Dermatologia

Celulite, como evitar?

Por ser uma tendência pessoal, característica das mulheres, a celulite não pode ser totalmente evitada. Mas algumas dicas podem ajudar a evitar o seu agravamento e melhorar o seu aspecto:

  • Como a obesidade está relacionada com uma piora da celulite, evite estar acima do seu peso ideal.
  • Dietas milagrosas não existem, o mais importante é fazer uma reeducação alimentar, mudando os hábitos que levam ao aumento do peso.
  • O sedentarismo não ajuda em nada. Para queimar calorias e evitar o acúmulo de gorduras, você precisa de atividade física, principalmente atividades aeróbicas. Escolha o exercício que você gostar mais. Caminhar ao ar livre, pedalar, ginástica, natação… Um deles vai se encaixar no seu ritmo de vida.
  • Cuide também do emocional. O stress leva a um desequilíbrio de todo o organismo, diminuindo sua vontade de se exercitar e, muitas vezes, a alimentação é utilizada como uma forma de compensar a ansiedade. Procure ter lazer e aumentar o seu contato com a natureza, atividade que sempre renova nossas energias.
  • Não fume! O cigarro dificulta a circulação do sangue, aumentando a retenção de toxinas e dificultando a oxigenação dos tecidos.
  • Evite roupas muito apertadas.
  • Beba bastante água (2 a 3 litros por dia). Isto estimula a função renal e a eliminação de toxinas.
  • Cuidado com o sal, que aumenta a retenção de líquidos no organismo.

Proteção solar: 10 dicas que você precisa saber

O sol é o principal responsável pelo envelhecimento cutâneo e pelo surgimento do câncer de pele. A proteção solar é o melhor método de preveni-los.

Especialmente durante o verão, devido às férias, ficamos mais tempo ao ar livre e expostos ao sol, aumentando o risco de queimaduras solares.

Nesta época, a radiação ultravioleta B, principal causadora do câncer de pele, apresenta maior intensidade e, por isso, todos os cuidados devem ser tomados para evitar a ação danosa do sol.

Seguindo as orientações abaixo, você poderá aproveitar o melhor do sol cuidando da saúde da sua pele:

1. Evite exposições prolongadas e repetidas ao sol

Queimaduras solares acumuladas durante a vida predispõem ao câncer de pele e ao seu envelhecimento. O somatório de todas as vezes em que você expôs a sua pele ao sol vai fazer a diferença quando tiver mais idade.

Com o passar dos anos, a pele perde a capacidade de reverter os danos provocados pelo sol. A partir daí, começam a surgir os sinais de envelhecimento cutâneo, como as manchas e rugas, além de lesões que podem evoluir para um câncer de pele, como as ceratoses actínicas.

2. Evite se expor ao sol nos horários próximos ao meio-dia

O horário entre 10 e 16 horas tem grande incidência da radiação ultravioleta B, principal responsável pelas queimaduras solares e pelo surgimento do câncer de pele.

Procure a sombra neste período do dia e, se não puder, utilize sempre proteção solar caprichada. Use chapéus ou bonés, roupas com proteção UV e filtros solares com alto fator de proteção solar (FPS).

proteção solar

Você não quer ficar assim…

3. O bronzeamento ocorre gradativamente, após os primeiros dias de exposição ao sol

A pele leva 48 a 72 horas para produzir e liberar a melanina, pigmento que dá cor à pele. Portanto, não adianta querer se bronzear em um só dia. Ficar muito no sol não vai acelerar este processo. Você só vai se queimar e descascar depois, deixando sua pele manchada.

Lembre-se de que as queimaduras promovem danos irreversíveis para a pele, deixando-a com aspecto envelhecido e mais predisposta ao câncer de pele.

4. Use sempre barracas de praia, bonés, viseiras ou chapéus

Cerca de 70% dos cânceres da pele ocorrem na face, proteja-a sempre. Bonés, viseiras e chapéus são importantes formas de proteção solar para a face. Não se esqueça de proteger os lábios e as orelhas.

As barracas devem ser grossas, para bloquear bem a passagem do sol.  Mesmo assim, use filtro solar, pois uma parcela da radiação UV atravessa o tecido, além da radiação que se reflete na areia e atinge você mesmo debaixo da barraca.

5. Aplique generosamente o filtro solar, 20 a 30 minutos antes de sair ao sol

Este é o tempo necessário para a estabilização do protetor solar na pele, de modo que sua ação ocorra com maior eficácia. Faça isso de preferência em casa, sem pressa, principalmente nas crianças, que não vão querer ficar na praia esperando meia hora para entrar na água.

O ideal é passar o filtro solar sem roupa para poder lambuzar bem a pele sem se preocupar com a roupa de banho. Muitas pessoas ficam com queimaduras próximo ao biquini ou à sunga porque evitaram “sujá-los” com o filtro. Lembre-se de reaplicar o filtro a cada 2 horas ou após mergulhar para uma proteção solar adequada.

6. Use filtro solar com FPS 30 ou maior

FPS é a abreviação de Fator de Proteção Solar e significa que usando um filtro com fps=30 sua pele levará 30 vezes mais tempo para ficar vermelha do que sem proteção. Pessoas de pele muito escura podem usar filtros solares com fator de proteção 15. Saiba mais sobre qual FPS usar de acordo com o seu tipo de pele.

7. Peles claras e pessoas ruivas exigem melhor proteção solar

Pessoas ruivas e as que tem a pele muito clara são mais propensas ao câncer da pele e devem levar a proteção solar muito a sério para evitar problemas no futuro. Quem tem este tipo de pele tem maior chance de enfrentar problemas se não se proteger.

Pessoas de pele muito clara raramente se bronzeiam, portanto não insista em querer se bronzear. Você só vai se queimar e danificar sua pele. Lembre-se de que o mal só vai aparecer numa fase mais adiantada da vida.

proteção solar

Dias nublados também pedem proteção solar

8. Mormaço também queima

Não se engane. Mesmo nos dias nublados, até 80% da radiação ultravioleta pode atravessar as nuvens e chegar à Terra.

Portanto, use proteção solar também nestes dias, utilizando filtros solares com o mesmo FPS que usaria num dia ensolarado.

9. Filtro solar deve ser usado diariamente

Se você se expõe ao sol diariamente, mesmo que não seja na praia, use proteção solar nas áreas expostas. Isso diminui o dano provocado pelo sol, que se acumulará continuamente durante os anos de vida.

Cada vez que você sai na rua e anda exposto ao sol, a radiação ultravioleta atinge o DNA celular e deixa lá a sua marca, cujo resultado só vai aparecer com o passar dos anos.

Esse cuidado é especialmente importante para as pessoas de cabelos ou olhos claros, com sardas, que se queimam mais do que se bronzeiam, ou com casos de câncer de pele na família.

10. A proteção solar das crianças é responsabilidade dos pais

Proteja as crianças e estimule os adolescentes a se protegerem. Este é um hábito que deve ser formado desde cedo. Cerca de 75% da exposição solar acumulada durante a vida ocorre até os 20 anos de idade. É muito importante a proteção solar nesta época da vida.

A proteção solar adequada durante os primeiros 18 anos de vida pode diminuir em até 85% a chance de se ter um câncer de pele na idade adulta, portanto, leve esta responsabilidade a sério. Saiba como estimular seus filhos a se protegerem.

Mas se você insiste em se bronzear…

Se você é daqueles que não dispensa de jeito nenhum o bronzeado no verão, pelo menos saiba como se bronzear sem se queimar.

Micoses da pele: como evitar?

A umidade da pele, provocada pelo suor ou pelo costume de não se enxugar adequadamente após o banho, favorece o surgimento das micoses da pele.

Hábitos higiênicos são importantes para se evitá-las.  Previna-se seguindo as dicas abaixo:

  • Seque-se sempre muito bem após o banho, principalmente as dobras de pele como as axilas, as virilhas e entre os dedos dos pés.
  • Evite ficar com roupas molhadas por muito tempo (sungas, maiôs, etc.)
  • Evite o contato prolongado com água e sabão.
  • Não use objetos pessoais (roupas, calçados, pentes, toalhas, bonés) de outras pessoas.
  • Não ande descalço em pisos constantemente úmidos (lava pés, vestiários, saunas).
  • Observe a pele e o pelo de seus animais de estimação (cães e gatos).  Qualquer alteração como descamação ou falhas no pelo procure o veterinário.
  • Evite mexer com a terra sem usar luvas.
  • Use somente o seu material de manicure.
  • Evite usar calçados fechados o máximo possível.  Opte pelos mais largos e ventilados. Use sempre meias de algodão.
  • Evite roupas quentes e justas.  Evite os tecidos sintéticos, principalmente nas roupas de baixo. Prefira sempre tecidos leves como o algodão.

 

Pele das crianças: dicas e cuidados

A pele das crianças tem características diferentes das dos adultos e merecem cuidados especiais. Além disso, por terem a imunidade ainda em desenvolvimento, estão mais suscetíveis a alguns tipos de infecção.

  • Algumas crianças nascem com hemangiomas, que são manchas avermelhadas, algumas elevadas. Na maioria das vezes, não necessitam de tratamento, pois regridem sozinhas.
  • “Bolhinhas” com puz na pele ou feridas que não cicatrizam podem ser impetigo. Em alguns casos, a enfermidade pode desencadear uma doença que afeta os rins, a glomerulonefrite, portanto deve ser tratada logo no início.
  • O seu filho frequenta piscina e estão aparecendo uns “carocinhos” bem pequenos com uma depressão no centro ele pode estar com molusco contagioso. A doença também deve ser tratada logo no início pois se alastra com facilidade tornando o tratamento mais difícil.
  • Coceira na nuca pode ser sinônimo de piolhos, local predileto deles também no adulto. Procure por eles ou pelas lêndeas, pontos brancos aderidos aos fios, que são os ovos dos parasitas.
  • Se seu filho brinca em caixas de areia ou na praia e aparecer uma mancha avermelhada, coçando muito e fazendo um caminho sinuoso na pele, pode ser larva migrans, também conhecida como “bicho geográfico”.
  • Nem toda mancha branca que aparece após a praia, é “micose de praia”. Outras doenças, como a pitiríase alba ou deficiência de vitamina A podem ser a causa das manchas.
  • Se o seu filho toma mais de um banho por dia, evite a água muito quente e ensaboá-lo demais, o que pode provocar ressecamento e diminuir a barreira protetora da pele. Dê preferência a sabonetes suaves.
  • Coceira na dobra dos braços e atrás dos joelhos, acompanhadas de aspereza e vermelhidão, podem ser provocadas pela dermatite atópica, doença comum em crianças e “da família” da asma e rinite alérgica.
  • Evite cortar as unhas dos pés dos recém-nascidos muito curtas, principalmente se eles usam macacões com pé, pois isso favorece o encravamento das unhas.
  • Coceira pelo corpo, que piora à noite, atingindo principalmente abdômen, genitais, umbigo, espaços entre os dedos das mãos, axilas e punhos pode ser escabiose, principalmente se outros membros da família também estão coçando.
  • Bebês muito aquecidos por excesso de roupas podem desenvolver bolinhas avermelhadas principalmente no tronco e na região do pescoço. É a miliária ou brotoeja.

Queimaduras: como proceder?

Queimadura é o dano provocado à pele e outros tecidos por agentes com alta temperatura como o fogo, líquidos aquecidos, vapor ou objetos quentes. A radiação, o laser e substâncias químicas também podem provocar queimaduras.

  • Imediatamente coloque e mantenha a área queimada sob água fria ou gelada até aliviar a dor.
  • Não coloque qualquer produto na queimadura (pasta de dente, manteiga…). Não ajudam e atrapalham a limpeza das lesões. Nem mesmo os cremes para queimadura, vendidos nas farmácias, devem ser colocados sem a orientação de um médico.
  • Caso formem-se bolhas, não as estoure. Se isto for necessário, deve ser feito por um médico.
  • Procure sempre atendimento médico para avaliação da necessidade de tratamento das lesões para uma melhor cicatrização.
  • Atenção: queimaduras em áreas muito extensas, mesmo que superficiais, podem representar risco de vida. Procure imediatamente atendimento médico.
  • Após cicatrizada, evite expor a área queimada ao sol, pois aumenta o risco de escurecimento.
  • Mesmo protegendo-a, pode ocorrer o escurecimento da pele, chamado de hiperpigmentação pós-inflamatória, que pode ser tratado pelo dermatologista.

Estrias: como evitar?

Surgimento mais frequente na adolescência e gravidez

O surgimento das estrias depende de uma tendência pessoal. Elas surgem em algumas pessoas mesmo com pouca distensão da pele, sendo que outras não as desenvolvem nem na gravidez, quando a distensão da pele do abdômen é muito grande.

Nas meninas, na fase da puberdade, alguns cuidados são muito importantes para se tentar evitar o seu surgimento, pois é nessa época que elas costumam aparecer nas nádegas, coxas e mamas.

Nos rapazes, a fase do “estirão” promove um crescimento muito grande e em tempo curto, podendo provocar o surgimento estrias horizontais no dorso do tronco.

Outra situação onde é comum o surgimento das estrias é a gravidez, quando o abdomen se distende muito

Logo que as estrias surgem, elas costumam ser avermelhadas ou arroxeadas, e podem ser acompanhadas de sintomas como coceira leve. Esta é a fase ideal para se começar um tratamento. Passado algum tempo, que pode variar de meses a anos, elas vão perdendo a cor e ficando esbranquiçadas. Estrias antigas costumam ser mais dificeis de tratar.

estrias

Estrias no dorso do tronco

Como evitar as estrias

Para tentar evitá-las, recomenda-se a hidratação intensa da pele com cremes e loções hidratantes apropriados, principalmente em pessoas com histórico familiar de estrias.

Deve-se beber pelo menos 8 copos grandes de água por dia (cerca de 2 litros) e evitar engordar demais e rapidamente, eliminando doces e gorduras da dieta e praticando exercícios físicos regularmente.

Vale ressaltar que mesmo tomando-se todos estes cuidados, pode não ser possível evitar o surgimento das lesões.

Neste caso, é importante iniciar o tratamento o mais cedo possível. Conheça os tratamentos para estrias e saiba o que esperar deles.

Cuidados com a pele oleosa e cabelos oleosos

A pele oleosa e os cabelos oleosos merecem cuidados especiais para evitar problemas como o surgimento de cravos, espinhas e dermatite seborreica. Veja algumas dicas que vão ajudar.

Pele oleosa

  • Evite usar hidratantes nas áreas de pele oleosa, onde eles raramente são necessários. Mesmo se logo após o banho, a pele parece ressecada, em pouco tempo a oleosidade natural vai retornar.
  • Evite lavar a face com água quente, pois isso estimula a produção de mais oleosidade.
  • Evite alimentos gordurosos.
  • Beba bastante água (1,5 a 2 litros por dia) e coma frutas, legumes e verduras.
  • Só use filtros solares e cosméticos com o rótulo oil free (sem óleo).
  • Produtos matificantes ajudam a absorver a oleosidade da pele.
  • Se, além de oleosa, a pele descama ou fica avermelhada ou com coceira, procure um dermatologista, você pode estar com dermatite seborréica.

Cabelos oleosos

  • Evite usar condicionadores próximo à raiz dos cabelos ou xampus que contenham condicionadores na sua fórmula (2 em 1).
  • Evite lavar a cabeça com água quente.
  • Evite alimentos gordurosos e bebida alcoólica.
  • Beba bastante água (1,5 a 2 litros por dia) e coma frutas, legumes e verduras.
  • Cuidado com o estresse, ele pode aumentar a produção de oleosidade.
  • Se além da oleosidade tem caspa e coceira, pode ser a dermatite seborréica. Neste caso, procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.

Aprenda a usar os filtros solares corretamente

Evite queimaduras e outros danos à pele

Os filtros solares estão aí para nos proteger das radiações solares e, se usados adequadamente, é possível aproveitar os prazeres da vida ao ar livre com mais segurança.

Veja, abaixo, nossas dicas para o uso correto da proteção solar:

  • O fator de proteção solar (FPS) mínimo deve ser o 30 para peles claras e o 15 para peles bem escuras
  • Aplique o filtro solar 20 a 30 minutos antes da exposição solar
  • Após aplicar o filtro solar, aguarde 20 minutos antes de mergulhar
  • Nas crianças é melhor fazer a primeira aplicação ainda em casa. Se deixar para aplicar ao chegar na praia ou piscina, vai ser difícil convencê-las a esperar 20 minutos para poder mergulhar
  • Espalhe o filtro solar de maneira uniforme e abundante por toda a superfície corporal que vai ser exposta ao sol. Economia é sinônimo de proteção inadequada
  • Não esqueça de proteger as orelhas, os lábios e o peito dos pés!
  • Peça a alguém para aplicar o filtro solar nas suas costas (deixe a timidez de lado, é melhor que se queimar)
  • Filtro solar em spray também precisa ser espalhado com as mãos, senão a aplicação não fica uniforme
  • Reaplique o filtro solar a cada 2 horas e após mergulhar ou transpiração excessiva
  • Filtros à prova d’água também precisam ser reaplicados após o mergulho. Eles resistem melhor, mas acabam saindo
  • Se os olhos ardem quando mergulha, prefira os filtros solares exclusivamente físicos para a face (vale para as crianças, que esfregam as mãos no rosto após mergulhar)
  • O uso do filtro solar não significa que você está imune aos efeitos do sol. Cuidado com a exposição excessiva no horário entre 10 e 16 horas. Use barracas, chapéus, bonés, viseiras e camisetas
  • Surfistas que permanecem por longos períodos na água devem utilizar roupas de lycra escura para surfar e filtros solares físicos para a face (são mais aderentes)
  • Mulheres, cuidado, alguns filtros solares mancham o esmalte das unhas
filtros solares

Só passou o filtro até onde a mão alcançou

Uso inadequado dos filtros solares

O rapaz na foto ao lado foi à praia consciente da importância de usar um protetor solar. No entanto, suas mãos só alcançavam até os ombros e ele não pediu à ninguém para passar o filtro nas suas costas.

O resultado pode ser percebido nitidamente: nos ombros, onde o filtro solar foi aplicado, a pele foi protegida do sol e não se queimou. Nas outras áreas das costas ele sofreu queimadura solar, com dor, ardência, calor e vermelhidão intensa.

Evite que isso aconteça com você! Siga as dicas acima e aproveite o melhor do sol! Vale a pena lembrar que, na hora de escolher que filtro solar usar, é importante saber qual é o seu fototipo cutâneo.

Cuidados com as unhas

As unhas tem função importante e, muitas vezes, a forma de cortá-las ou o uso abusivo de produtos cosméticos como esmaltes podem prejudicá-las. Veja nossas dicas para manter as unhas saudáveis:

  • Não corte as unhas até o “sabugo”, deixe sempre uma pequena porção da borda livre.
  • Não corte as unhas dos pés pelos cantos, isso evitará que elas encravem.
  • Não retire ou afaste as cutículas, elas protegem a matriz ungueal da ação de substâncias químicas e/ou microorganismos.
  • Evite usar endurecedores de unha, eles podem causar ressecamento e manchas.
  • Evite deixar as mãos úmidas por muito tempo. A umidade excessiva favorece o surgimento de micoses como o “unheiro”.
  • Deixar de usar esmaltes durante 1 semana por mês, usando um hidratante com uréia neste período, ajuda a evitar o ressecamento e desfolhamento das unhas.
  • Tenha o seu próprio material de manicure ou use apenas material que foi esterilizado em autoclave para evitar a transmissão de micoses de unha.
  • Bordas das unhas desfolhando são muito comuns em mulheres que usam esmalte. Parar de usar o esmalte por dois meses e hidratar as unhas caprichadamente neste período costuma resolver o problema.
  • Se você tem o hábito de caminhar, correr, praticar esportes ou dançar e as unhas dos dedões estão ficando roxas, compre um calçado um número maior.
  • Se a unha está encravada, cortar o canto que encravou não vai resolver o problema. Quando a unha crescer, vai encravar de novo. Procure um dermatologista para o tratamento adequado.
  • Descolamento ou espessamento da unha costuma ser resultado de alguma doença, como micose ou psoríase. Procure um dermatologista para o correto diagnóstico e tratamento.

O que é Dermatologia?

O que é a Dermatologia?

Dermatologia é uma especialização médica cuja área de conhecimento se concentra no diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças e afecções relacionadas à pele, pelos, mucosas, cabelo e unhas.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia é a única sociedade médica reconhecida pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) e pela Associação Médica Brasileira (AMB), sendo, portanto, a representante oficial dos Dermatologistas no país.

 

Quem é o dermatologista?

O dermatologista é o médico especialista no diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças da pele, pelos, mucosas, cabelos e unhas. São mais de 3.000 doenças dermatológicas que afetam a pele de crianças, adultos e idosos.

O dermatologista atua no diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças, além de orientar sobre cuidados gerais, solucionar problemas estéticos e trabalhar na manutenção da beleza da pele. Veja algumas doenças que os dermatologistas tratam: acne (espinhas), alergias, vitiligo, psoríase, queda de cabelos, hanseníase (lepra) e câncer da pele.

O profissional  também é habilitado para tratar de doenças nas mucosas, como afecções na boca, lábios, gengiva, língua e também na área genital. Neste caso enquadram-se as doenças sexualmente transmissíveis (DST) ou doenças venéreas.

 

O que é preciso para se tornar um dermatologista?

É preciso graduar-se em Medicina, um  curso que compreende seis anos de estudo em período integral. Os médicos formados, para se tornarem especialistas, fazem um curso de especialização ou de residência médica. No caso da Dermatologia, o curso dura de três a quatro anos, em período integral.

Nesta etapa, os médicos atendem pacientes e aprendem sobre todo tipo de doença de pele. Familiarizam-se com os tratamentos clínicos, cosmiátricos, laser, oncológicos e cirúrgicos que envolvam a pele e seus anexos. São quase nove mil horas de estudo, apenas na residência, para tornar o médico apto a tratar e diagnosticar as diversas doenças e problemas da pele e de suas extensões.

Ao final desta etapa, o médico necessita registrar-se no Conselho Federal de Medicina como especialista em Dermatologia para oficialmente ser considerado especialista.

Existem duas formas de obter a especialização:

  1. Ter concluído um curso de residência em Dermatologia reconhecido pela SBD e CNRM (Comissão Nacional de Residência Médica);
  2. Ter concluído especialização em Dermatologia reconhecida pela SBD e ser aprovado em concurso de prova de título e habilidades das Sociedades de especialidades filiadas à AMB (Associação Médica Brasileira). No caso da Dermatologia, a prova de Título de Especialista em Dermatologia da SBD.

Todos os aprovados e os que concluíram a residência devem registrar os certificados nos Conselhos de Medicina de seus estados para obter o chamado Registro de Qualificação de Especialista (RQE). SOMENTE COM ESTE REGISTRO O MÉDICO PODERÁ SER CONSIDERADO ESPECIALISTA, SEJA EM DERMATOLOGIA OU QUALQUER OUTRA ÁREA.