6 alimentos que fazem bem para a visão

Cuidar da alimentação é uma das maneiras mais fáceis de se prevenir de ter problemas na visão. Ter uma dieta equilibrada não é essencial só para quem quer emagrecer ou ser mais saudável. Existem estudos científicos que mostram que incluir determinados alimentos na dieta pode beneficiar a saúde como um todo. Além disso, ter bons hábitos como não se expor a raios ultravioletas para evitar problemas na visão não é suficiente se o corpo não está bem nutrido.

Isso porque a falta de determinados nutrientes e vitaminas pode contribuir para o surgimento e a evolução de doenças nos olhos. Cuidar da saúde demanda dedicação e paciência, mas pode evitar vários inconvenientes. Importante lembrar que nenhum consumo fará com que problemas na visão sejam resolvidos. A consulta periódica com um oftalmologista é indispensável. Por isso, reunimos uma lista de alimentos que fazem bem para a visão e que você deve incluir no seu dia a dia.

Folhas e verduras verdes devem ser consumidas sempre

Todo mundo sabe que comer salada diariamente faz bem. Mas, existem alguns alimentos que fazem para a visão e que nem sempre são colocados nos pratos. Os antioxidantes presentes em alimentos como couve, espinafre e brócolis, ajudam a proteger a visão. Além disso, esses alimentos também são ótimas fontes de carotenoides, que são substâncias que ajudam na saúde dos olhos.

Legumes como cenouras são ótimas para a saúde dos olhos

A maioria das pessoas sabe que cenoura faz bem para a visão. Além disso, outros alimentos como legumes e frutas de cor alaranjada também fazem esse papel. A cenoura especificamente é uma ótima fonte de vitamina A e C. Ela também é uma fonte de carotenoides, que são nutrientes que ajudam a retardar o aparecimento de doenças crônicas como glaucoma e catarata.

Peixes são alimentos que fazem bem para a vista

Incluir peixe em uma dieta é um ótimo caminho para quem deseja cuidar da saúde dos olhos, pois é um dos alimentos que fazem bem para a visão. Peixes como salmão, atum, sardinha e truta são fontes ricas de ômega 3, minerais e vitaminas como A, B, D e E.

Cebola e alho também contribuem para a saúde dos olhos

Cebola e alho já são bastante usados para o preparo e tempero dos alimentos. Mas você sabia que o consumo desses alimentos ajudam na prevenção de algumas doenças? São fontes de vitaminas B e C, cálcio e fósforo. Além disso, ajuda a diminuir a pressão arterial, o que ajuda indiretamente o surgimento de doenças oculares como a glaucoma.

Consumir ovos reduz vários riscos

Ninguém sabe se os ovos são amigos ou inimigos das dietas. Entretanto, existem estudos que comprovam que o consumo de ovos pode ajudar a minimizar as chances da degeneração macular, que é uma doença da retina e pode até causar a perda da visão se não for diagnosticada e bem tratada.

Use e abuse de óleos de linhaça e azeite

A linhaça é uma semente muito utilizada e é um alimento funcional para quem gosta de cuidar da saúde. O bom é que isso também faz bem para a saúde dos olhos, pois uma dieta rica em óleos de linhaça e azeite evitam a síndrome do olho seco e degeneração macular. Eles são alimentos que fazem bem para a vista e são fontes de ômega 3 e vitamina E.

O que acharam das nossas dicas de alimentos que fazem bem para a visão? Lembre-se de que é preciso manter uma dieta equilibrada e consultar o oftalmologista sempre que surgir algum incômodo.

FONTE: https://hospitaldeolhos.net/dicas/alimentos-que-fazem-bem-para-a-visao/

SITE: https://hospitaldeolhos.net/

POSSO USAR LENTE DE CONTATO COM CONJUNTIVITE?

Coceira, dificuldade de abrir os olhos, secreção e inchaço — esses são alguns dos sintomas da conjuntivite. Essa inflamação aparece do nada e, em algumas horas, toma conta dos seus olhos, obrigando-o a dar uma pausa nas suas atividades diárias. Essa doença ainda é pouco compreendida e muita gente tem dúvidas se pode usar lente com conjuntivite.

Neste artigo, vamos explicar um pouco mais sobre essa inflamação e tirar suas dúvidas sobre o que fazer com as lentes de contato, caso a doença apareça. Boa leitura!

O QUE É CONJUNTIVITE?

A conjuntivite é a inflamação/infecção na conjuntiva, membrana que recobre o globo ocular e a parte interna da pálpebra. Essa doença é típica dos dias secos e pode ser causada por bactérias, fungos, vírus ou ser de origem alérgica.

Com exceção da última, as outras são altamente contagiosas. Geralmente, a condição se inicia em um dos olhos e compromete o outro em seguida. A contaminação ocorre por contato com o doente ou pelo compartilhamento de objetos — é de extrema importância procurar um médico para ter o diagnóstico correto e evitar que outros peguem a doença.

Os sintomas da conjuntivite são:

  • coceira;
  • olhos vermelhos;
  • secreção e lacrimação;
  • visão embaçada;
  • inchaço e dor na pálpebra;
  • sensação de areia nos olhos;
  • intolerância à luz.

A falta de informação e a automedicação dificultam o tratamento da conjuntivite. Grande parte da população, ao notar os olhos vermelhos, faz uso de colírios sem a orientação médica, no entanto, a doença pode ser de origem bacteriana, sendo necessário o uso de antibióticos e não apenas do colírio.

Quem faz uso de lentes de contato deve ficar atento e, em caso de irritação ocular, procurar um oftalmologista para o tratamento adequado.

DÁ PARA USAR LENTE COM CONJUNTIVITE?

Não, quem usa lente de contato deve retirá-la assim que notar qualquer sintoma da doença. Além de os seus olhos ficarem muito irritados, existe o risco de infectar as lentes, portanto, o uso deve ser suspenso até a liberação do seu médico.

Usar lente com conjuntivite pode piorar sua situação, então, a dica é deixá-la de lado por, no mínimo, quinze dias e, durante o período, substituí-la pelos óculos de grau até que a inflamação seja curada.

QUAIS OS CUIDADOS COM AS LENTES APÓS O APARECIMENTO DOS SINTOMAS?

Se você fizer uso de lentes gelatinosas, descartáveis ou anuais, a notícia ruim é que terá que jogá-las fora, caso sua conjuntivite tenha sido de origem bacteriana ou viral, porque ambas são muito contagiosas. Para evitar uma reinfecção, é necessário descartar tanto as lentes quanto o estojo em que elas foram armazenadas.

No entanto, se você usa lentes rígidas, elas podem ser reaproveitadas, porém, devem passar por um processo de assepsia durante alguns dias para destruir qualquer patógeno. É essencial ter esses cuidados com as lentes para evitar que a doença retorne e, mais importante, seguir as orientações do seu oftalmologista e só voltar a utilizá-las quando ele autorizar..

Fique atento a qualquer sintoma que apareça e lembre-se de nunca usar lente com conjuntivite — essa prática pode piorar sua infecção e contaminá-la. Se você usa lentes de contato, deve redobrar sua atenção e sempre ir ao médico para tirar qualquer dúvida, afinal, seus olhos merecem esse cuidado.

FONTE: https://blog.e-lens.com.br /usar-lente-com-conjuntivite/

SITE: https://blog.e-lens.com.br

O que a saúde dos olhos e visão tem a ver com dor de cabeça?

Um dos primeiros sintomas a indicar que há algo de errado com a saúde dos olhos é a dor de cabeça. Em muitos pacientes ela aparece depois de um dia de leitura excessiva ou de um período prolongado em frente ao computador. As queixas são comuns e podem atingir homens, mulheres e crianças. Há pacientes que chegam a relatar dor nos olhos, mal-estar, enjoos e outros sintomas, sem descartar as dores de cabeças.

Muitos chegam a procurar ajuda médica em neurologistas ou profissionais de outras especialidades. Acabam sendo encaminhados ao oftalmologista, onde irão começar a tratar a causa do problema.

Possíveis problemas

Os pacientes com dores de cabeça por conta de problemas na visão costumam apresentar dificuldade de concentração, irritabilidade e indisposição. Na maior parte dos casos acordam bem, iniciam suas tarefas, e ao longo do dia começam a apresentar os sintomas.

As queixas podem revelar condições como miopia, astigmatismo, hipermetropia e estrabismo latente. Todos esses problemas podem ser facilmente corrigidos com o uso de lentes corretivas, ou seja, óculos. A partir do momento em que paciente começa a usar os óculos como recomendado, os sintomas desaparecem.

Em casos mais raros, o glaucoma pode ser a causa da dor de cabeça. Sua principal característica é aumentar os níveis de pressão ocular e ao longo do tempo degenerar o nervo ótico, causando cegueira irreversível. A dor de cabeça aparece como sintoma pois a pressão ocular alterada é o fator desencadeante.

Em geral, as pessoas que sofrem com o glaucoma, tendem a notar as crises de dor de cabeça logo pela manhã, diferente das pessoas acometidas por outras condições que prejudicam a saúde dos olhos. Isso ocorre pois é nesse período em que a pressão ocular atinge seu pico.

Comece a cuidar da saúde dos olhos

Depois de diagnosticado o problema, é preciso seguir à risca o que o médico indicou. Na maioria das vezes, os pacientes abandonam o uso dos óculos durante o período de adaptação. É comum que algumas pessoas sintam certos desconfortos ao usar os óculos pela primeira vez, mas, isso não é razão para continuar sofrendo com a dor de cabeça.

A indicação é insistir um pouco mais, até que os olhos se acostumem com o grau indicado. Em alguns casos, os oftalmologistas podem prescrever colírios, para que o paciente se sinta mais confortável.

Em casos mais delicados, pode ser sugerida uma cirurgia para correção do problema. O conselho para o paciente é não descartar essa possibilidade logo de cara, e ouvir o que médico sugere. Às vezes, a cirurgia pode pôr um ponto final ao desconforto que o acompanha há anos e pode ser o único modo de voltar a ter em plenas condições a saúde dos olhos.

Acompanhamento e manutenção

Seja qual for a indicação, é preciso que o paciente mantenha uma rotina de cuidados com a saúde dos olhos. Isso envolve consultas periódicas ao oftalmologista e troca das lentes sempre que for necessário. É possível, que ao longo do tempo com o uso dos óculos, o grau sofra alterações, por isso, acompanhamento é fundamental.

FONTE: https://ioc.med.br/blog/saude-dos-olhos/

Mitos Sobre a Visão e Saúde dos Olhos

Cuidar da saúde dos olhos vai muito além de saber se precisa usar óculos ou não. Algumas situações aparentemente simples podem influenciar na nossa visão e dos nossos filhos. 

Por isso, selecionamos algumas dúvidas que chegam às redes sociais e durante as consultas no IOA, mas que podem te surpreender. 

Confira:

1 – Olhar diretamente para o sol faz mal?

Verdade. O sol produz vários tipos de luzes. Uma delas é a ultravioleta (UV), que é muito prejudicial. Ela causa danos à retina e ao cristalino, que pode acarretar catarata.

2 – Terçol melhora com anel quente?

Mito. O incômodo do terçol pode, sim, ser amenizado com compressas mornas. O calor excessivo de um metal quente como o anel, no entanto, pode queimar as pálpebras.

3 – Usar colírio sempre faz bem?

Mito. Tem gente que que o colírio é uma limpeza para os olhos, mas não é bem assim. É um medicamento e seu uso está indicado em situações específicas.

4 – Ver TV deitado prejudica os olhos?

Mito. O que pode ocorrer é um desconforto causado pela sonolência que exige dos olhos um esforço maior para focar as imagens.

5 – Catarata é hereditário?

Em parte. Muita calma nessa hora! De acordo com o especialista, a maioria dos casos de catarata está relacionada ao envelhecimento. Há casos congênitos, porém, que podem ser hereditários.

6 – Ler no escuro faz mal?

Depende. O escuro pode causar um desconforto, diminuir a velocidade da leitura e consequentemente o interesse pela atividade, analisa o especialista. Uma iluminação adequada facilita a leitura, tanto para a garotada, quanto para os pais.

7 – Cenoura faz bem para a visão?

Verdade. Oba! O vegetal é rico em vitamina A e luteína, propriedades essenciais para os olhos, que podem melhorar especialmente a eficiência da visão noturna. Isso não significa que comer muitos alimentos com essas características irá regredir algum problema que você já tenha.

8 – Coçar os olhos pode causar lesões na córnea?

Verdade. Se existir alguma doença e se o ato for feito com muita intensidade,a ação pode mesmo provocar lesões na córnea.

9 – Passar muito tempo na frente do computador piora a visão?

Mito. A famosa “vista cansada” pode ser citada neste caso. O uso do computador não faz mal para os olhos, mas está relacionado ao sintoma de olho seco e sensação de cansaço.

10 – A miopia pode voltar após a cirurgia a laser?

Verdade. A miopia, astigmatismo e a hipermetropia podem voltar a qualquer momento após a cirurgia a laser. Se o grau continuou progredindo é porque isso aconteceria mesmo sem a cirurgia.

Gostou? Acompanhe as nossas redes sociais, onde estamos sempre publicando conteúdos sobre a saúde ocular. 

FONTE: https://clinicaioa.com.br/mitos-sobre-a-visao-e-saude-dos-olhos/

SITE: https://clinicaioa.com.br/

8 dicas para cuidar da saúde dos olhos

Colírios, lentes, exames e outras recomendações médicas para manter a visão em dia

Por Daniela Spilotros

Aproveitando que 10 de julho é o Dia da Saúde Ocular, esclarecemos algumas dúvidas com a médica Carla Moreira Albhy, oftalmologista do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, e listamos os cuidados básicos que todos devem ter com a saúde dos olhos. São dicas importantes para o dia a dia, acompanhe.

Consulta anual com o médico oftalmologista é compromisso com a saúde - Foto: Divulgação

Consulta anual com o médico oftalmologista é compromisso com a saúde – Foto: Divulgação

1 – Visite o oftalmologista regularmente
Basta uma consulta anual para fazer os exames de rotina: tonometria (medida de pressão intraocular); refração (mede o grau dos óculos, se necessários) e fundo de olho (exame da retina e nervo óptico). São importantes para detectar doenças como glaucoma e degeneração macular, mais frequentes a partir dos 50 anos.

2- Não use qualquer colírio
Somente os colírios de lágrimas artificiais estão liberados para uso diário. É uma dica para quem trabalha em ambientes com ar condicionado e fica com o olho ressecado. A poluição também provoca esse desconforto. Atenção, pois aplicar outros colírios sem orientação médica pode causar até cegueira.

Leia mais: Atenção ao uso de colírios

3- Evite esfregar os olhos quando sentir coceira ou irritação
Além do risco de contaminação – infecções como a conjuntivite, por exemplo – isso pode lesar a córnea, que é a lente transparente mais superficial do olho. Na presença de ciscos ou coceira, lave com bastante água ou use um colírio de lágrima artificial.

4- Retire a maquiagem
Sombra, rímel, delineador ou qualquer outro item de maquiagem podem causar alergias e irritação. Evite o contato prolongado com a região dos olhos e prefira demaquilantes ou sabonete neutro para lavar pálpebras e cílios.

5- Higienize bem as lentes de contato
Existem vários tipos de lentes, rígidas ou gelatinosas, e com descarte que pode ser diário, quinzenal, mensal ou anual. É importante seguir as recomendações do fabricante e/ou desinfetá-las com soluções específicas (e não soro fisiológico). E nunca reutilizar o líquido.

6- Óculos escuros, só com proteção solar
Economizar na qualidade das lentes pode sair caro no futuro. Usar óculos sem proteção contra os raios ultravioletas UVA e UVB aumenta os riscos de doenças como a catarata e a degeneração macular.

7- Soro fisiológico para casos específicos
Nos casos de conjuntivite ou terçol, use o soro em compressas mornas ou geladas. Já quando algum produto agressivo entra em contato com os olhos, lave-os o quanto antes com água corrente ou soro fisiológico em grande quantidade. Se o desconforto continuar ou se a visão estiver embaçada, vá direto ao oftalmologista.

8- Evite olhar para a tela por longos períodos
O uso excessivo de computadores, tablets e celulares pode causar dores de cabeça e astenopia – a famosa vista cansada. Faça intervalos a cada duas horas, por pelo menos 10 minutos.

FONTE: https://coracaoevida.com.br/8-dicas-para-cuidar-da-saude-dos-olhos/

SITE: https://coracaoevida.com.br

ALERGIAS E INFECÇÕES NOS OLHOS

Os olhos são responsáveis por traduzir para o cérebro cerca de 80% das informações que recebemos, transformando a luz emitida pelos objetos em uma imagem nítida na retina. Por isso é importante o acompanhamento oftalmológico para evitar alergias e infecções nos olhos.

A Dra. Luciana Olivalves, especialista em córnea e doenças oculares externas do H.Olhos – Hospital de Olhos, elenca oito dicas, que fazem a diferença no zelo com os olhos, evitando alergias e infecções. Confira!

1. Mantenha os cílios e pálpebras limpas

Poucas pessoas se atentam à higienização dos cílios e das pálpebras. É preciso limpá-los com soluções específicas ou com xampu neutro diluído em água morna.

Sem essa higienização, a oleosidade em excesso, produzida pelas glândulas da borda palpebral, acumulará gordura, levando à obstrução das glândulas (hordéolo/terçol), evaporação da lágrima (olho seco evaporativo) e aumento do número de bactérias.

2 Tome cuidado com maquiagem

A maquiagem é feita para embelezar, porém, sem removê-la com produtos adequados, pode obstruir as glândulas da margem palpebral.

Além disso, pode gerar inflamação local, irritação da conjuntiva e da córnea, ou seja, aumentando o risco de alergias e infecções nos olhos e nas áreas próximas.

3. Lave bem as mãos

As mãos são portas para bactérias, vírus e outras substâncias que podem causar irritaçōes, alergias e quadros infecciosos.

Lavar as mãos com frequência e evitar colocá-las nos olhos são medidas importantes para prevenir doenças.

4. Não utilize colírio sem indicação médica

A automedicação é um erro que em muitos casos pode levar a complicações severas. O uso indiscriminado de colírios provoca problemas, como:

  • conjuntivite química;
  • ceratite medicamentosa;
  • aumento da pressão intraocular;
  • catarata;
  • olho vermelho crônico por efeito rebote (causado por colírios contendo vasoconstritores).

Os lubrificantes oculares ou lágrimas artificiais podem ser usados no dia a dia, preferencialmente, os sem conservantes.

5. Não compartilhe objetos pessoais

Ao compartilhar objetos pessoais, doenças como conjuntivites virais e bacterianas podem ser transmitidas.

Não se deve usar objetos de outras pessoas, como toalha de rosto, maquiagem e até mesmo colírios, pois favorecem o contágio.

6. Evite água boricada e soro fisiológico

A água boricada não deve ser usada nos olhos, pois contém ácido bórico em sua composição, o que pode causar alergias e ser um agravante  da inflamação.

O soro fisiológico, apesar de se parecer mais com a lágrima, contém sal (sódio), podendo ser uma fator irritativo aos olhos já inflamados.

O ideal é usar água mineral ou filtrada, além dos colírios lubrificantes.

7. Atenção às lentes de contato

Usuários de lentes de contato devem redobrar o cuidado, pois, em caso de descuido,  podem ser infectados pelo protozoário Acanthamoeba, encontrado na água da torneira, no soro fisiológico e no estojo das lentes, quando não armazenadas  e cuidadas adequadamente.

Esse protozoário pode gerar ceratite, que, normalmente, demanda tratamento de no mínimo seis meses, além de reduzir significativamente a visão do paciente.

Além de lavar bem as mãos, higienizar e guardar corretamente as lentes em soluções adequadas, é preciso trocá-las no tempo correto. Por isso, siga sempre as orientações do seu oftalmologista e do fabricante. O uso prolongado e o costume de dormir com as lentes elevam os riscos de infecção e de intolerância em longo prazo.

Para diminuir os riscos, há produtos específicos para higiene das lentes, que eliminam bactérias, fungos e protozoários.

8. Óculos são de uso individual

Os óculos devem se encaixar anatomicamente ao rosto e aos olhos, funcionando como proteção a qualquer exposição.

Para quem gosta de nadar, por exemplo, os óculos devem ter uma vedação adequada, impedindo o contato dos olhos com a água, mas sem gerar pressão no globo ocular.

Os óculos escuros, por outro lado, são um aliado contra o sol. O acessório deve filtrar entre 99% e 100% de toda a radiação UV (abaixo dos 400 nm), filtrar a radiação azul (entre 400 e 500 nm) e cobrir a região ao redor dos olhos.

Além disso, os óculos escuros auxiliam no combate ao envelhecimento da pele das pálpebras. Entretanto, é importante ressaltar que produtos de procedência duvidosa, sem garantia e nota fiscal, não devem ser utilizados.

É fácil evitar alergias e infecções nos olhos?

A resposta é sim! Ao menos de acordo com a especialista da H.Olhos, Dra. Luciana Olivalves.

“Essas são dicas simples, mas eficientes para prevenir as alergias e infecções nos olhos. Contudo, uma visita anual ao oftalmologista é imprescindível, sejam crianças, adultos ou idosos.”, finaliza a profissional.

FONTE: https://www.hospitalholhos.com.br/noticia/alergias-e-infeccoes-nos-olhos-8-dicas-para-evitar-o-problema/

SITE: https://www.hospitalholhos.com.br

Cuidados com os olhos para prevenir o Coronavírus

Os cuidados com os olhos devem ser rotina, a vida toda. Porém, neste momento que vivemos,  a higiene ocular deve ser redobrada. Os olhos são a nossa “janela para o mundo”, mas também podem ser portas de entrada para vírus e infecções.

Pelos olhos podemos ser infectados pelo novo coronavírus e contrairmos a tão temida Covid-19. Um alerta emitido pela Academia Americana de Oftalmologia, aponta que a doença pode atacar as vias respiratórias pelo canal lacrimal, devido a conexão dos olhos com o nariz. Assim, reforçamos ainda mais a importância de cuidar bem dos seus olhos.

Neste artigo, falamos das medidas de higiene e limpeza que você pode adotar para manter os seus olhos protegidos de vírus e infecções.

Cuidados básicos para prevenir o coronavírus

Existem formas de prevenção para todas as doenças transmitidas por meio de secreções respiratórias e infecções. No caso do coronavírus é muito importante ter a higiene como aliada.

Lembre-se sempre de lavar as mãos com frequência, cobrir o rosto com o cotovelo para tossir e espirrar, não compartilhar óculos, colírios, maquiagem, talheres, toalhas e fronhas, e nunca coce os olhos.

Quando falamos dos cuidados exclusivos dos olhos, reforçamos a importância de não coçar os olhos. Nunca coloque as mãos nos olhos, principalmente sem lavá-las. E isso também vale depois de utilizar álcool em gel. O contato do álcool com os olhos pode causar lesões na córnea.

Agora que você já sabe dessa necessidade, chegou a hora de aprender alguns passos a passos de higienizar os olhos, lentes de contato, óculos de grau e filtro espectral.

Como higienizar corretamente os olhos?

1) Lave muito bem as mãos com água e sabão;

2) Você deve remover óculos e lentes de contato para a limpeza;

3) Feche os olhos e use shampoo infantil(que não ardem os olhos) para lavar os cílios;

4) Coloque o shampoo com delicadeza numa gaze ou algodão em disco molhados, e passe sobre as pálpebras e cílios. Não pressione, apenas deslize sobre os olhos;

5) Faça movimentos de cima para baixo (das pálpebras para os cílios) e do canto interno para o externo (do nariz para as orelhas);

6) Enxague o rosto com água corrente, até remover todo o shampoo;

7) Use uma toalha macia para secar o rosto com movimentos suaves;

8) Utilize uma gaze (ou algodão de remover maquiagem) novos para cada olho.

Como lavar os cílios?

1) Lave diariamente os cílios e as pálpebras;

2) Feche os olhos e use shampoo infantil, que não arde os olhos;

3) Faça movimentos leves de cima para para baixo, limpando as impurezas da região;

4) Enxágue os cílios e as pálpebras com água em abundância;

5) Você pode passar o shampoo para um frasco maior e colocar a mesma quantidade de água para diluí-lo.

Como higienizar remelas em excesso?

1) Mantenha seus olhos sempre limpos;

2) Molhe uma gaze com soro fisiológico armazenado em geladeira para limpar os olhos;

3) Passe a gaze molhada no sentido do canto do olho para fora;

4) Utilize uma gaze nova para cada olho.

Como manter os óculos de grau limpos?

A primeira opção é ideal para quem está em casa ou em local onde há água e sabão.

1) A maneira mais recomendada é lavar em água corrente com detergente neutro, aquele que você usa para lavar a louça, ou então sabonete líquido neutro;

2) Lave os óculos por completo: lentes e armação;

3) Para secar, use uma toalha bem limpa e macia.

Se você não consegue lavar com água e sabão no momento:

1) Faça uma solução com água oxigenada 10 volumes (3% peróxido de hidrogênio) e água corrente;

2) Para cada medida de água oxigenada, misturar 5 medidas de água corrente. (Ex: Para cada 100ml de água oxigenada, misturar 500ml de água corrente);

3) Com a receita de uma solução que você poderá borrifar nos óculos de grau;

4) Você pode secá-los com lenços de papel.

Como limpar os óculos Spectral e Irlen?

Estes óculos precisam de um cuidado especial. Existem duas formas de limpeza:

Para lavar as lentes e armação com água e sabão:⠀

1) Molhe os óculos por completo em água corrente;

2) Coloque um pouco de sabonete líquido para recém-nascidos na ponta dos dedos, faça uma espuminha e passe nas lentes, por dentro e por fora. Lave também a armação;

3) Enxágue com água corrente;

4) Seque com pano limpo, de algodão flanelado ou com uma toalha limpa e macia;

5) Para secar você também pode usar lenço de papel ou papel higiênico bem macios.

Para limpar com o spray que acompanha os óculos:

1) Borrife uma pequena quantidade do produto em spray na lente e espalha com o dedo limpo na parte interna e externa das lentes;

2) Secar o produto e lustrar com uma toalha ou flanela (100% algodão), limpa, macia e seca ou lenço de papel de ótima qualidade;

3) Não utilizar papel toalha sob o risco de arranhar as lentes;

4) A limpeza deve ser feita habitualmente, uma vez por semana, (ou quando houver necessidade de maior frequência, até 2 ou 3 vezes).

Como limpar as lentes de contato

1) Lave muito bem as mãos com água e sabão;

2) Desinfete as suas lentes de contato com a solução de limpeza de lentes;

3) Se você utiliza lentes rígidas, use a solução de limpeza nas lentes para esfregar e enxaguar;

4) Se você utiliza lentes gelatinosas basta mergulhar na solução de limpeza de lentes;

5) Depois de limpar as lentes utilize o líquido que está dentro do estojo, para limpá-lo por dentro e por fora;

6) Utilize sempre a solução de limpeza de lentes recomendada. Nunca limpe suas lentes de contato na água da torneira, com soro fisiológico, saliva ou soluções esterilizadoras;

7) Guarde sempre as lentes de contato no estojo com a solução de limpeza de lentes.

Se você tiver a opção, recomendamos o uso dos óculos de grau para substituir as lentes de contato neste período, para evitar o contato das mãos com os olhos. E lembre-se: não permaneça com as lentes por mais de 8 horas.

Como remover a maquiagem

1) Remova sombra, delineador ou lápis de olho com um demaquilante específico, hipoalergênicos, para a região dos olhos (à base de água e óleo);

2) Com movimentos leves, sem pressionar, limpe do canto interno para o externo, depois a parte de baixo. Em seguida, limpe de fora para dentro. Até retirar toda a maquiagem;

3) Para limpar o rímel, utilize um bom demaquilante. Se o rímel for à prova d’água, busque demaquilantes à base de óleo ou utilize shampoo neutro de bebê;

4) Para finalizar, lave todo o rosto com sabonete apropriado e enxágue com água abundante.

Não compartilhe maquiagem, nem objetos de higiene pessoal, como lenços e toalhas de rosto

Uma limpeza correta previne de contaminações, principalmente do CORONAVÍRUS (COVID-19).

FONTE: http://www.holhos.com.br/blog/cuidados-com-os-olhos-para-prevenir-o-coronavirus/

SITE: http://www.holhos.com.br

Como lavar os olhos corretamente

Como lavar os olhos corretamente: Quando usar água, soro ou colírio

Quando falamos em cuidados com os olhos, várias dúvidas vem a cabeça, Como lavar meus olhos adequadamente? Será que posso usar água? Devo usar somente soro ou colirio receitados pelo oftalmologista? Afinal, a visão é algo sensível.

Pois bem caro leitor, neste artigo iremos falar tudo sobre os cuidados que devemos ter quando o assunto é lavar os olhos. Confira aqui.

Água, soro fisiológico ou colírio: Qual devo usar:

A lavagem dos olhos é algo que exige total cuidado e atenção. Além disso, não é qualquer produto que podemos usar, mesmo que pareça inofensivo, usar algo inadequado nos olhos poderá afetar drasticamente a visão.

Mas então, o que é apropriado para a lavagem dos olhos? Citamos aqui três substâncias mais indicadas que são água (mineral ou filtrada), soro fisiológico e colírio.

Quando usar a água?

A água é mais indicada para a lavagem externa dos olhos, como as pálpebras e também para a higienização do rosto. Lembrando sempre que o ideal é que a água seja mineral, filtrada ou fervida.

Pode parecer até algo bobo, mas muitas pessoas não fazem a higienização das pálpebras. Entretanto, essa lavagem é fundamental, já que a mesma evita que nossas glândulas lacrimais possam entupir por agentes como maquiagem.

Assim, quando a higienização não ocorre, infecções podem ocorrer, já que naquela região ocular aumenta a quantidade de bactérias. Além disso, a sensação de secura é constante.

lavagem interna dos olhos com água, só é indicada caso ocorra a exposição de agentes tóxicos, como tinta ou desinfetante. Assim, a lavagem dos olhos deve ocorrer de forma rápida, com água mineral, filtrada ou até mesmo fervida.

Lembrando de após a lavagem, procure imediatamente um oftalmologista para que os olhos sejam examinados para que não ocorra problemas futuros.

Além disso, vale citar que em nenhum momento deve se usar água boricada para lavar os olhos. Já que a mesma contém ácido bórico, que em muitos casos ocorre alergias e até mesmo queimaduras oculares.

Soro fisiológico é o mais indicado?

O soro fisiológico não é o mais adequado quando o assunto é a lavar os olhos ou até mesmo lentes de contato. O fato do soro não ser a melhor solução, é que o mesmo após ter a embalagem aberta, pode ser contaminado rapidamente.

Além disso, pode ocorrer a multiplicação de micro-organismos que são nocivos, que podem ocasionar inflamações graves, que podem até prejudicar totalmente a visão.

Caso a umidificação dos olhos seja necessária, o mais indicado é que se use uma solução lubrificante. Lembrando que a mesma deve ser prescrita pelo seu oftalmologista de sua confiança.

No caso de não ter outra alternativa, o soro fisiológico poderá ser usado. Contudo, o ideal é que se use a opção em dose única, já que a mesma após o uso deverá ser descartada.

Colírio: Só utilize com prescrição do seu oftalmologista

colírio só é indicado para pessoas que possuam alguns sintomas como vermelhidão, secreção ou coceira. Além de serem prescritos por um oftalmologista de confiança.

uso de colírios sem indicação médica, poderá ocasionar problemas prejudicais a visão. Além disso, o uso constante e sem necessidade poderá deixar os olhos mais aptos a várias infecções oculares.

Do mesmo modo que ao utilizar um colírio constantemente, poderá deixar os olhos viciados na substância encontrada no mesmo. Então, quando necessário, a eficácia quase nula sendo necessário o uso de produtos mais fortes.

Tenho secura nos olhos, o que devo usar?

Primeiramente é de suma importância que se ressalta que nunca deve utilizar algum medicamento sem a prescrição do seu médico. Em caso de secura ocular, o mais recomendado é o uso de colírios hidratantes.

Além disso, há uma variedade de produtos indicados para a secura ocular. Contudo, ressaltamos que a auto medicação pode trazer consequências desagradáveis. Assim, só use medicação prescrita pelo seu médico.

FONTE: https://blog.newlentes.com.br/2020/07/06/como-lavar-os-olhos-corretamente-quando-usar-agua-soro-ou-colirio/

SITE: https://blog.newlentes.com.br/

Prevenção é a melhor saída para evitar doenças oculares

prevenção de doenças oculares é um dos principais objetivos do Dia Mundial da Visão, celebrado neste dia 10 de julho. Isso porque muitos dos problemas podem ser evitados com bons hábitos como, por exemplo, usar óculos de sol com proteção UVB além dos exames de rotina.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a falta de prevenção adequada pode fazer com que em 2020 existam 76 milhões de pessoas cegas no mundo. Atualmente este número é de cerca de 39 milhões. A entidade ainda afirma que 80% dos diagnósticos poderiam ser evitados por meio de cirurgia ou prevenção.

Usar protetor ocular sempre que houver risco de algo atingir olhos; lavar os olhos com bastante água limpa, cuidado com as maquiagens, pois algumas podem provocar alergia; e usar óculos escuros em ambientes com claridade excessiva; são alguns cuidados preventivos de doenças oculares. Tais como glaucoma, cegueira, rinopatias, conjuntivites entre outras.

Apesar de existir uma infinidade de recursos tecnológicos para tratar desses problemas, a procura por tratamentos oftalmológicos cresce diariamente. Especialistas atribuem esse crescimento ao envelhecimento da população e ao uso excessivo de aparelhos eletrônicos, como computadores, tablets e vídeo games. Inclusive, pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard, nos Estados Unidos, identificaram que a luz emitida pelos eletrônicos é prejudicial à qualidade do sono e, consequentemente, à saúde de um modo geral.

A visão é um dos principais contatos que temos com o mundo exterior, portanto, ter uma boa saúde dos olhos é essencial para uma boa qualidade de vida. E você sabia que, por meio dos olhos, é possível diagnosticar até cinco doenças que afetam todo o corpo? E isso ocorre porque eles mostram diversos sinais de que alguma coisa não vai bem, principalmente problemas vasculares. Quer um exemplo? A hepatite pode ser identificada por conta da cor amarela que os olhos ficam.

DIABETES

“O diabetes tem uma alteração que muitas vezes é identificado por meio de um vazamento de líquido ou um edema da retina. Esses sintomas são muito comuns, principalmente se o diabetes está descontrolado, com a glicemia muito alta”.

Vale ressaltar que o controle da taxa de glicemia pode retardar o aparecimento de alterações na retina ou diminuir sua severidade. Por isso, é sempre importante que o diabético receba acompanhamento permanente de um médico oftalmologista.

HIPERTENSÃO

Um dos muitos sintomas da pressão alta pode ser facilmente identificado pelos olhos vermelhos.  “Há alterações nos reflexos dos vasos, uma dilatação, um aumento da presença da parte venosa”. Segundo o dr. Renato, inicialmente, não há razão para alarde, já que os olhos podem estar vermelhos por conta de outras situações, como períodos de noites mal dormidas. Mas, caso o quadro persista e seja acompanhado de perda de visão, dor de cabeça intensa ou sensibilidade exagerada à luz, é importante procurar uma ajuda especializada.

DOENÇAS HEPATOLÓGICAS

O diagnóstico pode ser feito pelo médico com base na observação dos sintomas e nos resultados de exames. “A pessoa começa a ficar amarela e com os olhos amarelos, o que podem sugerir alterações do fígado”, explica.

CÂNCERES

“Alguns tipos de sangramentos dentro dos olhos podem identificar alterações da parte da hematologia, como algumas doenças da coagulação; ou mesmo as cancerosas, como linfomas, leucemias, que podem dar alterações específicas do fundo de olho”, salienta o cirurgião-oftalmológico. Por meio de uma “mancha característica”, é possível identificar também “tumores primários na mama ou na próstata”.

ANEMIA

De acordo com a  Organização Mundial de Saúde (OMS), a anemia é definida como a condição na qual o conteúdo de hemoglobina no sangue está abaixo do normal como resultado da carência de um ou mais nutrientes essenciais, seja qual for a causa dessa deficiência. A doença pode ser causada por deficiência de vários nutrientes como ferro, zinco, vitamina B12 e proteínas. 

O diagnóstico é feito “ao perceber a vascularização dos olhos, se está branco se está vermelho.” Portanto, é fundamental que, além do oftalmologista, o paciente receba acompanhamento médico de um clínico-geral, já que algumas doenças estão relacionadas a condição vascular sistêmica da pessoa.  

FONTE: https://www.boavontade.com/pt/saude/prevencao-e-melhor-saida-para-evitar-doencas-oculares

SITE: https://www.boavontade.com

Entenda a diferença entre as lentes de contato

Está querendo deixar os óculos para trás ou recebeu recomendações médicas para usar lentes de contato? Saiba que não existe um único tipo para procurar! Neste artigo, vamos explicar a diferença entre as lentes de contato e suas indicações.

Os tipos de lente costumam ser divididos pela função de correção visual, pelo descarte de cada uma ou pelo material de fabricação (rígidas ou gelatinosas). Antes de decidir por um deles, entenda mais sobre cada lente e converse com seu oftalmologista sobre qual a melhor opção para o seu caso!

Tipos de lentes de contato

1. Descarte

Existem lentes que devem ser descartadas diariamente, e algumas com trocas programadas, que podem ser quinzenais, bimestrais e até anuais. As de descarte diário possuem a vantagem de serem mais fáceis de manter, diminuem os riscos de infecção e são normalmente mais bem aceitas por quem não tem o costume de usar lentes.

Já as de descarte mais demorado requerem mais cuidados, principalmente no quesito limpeza. A vantagem é principalmente econômica, visto que elas poderão ser usadas por mais tempo antes de precisarem de substituição.

2. Rígidas ou gelatinosas

As lentes rígidas são as mais duráveis – são elas que podem ter descarte anual, por exemplo. Elas são recomendadas para quem tem altos graus de miopia e astigmatismo, ou para quem possui outras doenças oculares específicas. São mais fáceis de limpar, mas costumam ser mais desconfortáveis, então podem ser complicadas para quem tem muita sensibilidade nos olhos. Elas normalmente são de PMMA ou acrílico.

As gelatinosas servem bem para quem possui graus baixos e/ou possuem olhos sensíveis. São de curta duração: não precisam ser necessariamente de descarte diário, mas não ultrapassam os dois meses, na maioria das vezes. São mais confortáveis, e nem sempre precisam ser utilizadas para correção; as lentes coloridas, usadas por estética, são gelatinosas.

3. Funções visuais

Elas podem ser usadas para resolver graus diversos de miopia, hipermetropia, astigmatismo (com lentes tóricas) ou presbiopia (lentes multifocais).

O que é ideal para mim?

Apesar de algumas lentes serem mais recomendadas para determinados problemas e situações, isso é uma resposta muito individual. Você pode possuir um grau de astigmatismo alto, por exemplo, o que pode significar que seria melhor escolher uma lente rígida, mas se você não se acostumar a ela, é preciso tentar outros tipos. Em alguns casos, as lentes podem simplesmente não funcionar para o seu estilo de vida, ou ao menos não mais do que os óculos.

De qualquer maneira, a escolha das lentes de contato é uma parceria entre o paciente e o oftalmologista. Um lado apresentará as razões médicas, e outro apresentará suas condições físicas e habituais. O resultado deve ser eficiente e confortável.

FONTE: https://www.duooftalmologia.com.br/diferencas-entre-as-lentes-de-contato/

SITE: https://www.duooftalmologia.com.br