamina E, betacaroteno e luteína.

A cirurgia de catarata

Quando a catarata já está bem avançada, a solução é a cirurgia. Esta última consiste-se em extrair o núcleo do cristalino sob anestesia. O cirurgião mantém no lugar o envelope do cristalino (chamado de cápsula), retira o núcleo com pulverização ultrassônica (mais fácil de remover) e substitui por um novo cristalino artificial (uma lente).

Existem dois tipos de lentes. Lentes rígidas e lentes moles. As lentes rígidas requerem uma abertura maior da córnea (5,5 mm). Estas lentes têm sido muito utilizadas. Lentes moles, no entanto, permitem uma abertura muito mais fina, porque a lente é dobrada e inserida como um envelope. O tipo de lente utilizada depende do paciente. Na verdade, as lentes também pode corrigir a visão, se a pessoa é míope, tem hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia.

Este processo é indolor e realizado muito rapidamente. Não há necessidade de hospitalização. Entretanto, por razões de segurança, a operação é executada em cada olho separadamente. O cirurgião começa com um olho e algumas semanas mais tarde, opera o outro olho. A visão retorna muito rapidamente em alguns dias ou algumas semanas (3 semanas em geral). O tratamento cirúrgico é bem conhecido e dominado hoje em dia.

A complicação principal reside no fato de que a lente deixada no local, pode também causar cataratas e espessar. Neste caso, porém, nunca tão grave como no primeiro. Além disso, uma simples correção a laser pode recuperar a boa visão.

Para alguns pacientes que sofrem de outros problemas oculares não é possível substituir o cristalino por uma lente artificial. Depois de retirar o cristalino, os pacientes devem usar óculos especiais ou lentes de contato.

Aumento da expectativa de vida entre as mulheres após a cirurgia
As mulheres mais velhas que operaram de catarata estão vivendo mais do que aquelas que não passaram pela cirurgia e que tem a doença, de acordo com um estudo publicado em 2017. Em detalhe, este estudo levou em conta mais de 74.000 mulheres, com 65 anos ou mais, com catarata, e mostrou que esta cirurgia oftalmológica está associada a uma redução de 60% no risco de mortalidade por todas as causas. Os pesquisadores, no entanto, ainda não sabem as causas exatas por trás dessa maior expectativa de vida. Uma hipótese é uma melhora na qualidade de vida dessas mulheres, graças a uma melhor visão, resultante da operação. Este estudo foi publicado online em 26 de outubro de 2017 na revista científica JAMA Ophthalmology (DOI: 10.1001/jamaophthalmol.2017.4512).

Dicas & Prevenção

– A catarata e a substituição do cristalino por uma lente é um método frequentemente utilizado, bem conhecido e controlado. É importante que as pessoas percebam a cura não será completa até depois de um mês.

– Sintomas desagradáveis podem ocorrer como “uma explosão de cores” após a operação. Mas diminui com o tempo. Esta sensação é devido ao fato de o cérebro se adaptou a visão diminuída, na catarata e amplifica os sinais. É uma compensação do cérebro.

– Uma vez que o cristalino foi substituído, a visão retorna ao normal, mas os sinais são amplificados, por conseguinte há a sensação desagradável de ver cores brilhantes. Isto pode ser muito doloroso, às vezes. Esta sensação vai desaparecer com o tempo.

– Mesmo que o cristalino seja substituído por uma nova lente, o cirurgião deixa a maior parte do tempo de envelope (também chamado cápsula) no lugar. Este envelope ao longo do tempo também pode se tornar opaco, causando uma segunda catarata. Esta última, no entanto, é fácil de tratar com um laser.

– Embora a cirurgia de catarata seja conhecida e bem entendida, é essencial que o paciente faça corretamente o uso de colírios antes e depois da operação. Isto não só vai facilitar a cirurgia em si, mas, além disso, evitar infecções.

– Pare de fumar, este é um fator de risco para catarata.

Fontes:
JAMA Ophthalmology (DOI: 10.1001/jamaophthalmol.2017.4512), Mayo Clinic

Fotos: 
Fotolia.com

Redação:
Por Xavier Gruffat (farmacêutico)

FONTE: www.criasaude.com.br/doencas/catarata.html

Como evitar a perda de visão pelo glaucoma?

Estima-se que até 3% da população brasileira tenha glaucoma. Quem tem a doença sofre com o aumento da pressão ocular que pode causar uma lesão no nervo óptico e levar à cegueira. Cerca de 80% dos casos de glaucoma não apresentam sintomas, o que dificulta o diagnóstico da doença. Por isso, é preciso se prevenir. Continue a leitura para saber mais sobre hábitos que ajudam na prevenção do glaucoma.

Hábitos que ajudam a evitar a perda de visão pelo glaucoma

O glaucoma é a segunda maior causa de cegueira no mundo. Estudos comprovam que alguns hábitos podem influenciar na pressão ocular e ajudar a evitar a perda de visão pelo glaucoma. Veja quais hábitos são:

Pratique exercícios físicos – pessoas que praticam exercícios físicos regularmente têm até 70% menos chance de desenvolver o glaucoma. A prática ajuda a diminuir a pressão arterial e a regular o fluxo sanguíneo, o que diminui o risco de glaucoma.

  • Atenção: se você pratica yoga, evite posições de cabeça para baixo, pois elas podem aumentar a pressão ocular.

Coma vegetais verdes – os vegetais de cor verde são ricos em nitrato, substância que pode melhorar o fluxo sanguíneo e ajuda a regular a pressão dentro do olho. Invista em alimentos, como alface, rúcula, couve, espinafre e brócolis.

Beba chá quente – tomar, ao menos, uma xícara de chá quente por dia pode auxiliar na prevenção do glaucoma. Os pesquisadores sugerem que o chá tem propriedades anti-inflamatórias que protegem o nervo óptico. Por outro lado, consumir café diariamente pode aumentar as chances de ter a doença. Invista mais em chás e evite o café.

Visite o dentista regularmente – a perda de dentes e doenças bucais está associada a um maior risco de desenvolver o glaucoma. Alguns pesquisadores sugerem que isto ocorra devido a uma resposta inflamatória que as doenças bucais podem desenvolver, contribuindo para o risco de glaucoma.

Evite o cigarro – fumar está relacionado ao aumento da pressão ocular. Este é um dos fatores de risco que aumenta as chances de desenvolver diversos problemas de saúde, inclusive, o glaucoma.

Além destes hábitos, é fundamental se consultar regularmente com um oftalmologista e rastrear o glaucoma, principalmente se você tem casos na família. Alguns genes aumentam o risco. É muito importante investir na prevenção contra o glaucoma e evitar a perda de visão.

FONTE: https://www.maispfizer.com.br/como-evitar-a-perda-de-visao-pelo-glaucoma

SITE: https://www.maispfizer.com.br/

Como manter seus olhos saudáveis

É preciso proteger e cuidar do nosso órgão sensorial mais importante . Há muito o que levar em consideração a esse respeito.

Nossos olhos são constantemente expostos a uma série de fatores ambientais que podem irritá-los– poeira, raios UV, partículas estranhas e tantas outras coisas. É por isso que consideramos importante conhecer tudo aquilo que faz bem para os nossos olhos, assim como o que pode prejudicá-los. Veja a seguir algumas dicas úteis:

Nossos olhos são a janela para um mundo de antes. Eles nos permitem apreciar o sorriso de uma criança, o fascinante mundo das artes e as belezas indescritíveis do nosso planeta. Quando se trata de tamanho, confiabilidade, desempenho ótico, adaptação às mudanças de luminosidade, consumo de energia e sustentabilidade, nossos olhos ofuscam até mesmo a melhor das máquinas fotográficas. Portanto, é praticamente desnecessário dizer que devemos cuidar muito de nossos olhos. Abaixo você encontra um resumo do que fazer e não fazer:

Checkups preventivos

1. Preventative checkups

Desde nosso nascimento, os olhos deveriam receber uma atenção especial. Particularmente, nos casos de crianças prematuras e daquelas cujos irmãos sofrem de estrabismo e ametropia. Toda a criança deve ser examinada por um oftalmologista entre 6 e 12 meses de idade, bem como entre os 30 e 42 meses. As crianças que são obrigadas a usar óculos desde muito cedo devem fazer exames regularmente.

Motoristas que ficam muito tempo na estrada devem fazer exames anuais para manterum controle da acuidade visual, campo de visão, visão colorida, bem como a sensibilidade à luz intensa.

Para a maioria das pessoas, é importante fazer exames regulares, a partir dos 40 anos, para verificar a presença de glaucoma; para pacientes de alto risco, é importante iniciar o controle antes, a partir dos 20 anos. Os exames devem ser realizados, preferencialmente, a cada dois anos. A partir dos 55 anos, a mácula deve ser examinada regularmente, de preferência uma vez por ano, para garantir um diagnóstico precoce de qualquer degeneração macular relacionada à idade. Fumantes ou pessoas que passam muito tempo sob o sol correm maior risco.

Proteção contra raios UV

Qualquer pessoa que passa muito tempo sob o sol sem proteção adequada corre o risco de sofrer queimaduras, disso todo mundo sabe. Há uma coisa que muitas pessoas não sabem, no entanto: a córnea também pode sofrer queimaduras, causando a chamada “cegueira de neve” ou “queimadura de flash”. Se isso ocorrer, as terminações nervosas da córnea ficam expostas. Os sintomas incluem dor intensa, extrema sensibilidade à luz e ardor nos olhos, que ficam vermelhos e lacrimejantes. Em alguns casos, pode até levar à deficiência visual. A longo prazo, a exposição aos raios UV pode levar ao espessamento da conjuntiva e à catarata, assim como a um aumento do risco da degeneração macular. Por isso, é importante usar óculos que filtrem a luz UV corretamente. Os óculos de sol devem ter um mínimo de proteção UVA/UVB de UV 400. Isso garante o bloqueio dos raios nocivos da luz na faixa ultravioleta. Dica: óculos de lentes grandes são melhores do que os menores. Os pequenos permitem que a luz entre por cima e pelos lados da armação. Óculos escuros são necessários ao dirigir conversíveisandar de patins ou bicicleta.

Ar puro

O ar puro não é apenas benéfico para os pulmões, coração e vasos sanguíneos. As córneas de seus olhos também captam oxigênio diretamente do ar. Por que fazem isso? Porque elas não têm suprimento próprio de oxigênio. Ao estar em uma sala enfumaçada e abafadadevemos frequentemente aliviar os olhos pegando um pouco de ar fresco. Além disso, usuários de lentes de contato devem ter um “dia do óculos” de vez em quando, para dar um descanso aos olhos.

Cosméticos

Estudos tem comprovado que períodos intensos de trabalho de frente a um computador e com os olhos fixos na tela, deixam os olhos muito secosporque piscamos com muito menos frequência. Por isso é importante fazer intervalos regulares, dando um descanso aos olhos. Desvie o olhar da tela e olhe para pontos distantes dela, abra e feche os olhos de vez em quando e faça um esforço consciente para piscar. Yoga para os olhos – veja nossas dicas de exercícios para os olhos – também pode ajudar a relaxá-los. Todas essas dicas vão ajudar a distribuir perfeitamente o filme de gordura que protege os olhos.

Higiene

Os olhos são uma parte do nosso corpo, isso é óbvio. Mas isso também significa que você deve sempre lavar as mãos antes de tocar ou esfregar os olhos.

Cosméticos

Quem gosta de usar maquiagem deve usar apenas produtos antialérgicos e sem conservantes. Produtos que irritam os olhos agridem a película protetora de gordura da córnea. A noite, é importante lembrar-se de remover o rímel, delineador e sombra de seus cílios e pálpebras.

Cremes para a região dos olhos

Quem usa cremes para a região dos olhos deve primeiro se informar muito bem porque os produtos não devem conter óleos. Eles podem romper o filme lacrimal e causar alergias. Evite aplicar cremes faciais diretamente na área ao redor dos olhos.

Partículas estranhas

As partículas estranhas podem danificar a córnea e fazer com que a parte interna do olho inflame. Mas tenha cuidado: se uma partícula estranha perfurar a córnea, ela fechará. O dano pode não mais ser visível externamente. Se você esfregar seus olhos nesta condição, poderá causar pequenas lesões e escoriações, por isso é essencial que você consulte um oftalmologista. Se necessário, seu oftalmologista removerá as partículas estranhas e receitará medicamentos para aliviar a inflamação e a dor.

Queimaduras químicas

Corrosões são, frequentemente, causadas por ácidos ou soluções alcalinas, encontradas no calcário ou produtos de limpeza doméstica. A membrana ocular ou a córnea podem ser lesadas diretamente. O olho deve ser imediatamente lavado, para se retirar as substâncias com a lavagem ou diluí-las. Caso não haja solução aquosa esterilizada ao alcance, lavar preferencialmente com água mineral ou da torneira. Em seguida, procurar um oftalmologista imediatamente!

FONTE: https://www.zeiss.com.br/vision-care/melhor-visao/saude-e-prevencao/como-manter-seus-olhos-saudaveis.html

SITE: https://www.zeiss.com.br/

Luzes de celular e de computador podem causar danos irreversíveis à visão

Especialistas aconselham uso moderado dos aparelhos e proteção com lentes fotossensíveis

Estudos mostram que brasileiros estão cada vez mais tempo na frente dos celulares e computadores; casos de problemas oculares relacionados a isso também têm crescido

Estudos mostram que brasileiros estão cada vez mais tempo na frente dos celulares e computadores; casos de problemas oculares relacionados a isso também têm crescido Foto: Pixabay/@JESHOOTS

Nos dias de hoje, é praticamente impossível passar o dia sem olhar a tela da televisão, do computador ou do celular. Um estudo realizado pela Millward Brown Brasil e NetQuest em 2016 revelou que o brasileiro gasta mais de três horas por dia de frente para o celular. Entre os jovens, a média é ainda maior: quatro horas. E o uso excessivo desses aparelhos tem aumentado a incidência de problemas de visão.

A luz azul violeta emitida por TVs, celulares, computadores, tablets e também por lâmpadas de LED podem causar danos irreversíveis, segundo a diretora da Sociedade de Oftalmologia Pediátrica da América Latina, Marcia Beatriz Tartarella. “O efeito da radiação por fototoxicidade vai se acumulando nas células da retina, e isso causa a degeneração da mácula, área nobre da visão”, afirma.

Os primeiros sintomas de problemas relacionados a este tipo de luminosidade não se manifestam de imediato. Segundo a especialista, é impossível perceber anomalias a curto prazo, mas qualquer sinal de fadiga visual, sensação de olhos secos, irritação ocular e até coceira, deve ser avaliado clinicamente.

Vice-presidente do Conselho Brasileiro de Oftalmologia, José Augusto Alves Ottaiano explica que piscamos menos quando estamos em contato com a tela de computadores ou celulares, além de exercermos maior pressão para que a visão esteja focada.

“Nós piscamos em média 15 vezes por minuto. Este é o número necessário para uma boa lubrificação lacrimal. Porém, em situações de estresse, que exigem um foco muito grande do nosso olhar, essa quantidade pode se reduzir a quatro, cinco vezes por minuto. Isso gera uma sobrecarga ocular”, diz o médico.

O especialista ainda dá algumas dicas para minimizar o impacto da luz:

• Para quem trabalha em escritório, por exemplo, o ideal é que o computador esteja sempre no mesmo nível do olhar. Caso esteja acima, a musculatura ocular demora mais tempo para renovar a superfície lacrimal, deixando o olho desidratado.

• Além disso, não se deve prolongar a permanência em frente à tela. Pausas a cada duas horas ajudam a evitar maiores complicações.

• Ar-condicionado também desidrata os olhos e amplia os problemas causados pela luminosidade, especialmente em ambientes menores como o interior do carro.

• É importante lembrar de ajustar as configurações de cada tela para que o brilho se regule de acordo com a luminosidade do local. Ambientes escuros não precisam de um alto brilho no display do celular.

A falta de cuidado prolongado nestes casos pode originar doenças oculares como a catarata e presbiopia, além de problemas nas áreas da córnea, retina, mácula e cristalino, levando à perda de visão gradativa.

Lentes de proteção. A luz azul está também presente em ambientes externos e, por isso, o uso de óculos escuros com proteção para raios ultravioleta é aconselhado.

“Existe radiação da luz azul violeta pelo sol em pequena quantidade, mas isso tem aumentado devido à perda da camada de ozônio protetora pela poluição ambiental”, afirma Tartarella.

Outra possibilidade é o uso de lentes fotossensíveis, que se ajustam de acordo com a luminosidade do local e dos dispositivos com tela. “O mercado hoje já possui tratamentos especiais que proporcionam conforto e proteção em qualquer ambiente”, completa a oftalmologista.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais

FONTE: https://emais.estadao.com.br/noticias/bem-estar,luzes-de-celular-e-de-computador-podem-causar-danos-irreversiveis-a-visao,70001872327

SITE: https://emais.estadao.com.br/

Colírio para os olhos: como utilizá-los e quais os cuidados tomar

Poder contemplar uma bela paisagem é um dos maiores prazeres da vida, não é mesmo? Por esse e outros motivos que é tão importante cuidar da saúde ocular. Dentre os bons hábitos, ressalta-se o uso de colírios para os olhos.

Entretanto, por se tratar de um remédio, é preciso ficar atento aos riscos de contaminação, aos principais tipos disponíveis nas farmácias e aos demais fatores. O uso indevido pode acarretar consequências graves.

Se você não sabia que o colírio requer cuidados específicos e assustou-se com essa informação, não se preocupe. O post de hoje traz algumas recomendações especiais. Vamos a elas?

Para que serve o colírio?

Serve para tratar muitos problemas oculares, tais como ressecamento, alergia e conjuntivite. É um medicamento estéril que passa por um procedimento rigoroso para eliminar micro-organismos e partículas sólidas.

Uma vez que essas alterações podem se desenvolver e causar lesões na superfície da córnea, o paciente precisa procurar um médico para prescrever o tipo correto. Caso você decida usar por conta própria, fique sabendo que o risco de apenas aliviar os sintomas em vez de tratar a doença é muito grande.

Quais são os principais tipos?

Lubrificantes

São especialmente indicados para pessoas com baixa lubrificação no olho e para usuários de lente de contato. Também combatem o ardor e irritações provocadas por poluição, produtos químicos, cosméticos, poeira e outros.

Antibióticos

A vermelhidão, a coceira e a produção de substâncias de cor amarela e densa podem indicar que existe uma inflamação ou infecção por bactéria. Esses problemas são tratados por meio de antibióticos.

Anti-inflamatórios

São indicados para prevenção e alívio de dores e inflamações. Em casos especiais, seu uso é recomendado para a recuperação de cirurgia ou tratamento de doenças.

Anestésicos 

A medição da pressão ocular, a raspagem do olho ou a retirada de corpos estranhos só são possíveis após a aplicação desse tipo de colírio. Seu uso é mais comum em hospitais e consultórios.

Vasoconstritores

Servem para descongestionar e lubrificar os olhos. São especialmente indicados para aliviar irritações leves e vermelhidão.
O colírio to tipo vasoconstritores mais conhecido atualmente é o Colírio Moura Brasil que você encontra por um ótimo preço em nossa loja virtual:

Antialérgicos

São utilizados para tratamento de conjuntivite alérgica, irritações leves e demais alergias. Podem provocar sonolência no usuário.

Como utilizar os colírios corretamente?

Independentemente do tipo de medicamento, existem cuidados indispensáveis para evitar a contaminação do frasco. A primeira dica é nunca compartilhar com ninguém seu colírio — não só pelos riscos para a sua saúde, mas também porque o uso de produtos não recomendados para o sistema imunológico pode gerar doenças mais graves.

Sabe aquele método de encostar a ponta do frasco nos cílios na hora de aplicar? Esqueça! Seus olhos têm muitos micro-organismos que prejudicam a integridade do remédio. Prefira reclinar a cabeça para trás e puxar a pálpebra inferior.

Não se esqueça de sempre lavar as mãos antes de aplicar o produto e de certificar-se da data de validade. Depois de aberto, garanta que a tampa não entrará em contato com nenhuma superfície para que não seja contaminada.

Esperamos que tenha entendido quais são os cuidados e precauções necessárias para preservar sua saúde visual. Para você se sentir mais seguro, aconselhamos a visita a um oftalmologista de confiança para realizar seus exames de rotina.

FONTE: https://blog.saudebig.com.br/colirio-para-os-olhos-como-utiliza-los-e-quais-os-cuidados-tomar/

SITE: https://blog.saudebig.com.br/

Doenças nos olhos: saiba como prevenir

Patologias oculares externas crescem 20% no calor

Verão propaga doenças nos olhos; saiba como prevenir

Água do mar ou piscina contaminada, abusar das lentes de contato em ambientes com ar condicionado e viagens aéreas longas prejudicam os olhos no verão. De acordo com o oftalmologista Leôncio Queiroz Neto, os prontuários do hospital mostram que estas variáveis durante a estação aumentam em 20% as doenças oculares externas: conjuntivite, alergia, ceratite (inflamação da córnea) e olho seco.

Para cada uma o tratamento é diferenciado, embora tenham sintomas em comum: olhos vermelhos, lacrimejamento, coceira, sensação de corpo estranho, queimação, fotofobia e visão borrada. O uso de colírio impróprio pode agravar estas doenças, adverte. Todas as faixas etárias são afetadas, mas os riscos variam conforme a idade.

Crianças

Queiroz Neto afirma que, entre crianças, os fatores de risco mais frequentes são o hábito de ficar mais tempo na água e nadar de olhos abertos sem óculos de natação. Isso porque o contato da mucosa ocular com o excesso ou falta de cloro nas piscinas e com a água contaminada do mar pode causar alergia ocular, ceratite, conjuntivite viral ou bacteriana. O médico explica que os casos de alergia são tratados com colírio anti-histamínico e compressas frias. “A ceratite e a conjuntivite viral com colírio anti-inflamatório e compressas frias. Já a conjuntivite bacteriana provoca uma secreção amarelada e o tratamento é feito com colírio antibiótico e compressas quentes” pontua.

Adultos

Se entre crianças os maiores vilões no verão são a água do mar e piscina, o especialista afirma que entre adultos são o abuso de lentes de contato, o excesso de ar condicionado e as viagens aéreas longas. Este três fatores aumentam o risco de contrair síndrome do olho seco que se não tiver tratamento adequado causa ceratite.

Isso porque, explica, a córnea lente externa do olho se alimenta da lágrima. O ressecamento do filme lacrimal provoca a má oxigenação da córnea e acarreta sua inflamação, facilita a contaminação por microrganismos e a formação de úlceras. A recomendação do médico é retirar as lentes de contato nas viagens aéreas com mais de 3 horas de duração porque o ar é mais rarefeito dentro dos aviões, evitar o abuso de ar condicionado e proteger os olhos com colírio lubrificante.

Prevenção

As dicas de Queiroz Neto para prevenir a conjuntivite no verão são:

– Lavar as mãos com frequência

– Evitar o compartilhamento de equipamentos de informática, maquiagem, toalhas e fronhas

– Usar óculos de natação para praticar o esporte na praia ou piscina

Mais lágrimas

Para garantir a produção de lágrima o especialista diz que é importante fazer dieta com pouco carboidrato, gordura e carne bovina, porém rica em vitaminas A e E (presentes em alimentos como as frutas, verduras e legumes), além da suplementação com Ômega 3, presente nas sementes de linhaça, nozes, sardinha e salmão . O especialista ressalta que até o uso de colírio lubrificante só deve ser usado com indicação médica porque as fórmulas variam para repor a camada aquosa, de gordura ou proteína da lágrima.

FONTE: https://www.noticiasaominuto.com.br/lifestyle/719451/verao-propaga-doencas-nos-olhos-saiba-como-prevenir

SITE: https://www.noticiasaominuto.com.br/

As 11 doenças dos olhos mais comuns

A visão é um dos cinco sentidos e é considerada por muitos como o mais precioso. Rui Branco, Coordenador da Unidade de Oftalmologia do Hospital Lusíadas Albufeira, descreve-nos alguns dos problemas oftalmológicos mais comuns, as causas, e como podem ser tratados.

Conheça as doenças dos olhos mais comuns, como as cataratas e o astigmatismo

Da alergia ocular ao astigmatismo passando pelo estrabismo e as cataratas que afectam 60% das pessoas com mais de 85 anos. Estas são algumas das doenças dos olhos mais comuns, aqui explicadas por Rui Branco, coordenador da Unidade de Oftalmologia do Hospital Lusíadas Albufeira.

Doenças dos olhos 

1. Alergia ocular

É uma inflamação dos olhos causada por uma resposta do sistema imunológico a uma determinada substância que o nosso organismo reconhece como perigosa, um alérgeno. A sua manifestação mais frequente é a conjuntivite alérgica, com carácter sazonal: 20% da população tem manifestações alérgicas.

  • Causas da alergia ocular

Exposição a alérgenos que produzem reações alérgicas, sendo os mais comuns o pólen, os fungos, os pelos dos animais, os ácaros, os alimentos, etc.

  • Tratamento

Passa por prevenir as crises, melhorando as condições ambientais e evitando o alérgeno. Para aliviar os sintomas, pode aplicar-se um tratamento tópico (gotas oculares e pomadas oftálmicas antialérgicas, descongestionantes, e lágrimas artificiais) ou terapêutica sistémica em situações mais graves. Pode ser necessário o despiste do alérgeno por testes cutâneos ou outros numa consulta de alergologia.

2. Ambliopia

Trata-se da diminuição da acuidade visual (conhecida como “olho preguiçoso”), uni ou bilateral, no contexto de um deficiente desenvolvimento da visão binocular, associado à presença de erro refrativo não corrigido, e/ou estrabismo, devido a mau acompanhamento oftalmológico na infância – 3% das crianças apresentam ambliopia/estrabismo.

  • Causas da ambliopia

A anisometropia (o erro refrativo é diferente nos dois olhos), aniseiconia (a imagem de um objeto observada por um olho é diferente da observada pelo outro) e o estrabismo são responsáveis por grande parte dos casos.

  • Tratamento

É primordial o acompanhamento de todas as crianças na avaliação do desenvolvimento da visão binocular desde tenra idade. O tratamento passa por correção com óculos, penalizações, ortóptica e cirurgia do estrabismo.

3. Astigmatismo

Ocorre quando a córnea apresenta uma alteração nos eixos da sua curvatura, sendo os objetos focados em dois diferentes pontos da retina, resultando em visão desfocada (está presente em 20% dos míopes e hipermetropes).

  • Causas da astigmatismo

Pode estar relacionado com herança genética. Aparece geralmente ao nascimento ou após um trauma ocular.

  • Tratamento

O astigmatismo pode ser corrigido com o uso de óculos com lentes cilíndricas, lentes de contato ou cirurgia refrativa.

4. Blefarite

É uma inflamação comum e persistente das pálpebras, quase sempre com o carácter crónico e cíclico. Afeta frequentemente pessoas que têm tendência a apresentar pele seborreica (pele oleosa e caspa) e produz secura ocular – 7 em cada 10 doentes que vão a uma consulta de oftalmologia têm problemas das pálpebras.

  • Causas da blefarite

Infeciosas e não infeciosas. As primeiras são causadas por bactérias, vírus ou parasitas e as segundas estão relacionas com seborreia, alergias e causas tóxicas.

  • Tratamento

Medidas de higienização (limpeza do bordo palpebral, calor local, massagem suave da base das pestanas) e, se necessário, uso de pomada com antibiótico e lágrimas artificiais.

5. Catarata

Consiste na opacidade total ou parcial do cristalino, lente natural do globo ocular, produzindo baixa de acuidade visual, visão desfocada e cores desvanecidas –está presente em 10% das pessoas com menos de 65 anos e é uma das doenças dos olhos mais comuns depois dos 85 anos (em mais de 60% das pessoas).

  • Causas da catarata

A causa mais comum está associada ao envelhecimento. Pode ocorrer, no entanto, por outras causas congénitas, hereditárias, metabólicas, tóxicas e traumáticas.

  • Tratamento

Consiste na remoção cirúrgica do cristalino e da substituição deste por uma lente intraocular, permitindo uma recuperação importante da visão.

6. Conjuntivite

Caracteriza-se pela inflamação da conjuntiva (membrana transparente que recobre o globo ocular e a parte interna da pálpebra). Esta inflamação pode ter um caráter agudo recorrente ou crónico sendo a forma aguda a mais frequente e que se acompanha de lacrimejo, comichão, ardor e sensação de corpo estranho. Esta doença dos olhos pode estar associada ou não a secreção mucopurulenta. Geralmente compromete os dois olhos, não necessariamente ao mesmo tempo. Nas conjuntivites de origem infeciosa (predominantemente de causa viral), o contágio é feito pelo contato direto com a pessoa doente ou objetos contaminados.

  • Causas da conjuntivite

Infeciosas por bactérias, vírus, fungos ou parasitas e não infeciosas por causas alérgicas, mecânicas, iatrogénicas, ocupacionais e outras.

  • Tratamento

A maioria das conjuntivites passa naturalmente, mas para diminuir os sintomas e o desconforto pode utilizar-se soro fisiológico gelado e compressas sobre as pálpebras, limpar os olhos com frequência ou, ainda, usar colírios lubrificantes e lágrimas artificiais. Por vezes é necessário, consoante o grau de severidade, o uso de colírios e pomadas oftálmicas antibióticas  e/ou anti-inflamatórias.     

7. Estrabismo

Consiste num desvio ocular por perda da correspondência retiniana normal de um dos olhos, com perda do alinhamento. O desvio dos olhos pode ser constante ou intermitente. O despiste do estrabismo deve ser feito o mais precocemente possível, principalmente em crianças, devido ao desenvolvimento da visão binocular, de forma a prevenir o aparecimento da ambliopia estrábica.

  • Causas do estrabismo

Pode ser provocado por causas congénitas ou adquiridas.

  • Tratamento

O tratamento pode ser clínico, ótico ou cirúrgico. É recomendado que se inicie o tratamento do estrabismo é recomendado perante o aparecimento dos primeiros sinais.

8. Hipermetropia

É um tipo de ametropia que tem origem num globo ocular com comprimento axial curto e onde a imagem visual formada é projetada por de trás da retina – ocorre em 35% das pessoas com menos de 60 anos de idade).

  • Causas da hipermetropia

Na maioria dos casos a hipermetropia tem origem congénita.

  • Tratamento

Corrigível com óculos com lentes positivas, lentes de contacto ou cirurgia laser.

9. Miopia

É um erro de refração que afeta a visão à distância. É um tipo de ametropia que tem origem num globo ocular com comprimento axial longo em que a imagem visual não é focada diretamente na retina, mas à frente da mesma (ocorre em cerca de 20% da população). Pode apresentar três formas: simples, média e patológica.

  • Causas da miopia

A forma patológica pode estar associada a causas hereditárias. Os novos estudos epidemiológicos apontam para um aumento da incidência da miopia, possivelmente relacionado com a acomodação induzida pelos dispositivos eletrónicos e uso abusivo da visão central.

  • Tratamento

A miopia é corrigível com óculos com lentes negativas, lentes de contacto ou cirurgia laser.

10. Olho seco

É uma condição anormal da lubrificação da superfície do olho que se manifesta quando é produzido pouco fluido lacrimal ou pela alteração da composição do filme lacrimal.

  • Causas do olho seco

Utilização de lentes de contato, exposição a ambientes com ar condicionado, vento, permanência em altitudes elevadas, uso de cosméticos, fumo de tabaco, poluição do ar, etc. Existem determinados medicamentos que podem provocar a redução de lubrificação nos olhos, como os anti-histamínicos, antidepressivos, diuréticos, anestésicos, anticolinérgicos e beta–bloqueantes. Pode ainda estar associado ao envelhecimento, pois em idades mais avançadas há diminuição da produção de lágrimas.

  • Tratamento

Deve ser feito não apenas para o próprio bem-estar do paciente mas para evitar a lesão da córnea. Devem usar-se colírios específicos (lágrimas artificiais) e, nos casos mais graves, é possível recorrer à oclusão da drenagem da lágrima, permitindo que elas fiquem em contato com o olho por mais tempo.

11. Terçolho ou hordéolo

É a infeção de uma pequena glândula da pálpebra, podendo ser interno ou externo conforme a glândula atingida. Geralmente forma um pequeno nódulo palpável, doloroso e avermelhadoque ocorre de forma aguda que se pode localizar no bordo da pálpebra ou na sua espessura. Os terçolhos são doenças dos olhos bastante comuns, particularmente em pacientes com inflamação crónica das pálpebras (blefarite crónica).

  • Causas do treçolho ou hordéolo

A causa mais frequente é uma infeção bacteriana.

  • Tratamento

Na maioria dos casos, os terçolhos drenam espontaneamente em poucos dias, mas em casos graves ou recorrentes é preciso acompanhamento por oftalmologista. O tratamento pode incluir a aplicação de compressas quentes, várias vezes ao dia, de modo a facilitar a drenagem através do orifício da glândula. Em alguns casos poderá ser necessário recorrer a uma pomada com antibiótico. Nos casos mais resistentes, poderá ser necessário drenar o terçolho cirurgicamente.

FONTE: https://rotasaude.lusiadas.pt/doencas/sintomas-e-tratamentos/doencas-dos-olhos-mais-comuns/

SITE: https://rotasaude.lusiadas.pt/

Conheça 7 alimentos que fazem bem para a visão

 RÔMULO SILVA 

Pouca gente sabe, mas manter uma dieta saudável e equilibrada é essencial para manter os olhos saudáveis, podendo até mesmo ajudar a reduzir o risco do desenvolvimento de problemas oculares. Doenças oculares graves podem ser evitadas se você incluir na sua dieta alimentos que contêm uma variedade de vitaminas, nutrientes e minerais com moléculas antioxidantes.

Você já deve saber que uma dieta balanceada é melhor desenvolvida com uma variedade de proteínas, laticínios, frutas e vegetais. Por isso, tentar comer um “arco-íris” durante o dia, ou seja, incorporando muitos tipos de alimentos de muitas cores diferentes, pode realmente valer a pena.

Pensando nisso, listamos aqui alguns dos melhores alimentos para os seus olhos. Vale destacar que a maioria costuma estar disponível o ano todo e por um preço razoável, sem falar que você também pode apreciá-los em receitas mais complexas. Além disso, você vai ver que a saúde dos olhos vai muito além do uso de rodelas de pepino sobre as pálpebras. Confira!

1. Peixes

Os peixes, particularmente o salmão, podem servir como ótimos alimentos para a saúde ocular. O salmão e vários outros peixes têm ácidos graxos ômega-3, que são considerados “gorduras saudáveis”. Na prática, os ácidos graxos ômega-3 podem contribuir para o desenvolvimento da visão, mais especificamente na saúde da retina na parte posterior do olho. Além disso, eles também podem ajudar a prevenir a sensação de olhos secos.

Por conta desses benefícios, considere incorporar peixes ao seu plano de refeições alguns dias por semana. Ao comprar salmão, dê preferência à escolha de uma versão capturada na natureza em vez do salmão criado em fazendas, pois o salmão cultivado em fazendas possui mais gordura saturada e menos ômega-3 do que o salmão capturado na natureza.

Também vale destacar que o salmão e a maioria dos peixes podem ser grelhados. Nesse caso, tente temperá-lo com ervas frescas, limões, sal e pimenta para fazer um jantar simples, nutritivo e delicioso.

2. Ovos

Os ovos fornecem muitos benefícios para a saúde ocular. As gemas contêm vitamina A, luteína, zeaxantina e zinco, que são vitais para a saúde dos olhos. Especificamente falando, a vitamina A protege a córnea, que é a superfície do olho. Já a luteína e a zeaxantina diminuem a chance de ocorrer problemas oculares graves, como a degeneração macular relacionada à idade e a catarata. Por sua vez, o zinco contribui para a saúde da retina, que compõe a parte de trás do olho.

Outro ponto a favor dos ovos é que eles são extremamente versáteis e podem ser incrementados no café da manhã, almoço e jantar. A maneira mais saudável de consumir ovos é cozinhando-os, mas você também pode experimentá-los em saladas e sanduíches.

3. Laticínios

Produtos lácteos, como leite e o iogurte, podem ser muito bons para os olhos. Eles contêm vitamina A, assim como o mineral zinco. A vitamina A protege a córnea, enquanto o zinco ajuda a levar essa vitamina para os olhos de maneira eficaz. De fato, o zinco é encontrado em todo o olho, especialmente na retina e na coroide, que é o tecido vascular que fica sob a retina. Este mineral importante ajuda na visão noturna e na prevenção de cataratas.

Os laticínios podem ser consumidos durante todo o dia. Você pode beber um copo de leite com uma refeição ou apreciá-lo junto com o café ou com cereais matinais. O iogurte também é uma opção saudável e bastante recomendada por nutricionistas para o café da manhã ou até mesmo como um lanche, especialmente no período da tarde.

4. Couve

A couve já é largamente conhecida como um superalimento por muita gente, pois contém muitas vitaminas, nutrientes e minerais importantes. No entanto, o que pouca gente sabe é que ela também é excelente para a saúde ocular. A couve tem os antioxidantes luteína e zeaxantina (também encontrados em ovos e outros alimentos) que podem ajudar a prevenir problemas oculares graves, como a degeneração macular relacionada à idade e a catarata.

Vale destacar que a luteína e a zeaxantina não são produzidas no corpo, o que significa que você deve incorporá-las à sua dieta. Uma porção de 100 gramas de couve contém 11,4 mg de luteína, que já é mais do valor mínimo recomendado de 10 mg por dia. Outros vegetais ricos em luteína são o pimentão e o espinafre.

5. Cenouras

As cenouras já são velhas conhecidas por serem boas para a saúde ocular. Assim como as gemas dos ovos, as cenouras contam com vitamina A, além do betacaroteno. Na prática, tanto a vitamina A quanto o betacaroteno ajudam a manter a saúde da superfície dos olhos e também podem ajudar a prevenir infecções oculares e outras condições oculares graves.

Além disso, existe a grande vantagem de que as cenouras são fáceis de comer, podendo ser consumidas em praticamente qualquer lugar. Caso você não goste de consumi-las na sua forma crua, experimente incluí-las em saladas e sopas para obter mais nutrição no seu cardápio diário.

6. Amêndoas

As amêndoas, assim como outras nozes e sementes, geralmente são boas para a saúde da visão, pois contêm vitamina E. Essa vitamina protege os olhos contra moléculas instáveis que têm como alvo os tecidos saudáveis. Desse modo, consumir quantidades regulares de vitamina E pode ajudar a prevenir a degeneração macular relacionada à idade, bem como a catarata.

Você pode desfrutar das amêndoas como um lanche a qualquer momento. Elas também são saborosas no cereal matinal, iogurte ou saladas. No entanto, lembre-se de manter os olhos atentos quanto à porção consumida. As amêndoas são ricas em calorias, portanto, tente limitar sua ingestão a uma ou duas porções por dia. Outras nozes e sementes que contêm vitamina E incluem sementes de girassol, avelãs e amendoins.

7. Laranjas

Laranjas e outras frutas cítricas contêm muita vitamina C, que é essencial para a saúde ocular. Essa vitamina, encontrada principalmente em frutas e vegetais frescos, contribui para a manutenção de vasos sanguíneos saudáveis nos olhos. Além disso, elas podem combater o desenvolvimento de cataratas e, em combinação com outras vitaminas e nutrientes, a degeneração macular relacionada à idade.

Para apreciar as laranjas da melhor forma, você pode beber o suco da fruta, consumi-la in natura como um lanche ou adicioná-la a uma salada de frutas.

FONTE: https://www.tricurioso.com/2020/01/29/conheca-7-alimentos-que-fazem-bem-para-a-visao/

SITE: https://www.tricurioso.com/

VOCÊ SABE COMO LIMPAR OS OLHOS DO BEBÊ?

Como os olhos os bebês são muito delicados, muitas vezes pais e mães (especialmente os de primeira viagem) ficam com receio e não sabem como limpar os olhos do bebê corretamente. Porém, essa higienização deve ser uma das prioridades ao longo dos primeiros meses de vida da criança, pois eles também podem ter irritações, conjuntiviteblefarite, inflamações e outras doenças oculares.

Por isso, é importante ter higiene com os olhos desde cedo. Logo após o nascimento, a primeira limpeza feita pela equipe médica já é fundamental. Conhecido como Método de Crede, consiste na introdução de um colírio de nitrato de prata a 1%, realizada idealmente até uma hora após o parto. O colírio ajuda a evitar a conjuntivite neonatal, infecção causada pela entrada de sangue e/o outros líquidos nos olhos do nenê durante o parto. Entre os sintomas, estão as pálpebras grudadas e pus no canto interno dos olhos.

Higienização dos olhos do bebê em casa

Os cuidados em casa devem ser frequentes, principalmente entre os 6 aos 12 meses, período em que ocorre o desenvolvimento do sistema de drenagem lacrimal. Enquanto esse sistema não está totalmente desenvolvido, a lágrima fica parada nos cantos internos do olho e isso forma um depósito de muco, que pode ser fonte para irritações oculares.

Apesar do medo de lidar com um ser tão frágil e pequeno, o procedimento não tem mistério. Utilize uma compressa esterilizada com soro fisiológico, uma para cada olho, fazendo um movimento único no sentido de dentro para fora (do canto nasal para a orelha).

Outra dica é limpar os olhos do bebê durante o banho, com um chumaço de algodão para cada olho, umedecido em água morna filtrada. Aproveite o início o banho para limpar os olhos do bebê, pois a água está mais limpa.

Na hora de enxugar os olhos, embrulhe o dedo indicador em uma toalha macia e limpa, pressionando suavemente contra a pálpebra sem esfregar. Em caso de secreções, é mais fácil remover com uma gaze macia e esterilizada, dobrada ao meio. Utilize água morna filtrada, e troque de gaze ao limpar o outro olho para evitar a contaminação.

Segundo especialistas, a água boricada deve ser evitada, pois pode provocar formação de cristais e irritar a região, que já é naturalmente sensível. Também evite o uso de hastes flexíveis (cotonetes)! Um movimento brusco, sem querer, pode causar ferimentos.

Para ajudar a desenvolver o canal lacrimal, oftalmologistas indicam que se deve lavar os olhos do canto interno do olho à narina, massageando ligeiramente no canto com uma leve pressão. Colírios e outros medicamentos não devem ser utilizados para fazer a higiene dos olhos do bebê, e devem ser receitados apenas por um oftalmologista ou oftalmopediatra.

Atenção e cuidados especiais

Além da conjuntivite neonatal, outras infecções podem aparecer devido à falta de higiene. Entre as mais comuns estão a blefarite (inflamação nas pálpebras, que as deixa vermelhas e purulentas), e a conjuntivite (causa por vírus ou bactérias, deixa as pálpebras grudadas).

Em caso de qualquer anormalidade, consulte o oftalmologista com urgência! Além disso, visitas frequentes ao oftalmologista são fundamentais.

FONTE: https://www.lenteseoculos.com.br/voce-sabe-como-limpar-os-olhos-do-bebe/

SITE: https://www.lenteseoculos.com.br